Direito do consumidor
12 pág.

Direito do consumidor


DisciplinaDireito do Consumidor10.956 materiais45.718 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Prescrição e decadência
Diferença:
a prescrição é a perda da pretensão (de reivindicar esse direito por meio da ação judicial cabível), a decadência é a perda do direito em si por não ter sido exercido num período de tempo razoável.
Decadência: 
art. 26. O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação caduca em:
I - trinta dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos não duráveis;
II - noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos duráveis.
Contagem
§ 1° Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do produto ou do término da execução dos serviços.
§ 3° Tratando-se de vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento em que ficar evidenciado o defeito.
Causa obstativa
§ 2° Obstam a decadência:
I - a reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor de produtos e serviços até a resposta negativa correspondente, que deve ser transmitida de forma inequívoca;
III - a instauração de inquérito civil, até seu encerramento.
Reclamação no procon? Quando você deixa claro o vício e todos os detalhes
Suspensão ou interrupção
Interrupção: volta a contar desde o início
Oferta e publicidade
Antes de ter uma relação contratual. Ex: quando tem uma oferta na TV e o produto já não está no valor que dizia na propaganda.
oferta - feita por qualquer meio de comunicação (pode até ser oral)
publicidade \u2013 fornecedor torna publico, de forma que toda coletividade fica sabendo. A publicidade é uma espécie de oferta.
Contrato
É um processo acontecendo em várias fases
Contato social \u2013 se torna uma fonte de obrigação de consumo
Princípio da boa-fé: o simples não cumprimento da boa fé já enseja a indenização, não precisando ter má fé. A boa fé é OBJETIVA
Oferta
ato unilateral \u2013 independe da aceitação do consumidor.
Espécies de marketing para tornar seu produto público
Precisa conter todas informações suficientes, vinculando o fornecedor
OBS: distribuição de amostra grátis se encaixa
oferta \u2260 proposta
a oferta não precisa ser direta
Função: veicular o produto/ serviço, trazendo ele para o mercado de consumo
Quando não tem mercado de consumo, não há oferta, não se encaixa em relação de consumo. Ex: advocacia
Art. 30. Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.	
A oferta pode ser pela internet!
A oferta é irrevogável? Não. Pode ser revogada e até retificada. Ex: mando e-mail com oferta com o preço errado. Se eu mandar um outro e-mail com uma errata está revogado, mas até eu fazer isso vou ter que arcar com o prejuízo. A RETIFICAÇÃO SE CHAMA CONTRAPROPAGANDA
Requisitos
Conhecimento público	
a oferta pode ser individual ou coletiva	
precisa, trazendo todas informações, prazos... art. 31 A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores.
Características da oferta	
abrange toda informação	
obriga o fornecedor	
integra o contrato
O fornecedor fala que o produto dura 6 meses, e dura 4, mas isso era um vício oculto
Responsabilidade
Art. 34. O fornecedor do produto ou serviço é solidariamente responsável pelos atos de seus prepostos ou representantes autônomos.
Recusa
Art. 35. Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente e à sua livre escolha:	
I - exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade;	
II - aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente;	
III - rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos.
Publicidade
Publicidade \u2260 propaganda	
na propaganda você está distribuindo informações, conhecimentos, ideias. 
a propaganda pode ter um fim ideológico ouproprio, e ainda ter objetivos religiosos, políticos ou cívicos. Ex: campanha de vacinação \u2013 propaganda com fim cívico
As propagandas podem ser publicidades
Publicidade \u2260 informação	
Ex: slogan de outdoor é uma publicidade	
A informação necessita ser precisa
Princípio da identificação: art. 36 A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal.
Princípio da vinculação: art. 30 Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.
Princípio da transparência: art. 36, parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá, em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem.
Publicidade enganosa	
art. 37, p. ú. É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.
Fantasia \u2013 não quer dizer que a propaganda é enganosa	
ex: carro que se transforma em robô
Não precisa ter dolo, cabe perdas e danos igual
Basta a potencialidade de induzir o consumidor ao erro para caracterizar a propaganda enganosa
Pode ser:	
* omissiva: ex. o produto só funciona junto com outro, mas não divulgo isso.
* comissiva
Publicidade abusiva	
art. 37 §2º. É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança.
Ex:pôneis malditos \u2013 assustava as crianças
Saúde e meio ambiente \u2013 art. 220, §4º, CF 	
§ 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso.
Responsabilidade
Art. 38. O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina.
As empresas que fazem as propagandas respondem?	
1ª corrente: não	
2ª corrente: cabe responsabilidade solidária quando há culpa (erro muito absurdo)
Práticas abusivas	
condutas comerciais que não condiz com os padrões da pratica de consumo
padrões mercadológicos	
o que fere a boa-fé, ordem publica, bons costumes	
bem-estar dos consumidores
Classificação
processo econômico	
produtivas: processo de elaboração do produto em si	
comerciais: praticas de venda. MAIORIA
Momento:
pré-contratual. ex: propaganda abusiva	
contratual. Ex: cobrança de juros abusivos	
pós-contratual. Ex: ao comprar produto durável- tem o dever de fornecer peças
Elenco
Art. 10. O fornecedor não poderá colocar no mercado de consumo produto ou serviço que sabe ou deveria saber apresentar alto grau de nocividade ou periculosidade à saúde ou segurança.
Art. 18. § 6° São impróprios ao uso e consumo:
        I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
        II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas