Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Anatomia da ATM

Pré-visualização | Página 1 de 1

Anatomia 2 – Bloco 2 
- ATM: Juntura Sinovial – articulação temporomandibular 
Única articulação sinovial do crânio, ela assim como as demais, apresenta ampla mobilidade, uma cápsula articular que une os ossos (possui uma camada fibrosa externa e uma membrana sinovial interna), que se estende e reveste uma cavidade articular.
É classificada como uma articulação sinovial biaxial complexa. É sinovial por ter em seu interior uma membrana sinovial que produz o líquido sinovial. É biaxial por se movimentar em dois planos, e é complexa porque tem o disco articular funcionando como uma espécie de terceiro osso dividindo a articulação em duas outras: articulação temporodiscal (superior) e articulação mandibulodiscal (inferior).
Características específicas: a) suas superfícies articulares são recobertas por um tecido fibroso predominantemente avascular, que contém uma série de células cartilagíneas, e não apenas por tecido cartilaginoso, como as demais.
b) as duas ATMs estão conectadas entre si pela mandíbula, assim, funcionalmente seria apenas uma articulação bilateral, movimentando-se simultânea e sinergicamente.
c) a ATM articula entre si o arco dental superior e inferior, onde os dentes exercem uma grande influência nas posições da mandíbula e nos seus movimentos.
Componentes ósseos:
Côndilo mandibular: localiza-se na porção póstero-superior do ramo da mandíbula e constitui a parte móvel da articulação. Apresenta superfície posterior rugosa e uma ântero-superior lisa, que é a própria superfície articular. O côndilo é suportado por uma porção estreita, o colo, que apresenta uma depressão ântero-medialmente, a fóvea pterigoidea, onde se insere o m. pterigoideo lateral. 
Osso temporal – tubérculo articular e fossa mandibular: onde se aloja o côndilo da mandíbula, posterior ao tubérculo. A fossa mandibular tem seus limites anterior-tubérculo articular, posterior-parte timpânica do temporal e placa timpânica, medial-espinha do esfenoide, lateral-crista que une o tubérculo do zigomático ao tubérculo pós-glenoide e superior- fossa craniana média.
Componentes articulares: cartilagem articular, disco articular, membrana sinovial, cápsula articular e ligamentos da ATM.
Cartilagem articular- tecido fibroso,avascular, que recobre as superfícies ósseas da articulação, tornando-as mais lisas. 
Disco articular- apresenta uma superfície superior convexa posteriormente (se relaciona com a fossa mandibular) e côncava anteriormente (se relaciona com o tubérculo articular); e superfície inferior, toda côncava, que se relaciona com o côndilo da mandíbula.
Na região posterior ao disco, há um tecido especializado denominado tecido retrodiscal, que é limitado acima e abaixo por duas lâminas teciduais que fixam o disco posteriormente no temporal e na mandíbula, denominada zona bilaminar. A parte superior da zona é denominada lâmina retrodiscal superior que fixa o disco ao osso temporal, e possui fibras elásticas que permitem que o disco volte à sua posição de origem juntamente com o côndilo quando este retorna à fossa mandibular. A parte inferior da zona bilaminar é denominada lâmina retrodiscal inferior que fixa o disco à borda posterior do côndilo da mandíbula. A parte remanescente do tecido retrodiscal entre as lâminas descritas está presa posteriormente à cápsula articular. Nesse tecido forma-se um sistema artério-venoso chamado “joelho vascular”.
Membrana sinovial – tecido conjuntivo vascularizado responsável pela produção do líquido sinovial que é fundamentalmente responsável pela lubrificação do interior da articulação e exerce uma série de funções como a própria lubrificação da ATM, proteção biológica e nutrição da ATM e principalmente do disco.
Cápsula articular – possui feixe de fibras profundo e superficial. O profundo é constituído por fibras curtas que fixam a cápsula ao disco articular, o que permite dividir a articulação nos seus dois compartimentos (temporodiscal e mandibulodiscal). O feixe superficial é constituído por fibras longas verticais que vão do temporal à mandíbula. 
Ligamentos – eles não atuam ativamente na função da articulação, mas agem passivamente como agentes limitadores ou de restrição. 
Ligamentos intra-articulares: atuam para restringir o movimento do disco para fora do côndilo quando ele desliza anterior e posteriormente. 
Ligamento colateral lateral- estende-se do pólo lateral do côndilo até a borda lateral do disco articular.
Ligamento colateral medial- estende-se do polo medial do côndilo até a borda medial do disco articular.
Ligamentos extra-articulares: 
Ligamento lateral da ATM: tecido fibroso que fornece forte reforço lateral para a cápsula;
Ligamento medial da ATM: origina-se na espinha do esfenoide e desce obliquamente até a porção póstero-medial do colo da mandíbula.
Ligamentos acessórios:
Ligamento esfenomandibular: se origina da espinha do esfenoide e se insere na língula da mandpibula, passando entre os músculos pterigoideo medial e lateral. 
Ligamento pterigomandibular: é uma lâmina fibrosa que se originado hámulo pterigoideo do esfenoide e se insere no trígono retromolar. Nela se insere, anteriormente, o m. bucinador e posteriormente, o m. constrictor superior da faringe. E em profundidade temos a borda anterior do m pterigoideo medial.
Irrigação irrigada por ramos da a. carótida externa. A ATM pode ser irrigada por diversos ramos arteriais que passam na região: a. temporal superficial (ramo: a. transversa da face), a. maxilar (ramos: a. timpânica anterior, a. meníngea média, a. temporal profunda média), a. auricular posterior (ramo parotídeo), a. facial (ramo: a. palatina ascendente) e a. faríngea ascendente (ramo para a tuba auditiva). 
Movimentos da ATM rotação: movimento exercido pelos côndilos no qual eles giram sobre seu longo eixo (látero-lateral), esse movimento ocorre durante a abertura inicial da boca; translação: é o movimento no qual o côndilo caminha anteriormente, percorrendo o tubérculo articular quando tentamos levar a mandíbula para a frente a partir do repouso (protrusão) ou quando, a partir dessa posição, retornamos à fossa mandibular (retrusão).Lateralidade: divide a articulação em lado de trabalho e lado de balanceio.
Os principais movimentos da mandíbula são: 
Abaixamento e elevação – são movimentos realizados num sentindo súpero-inferior
Protrusão e retrusão – são movimentos realizados num sentido ântero-posterior;
Lateralidade centrífuga e centrípeta – são movimentos realizados num sentido látero-lateral.
Na abertura inicial da boca, os músculos responsáveis são, principalmente o ventre anterior do digástrico e o m. gênio-hioideo; para realização da abertura máxima da boca, passam a atuar os dois m pterigoideos laterais (m da mastigação).