A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Industrialização pesada

Pré-visualização | Página 1 de 1

Disciplina: Economia brasileira recente e perspectivas
Professor: Renault Michel 
Aluna: Ana Carolina Belarmino dos Santos
A industrialização pesada 
Na década de 50, um dos principais debates que estava ocorrendo era porque algumas economias são tão diferentes das outras no sistema capitalista. O que leva uma economia ser desenvolvida e as outras não e como superar esse subdesenvolvimento. 
Para a Comissão Econômica da América Latina e Caribe (CEPAL) existiam duas explicações para o subdesenvolvimento.
A primeira explicação consistia na restrição externa, ou seja, uma restrição no balanço de pagamentos dos países periféricos, a qual impedia a consolidação de um arranjo macroeconômico forte e sustentável, condição necessária para incluir os excluídos e obter mais riquezas. 
O segundo motivo se dava pela tese das trocas desiguais. Para a Cepal, quando um país subdesenvolvido crescia, ele perdia dólares gerando a possibilidade de crise, uma vez que ele sofria com uma restrição no balanço de pagamentos devido às trocas desiguais. Essas trocas ocorrem devido as diferentes elasticidades-renda dos produtos, as diferentes estruturas de mercado e pela insuficiência do mercado interno. 
O Brasil, por exemplo, possuía uma economia cafeeira e importava manufaturas. Entretanto, como as manufaturas tem uma maior elasticidade-renda do que café (produto primário), o país tinha saldos negativos no balanço de pagamentos, levando a transferência de sua riqueza para os países desenvolvidos, por causa das diferentes estruturas de mercado. A CEPAL defendia que as manufaturas vendidas pelos países desenvolvidos são do mercado de oligopólio. Sendo assim, esses países impõem os preços para os países subdesenvolvidos e não transferem suas riquezas. 
Já a insuficiência de mercado interno era justificada pelo circulo vicioso do atraso. A demanda tornava mais sofisticada a divisão do trabalho, que gerava mais eficiência/produtividade, aumentando os salários e consequentemente, aumentando ainda mais a demanda.
Para o desenvolvimento ocorrer a CEPAL propunha a intervenção do Estado, deslocando o eixo de produção da economia. No caso brasileiro, a opção seria a mudança da produção do café para a indústria.
 Dessa forma, no governo de Juscelino Kubitscheck em 1957, o principal instrumento da política econômica foi a política cambial, a qual passaria por uma reforma que definiria o que gostaria de importar ou não. O objetivo com uma reforma cambial era desestimular a importação de bens industrializados e incentivar a importação de produtos de base para a indústria, provendo assim, a industrialização. A reforma era dividida em três categorias: a especial (com câmbio desvalorizado); a geral (com um câmbio um pouco menos desvalorizado); e a especial (com o câmbio mais valorizado em relação às outras duas categorias). 
Porém, para alcançar a industrialização e o desenvolvimento, o Estado necessitava de condições de infraestrutura. Por esse motivo, ele se tornou o agente empreendedor fundamental no setor de infraestrutura. 
Com a ajuda dos estudos da CEPAL e da Comissão Mista Brasil – Estados Unidos (CMBEU), o governo de JK implantou o Plano de Metas. 
O plano de metas consistia em uma maior industrialização do país, solucionando os gargalos de infraestrutura e energia, não encerrando com o processo de substituições das importações. No setor de energia, ocorreu a construção de hidroelétricas visando à ampliação da capacidade para que se fosse possível consolidar os projetos de grande dimensão. No setor de transporte, a construção de rodovias federais e estaduais que interligavam todo o país foi o grande destaque. Um dos seus pontos principais era a construção de uma nova capital federal, Brasília, a qual seria implantada no centro do Brasil e com a ampliação das rodovias poderia ser acessada pelo país inteiro. O plano também visava o desenvolvimento das indústrias de base e de bens de consumo. Em função deste, no período de Juscelino, ocorreu à construção de siderúrgicas, fábricas de borrachas sintéticas e uma maior implantação de indústrias automobilísticas, gerando um grande estímulo para a indústria mecânica. Como incentivo para o setor privado, haveria o conjunto do câmbio, do Banco do Brasil e do BNDE.
	Em suma, o plano de metas fez com que ocorresse uma elevação no valor do PIB, tornando o Brasil uma das melhores economias do mundo deixando como herança uma grande infraestrutura nacional e um país mais industrializado. Entretanto, com algumas consequências negativas, como a inflação (uma irresponsabilidade da política fiscal ou uma circunstância necessária); desequilíbrio cambial; desequilíbrios regionais devido a transição de uma economia agrária para a urbanização acelerada; e uma grave desigualdade gerada pela industrialização, uma vez que a indústria exigia uma maior qualificação de mão de obra que os trabalhadores não possuíam, e por isso eram excluídos; ou seja uma incompatibilidade entre a matriz tecnológica e o mercado de trabalho. 
Tornando a industrialização brasileira, acompanhada do Plano de metas, um processo que mesmo com tanta evolução econômica não fez com que sua população melhorasse de vida.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.