A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Estudos Culturais - Completo

Pré-visualização | Página 1 de 1

ESTUDOS CULTURAIS
Centro de Estudos Culturais Contemporâneos
Recorte da autora: 
Conexões com os mass media e a cultura popular para refletir sobre a esfera cultural como um campo de relações estruturadas pelo poder e por diferenças sociais.
 
CENTRE FOR CONTEMPORANY CULTURAL STUDIES - CCCS
Centro de pesquisa de pós-graduação da Universidade de Birminghan.
Eixo principal de observação: 
As relações entre a cultura contemporânea e a sociedade, isto é, suas formas culturais, instituições e práticas culturais, assim como a sociedade e as mudanças sociais.
“PAIS FUNDADORES”
RELAÇÃO ENTRE CULTURA, HISTÓRIA E SOCIEDADE
Richard Hoggart – The uses of literacy (1957) – em parte autobiográfico e em parte história cultural do meio do séc. XX – no âmbito popular não existe só submissão, mas também resistência.
Raymond Williams – Culture and society (1958) – construção de um conceito de cultura – “cultura comum e ordinária” – condições de igualdade com o mundo das artes, literatura e música – intensidade do debate sobre o impacto cultural dos meios massivos.
Edward Palmer Thompson – The making of the english working class (1963) – ponto de vista particular sobre a história da sociedade inglesa – a história “dos de baixo” – cultura era uma rede vivida de práticas e relações que constituíam a vida cotidiana, dentro do qual o papel do indivíduo estava em primeiro plano.
Importante participação de Stuart Hall:
Incentivou a investigação de práticas de resistência de subculturas e de análise dos meios massivos, identificando seu papel central na direção da sociedade.
Se firma como um “aglutinador” em momentos de tensões teóricas – “catalisador” de inúmeros projetos coletivos.
CONTEXTO HISTÓRICO
Fim da Segunda Guerra Mundial:		
Impacto do capitalismo nas relações socioculturais.
Alastramento dos meios de comunicação de massa.
Ruptura das culturas tradicionais de classe.
Colapso do império britânico:
Integridade da nação britânica em jogo.
Crise de identidade nacional.
INFLUÊNCIAS
Trabalha com uma concepção particular de cultura – esta é a singularidade do projeto dos Estudos Culturais.
Analisa as práticas culturais como formas materiais e simbólicas.
A criação cultural é condicionada pelo espaço social e econômico.
Contribuição marxista – compreensão da cultura na sua “autonomia relativa” – ela não é dependente das relações econômicas, mas tem influências e sofre consequências das relações político-econômicas – existem várias determinantes – econômica – política – cultural.
Conceito estendido de cultura – os rituais da vida cotidiana, instituições e práticas, ao lado das artes, constituem uma formação cultural.
Reconhecimento da história oral e da memória popular.
Noção de cultura como prática – descentralização da legitimização da cultura – a cultura popular alcança legitimização.
Questionamento das hierarquias, estabelecidas por oposições alta/baixa cultura, superior/inferior.
Não é só o estudo da cultura, porque ela não pode ser analisada independente das relações sociais.
Ponto de vista político e teórico:
Político – os EC são sinônimo de “correção política”, porque identificam-se com a política cultural de vários movimentos sociais: Worker´s Educational Association, Campaign for Nuclear Disarmament, feminismo, etc, além de confundir-se com a trajetória da New Left.
Teórico – resultam da insatisfação com os limites de algumas disciplinas – propõe a inter/trans disciplinaridade.
MULTIPLICIDADE DE OBJETOS
ANOS 70
Subculturas que pareciam resistir a alguns aspectos da estrutura dominante de poder – como se articulam as dimensões de resistência e subordinação das classes populares.
Meios de comunicação de massa, vistos não somente como entretenimento, mas como aparelhos ideológicos do Estado – atenção à estrutura ideológica, especialmente do jornalismo.
Recepção e densidade do consumo midiático.
Diferenças de gêneros, através do feminismo.
Produção intelectual feminista – questões de gênero - imagens da mulher nos meios massivos e o trabalho doméstico – trouxe novos questionamentos sobre identidade.
Raça e etnia.
ANOS 80
Aumentam os estudos de recepção – deslocamento do interesse do que está acontecendo na tela para o que está na frente dela – do texto para a audiência.
Descentralização dos EC – expansão para além da Grã-Bretanha.
Estudos sobre a desestabilização das identidades sociais ocasionada, sobretudo, pela globalização – o foco central passa a ser as novas condições de constituição das identidades sociais.
Ênfase nos estudos de recepção do meio TV.
Séries televisivas e filmes de grande bilheteria.
Literatura popular.
Trabalho etnográfico.
ANOS 90
Relações de identidade com os âmbitos global, nacional, local e individual.
Raça e etnia.
Novas tecnologias.
Identidades de gênero, de classes, etc.
Papel dos meios de comunicação na constituição de identidades.
Metodologia – etnografia, observação participante – (auto)biografia, histórias de vida, depoimentos.
Estudos Culturais – descentrado geograficamente e múltiplo teoricamente.
Extraído de:
Universidade Veiga de Almeida – Tijuca, Rio de Janeiro - RJ.
Professora: Vânia Fortuna.
Curador: Gabriel Santana. (http://fb.com/gabrielsantanabm)

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.