Agricultura Internacional e o Meio Ambiente - Slides de Aula - Unidade II
35 pág.

Agricultura Internacional e o Meio Ambiente - Slides de Aula - Unidade II


DisciplinaAgricultura e Meio Ambiente24 materiais100 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Unidade II
AGRICULTURA INTERNACIONAL E O MEIO AMBIENTE
Prof. Adilson Camacho
Agricultura internacional e o meio ambiente 
Para início de conversa: 
\uf0a7 Objetivos gerais: compreender a agricultura mundial em sua 
relação com o meio ambiente, os conhecimentos necessários 
sobre logística no agronegócio, funcionamento do comércio 
exterior e o papel do Brasil. 
Do quê estamos falando? 
\uf0a7 Agropecuária convencional e sustentável. Mercado.
Por quê? 
\uf0a7 Para mantermos a qualidade dos produtos, das relações de 
trabalho, modernizarmos os setores agroindustriais e ganharmos 
terreno no mercado internacional. 
Como?
\uf0a7 Conhecendo as condições atuais de produção para 
incrementá-las.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Nosso roteiro do conteúdo da unidade. 
\uf0a7 O material de referência é o livro-texto da disciplina: GORNI, F. 
\u201cAgricultura internacional e o meio ambiente\u201d. São Paulo: Sol, 
2016.
\uf0a7 Instrumentos Econômicos de Política Ambiental (Unidade II).
2.1 Padrões de emissão e certificados negociáveis.
2.2 Política ambiental no Brasil e no mundo, ontem e hoje.
2.3 Padrões de emissão.
2.4 Meio ambiente e desenvolvimento.
2.5 Certificados negociáveis.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
Padrões de emissão e certificados negociáveis
\uf0a7 Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA, 2014), a atividade 
econômica, usualmente, produz efeitos indiretos (externalidades 
negativas), que provocam perdas de bem-estar para os indivíduos 
afetados e uma das formas de corrigir esses efeitos adversos é a 
utilização de Instrumentos Econômicos (IEs), cuja função principal 
é internalizar custos externos nas estruturas de produção e 
consumo da economia. 
\uf0a7 Os IEs são meios de intervenção pública, complementar aos 
tradicionais mecanismos de comando e controle, que buscam 
aperfeiçoar o desempenho da gestão e sustentabilidade ambiental, 
influenciando os agentes econômicos e corrigindo as falhas 
de mercado.
\uf0a7 Os IEs, atualmente, são trabalhados pelo Ministério: 
compensação ambiental e fomento.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
Política Ambiental no Brasil e no mundo, ontem e hoje
\uf0a7 Entende-se por política ambiental as normas, as leis e as ações 
públicas visando à preservação do meio ambiente em um 
território. No Brasil, essa prática só foi adotada a partir da 
década de 1930. Nessa época, não se falava em desenvolvimento 
sustentável, porém já havia uma vertente de política ambiental 
orientada apenas para preservação. O primeiro código florestal 
brasileiro foi instituído pelo Decreto 23793/1934 \u2013 em que eram 
definidas bases para proteção dos ecossistemas florestais e 
para regulação da exploração dos recursos madeireiros. 
\uf0a7 A política ambiental preservacionista dos anos 1930 foi colocada 
em segundo plano nas décadas de 1940 e 1950, quando foram 
concentrados esforços na industrialização do país.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
Política Ambiental no Brasil e no mundo, ontem e hoje
\uf0a7 Industrialismo, com diferentes perfis.
\uf0a7 Período Getúlio Vargas: desenvolvimentismo.
\uf0a7 Período Juscelino Kubitschek: Plano de Metas, 50 anos em 5!
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Oscilação nas práticas de preservação.
Década de 1960: 
\uf0a7 Código Florestal Brasileiro (Áreas de Proteção Permanente \u2013
APPs e Reservas Legais).
\uf0a7 Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal \u2013 IBDF (política 
florestal e medidas à utilização, à proteção e à conservação dos 
recursos).
\uf0a7 Conferência de Estocolmo, de 1972 (participação do Brasil).
\uf0a7 Na década de 1980 (caso de Cubatão!): Sistema Nacional de Meio 
Ambiente (SISNAMA), Conselho Nacional de Meio Ambiente 
(CONAMA) \u2013 voltado para a fiscalização, Instituto Brasileiro do 
Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Ainda nos anos 1980, a visão de ecodesenvolvimento começa a 
ser internalizada na política ambiental brasileira com a Lei 
nº 6938/81, que instituiu a política nacional de meio ambiente, 
passando a utilizar como instrumento de planejamento do 
desenvolvimento dos territórios o zoneamento econômico 
ecológico e como um dos instrumentos de política ambiental a 
\u201cavaliação de impactos ambientais\u201d, como o licenciamento e o 
Estudo de Impacto Ambiental \u2013 EIA e o Relatório de Impacto 
Ambiental \u2013 RIMA.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Comissão Brundtland, da Organização das Nações Unidas, em 
1983: divulgação do conceito \u201cDesenvolvimento Sustentável\u201d 
e a emergência de um novo padrão a seguir fez com que essa 
expressão passasse a ser utilizada pelo Estado, pela sociedade 
civil e por empresários, banalizando-a. 
\uf0a7 Constituição Federal de 1988: a política ambiental teve seus 
maiores avanços quando foi elaborada aquela que é 
considerada uma das leis ambientais mais avançadas em todo o 
mundo.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e 
Desenvolvimento (RIO/92): Fórum das ONGs. Diversos documentos 
foram assinados como a Convenção-Quadro das Nações Unidas 
sobre Mudanças do Clima, a Convenção da Diversidade Biológica, 
a Carta da Terra, o Protocolo de Florestas, a Agenda 21 Global, 
entre outros. 
\uf0a7 O ano de 2000 se inicia com a aprovação da Lei nº 9985/2000, que 
institui o Sistema Nacional de Unidade de Conservação da 
Natureza (SNUC), dividindo as unidades de conservação em 
Unidades de Proteção Integral e Unidades de Uso Sustentável. O 
SNUC reflete um avanço na política ambiental brasileira, 
considerando que veio fortalecer a perspectiva de uso sustentável 
dos recursos naturais, das medidas compensatórias e de uma 
descentralização mais controlada da política ambiental no Brasil.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
\uf0a7 Em 2010, começa-se a elaborar o novo Código Florestal 
Brasileiro, atualmente regulado pela Lei nº 12.651, de 25 de maio 
de 2012, que estabelece limites de uso da propriedade, o dever 
de respeitar a vegetação existente na Terra, considerada bem de 
interesse comum a todos os habitantes do Brasil. 
Polêmica: retrocesso.
\uf0a7 Aumenta a área de exploração.
Interatividade
Assinale a alternativa correta:
a) O Brasil esteve impossibilitado de proteger seus biomas em 
razão da falta de legislação pertinente.
b) Os anos 1940-1950 foram aqueles cujas políticas industriais 
eram essencialmente sustentáveis.
c) Nos anos 1930, houve o maior impacto aos diferentes 
ambientes nacionais.
d) O SNUC representou um avanço ao selecionar áreas para usos 
e proteção.
e) O novo Código Florestal foi recebido como avanço na 
proteção ambiental, de modo unânime.
Agricultura internacional e o meio ambiente 
Breve história da Educação Ambiental global
\uf0a7 Primeiros registros do termo \u201cEducação Ambiental\u201d, de 1948, em um 
encontro da União Internacional para a Conservação da Natureza 
(UICN), em Paris. Os rumos da Educação Ambiental começam a ser 
realmente definidos a partir da Conferência de Estocolmo, em 1972, 
com a inserção da temática da Educação Ambiental na agenda 
internacional. Em 1975, lança-se em Belgrado (na então Iugoslávia) o 
programa internacional de educação ambiental, com princípios e 
orientações para o futuro.
\uf0a7 Em 1977, acontece em Tbilisi, na Georgia (ex-União Soviética), a 
Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental, cuja 
organização ocorreu a partir de uma parceria entre a Unesco e o então 
recente Programa de Meio Ambiente da ONU (PNUMA). Foi desse 
encontro \u2013 firmado pelo Brasil \u2013 que saíram as definições, os objetivos, 
os princípios e as estratégias para a Educação Ambiental até hoje 
adotados no mundo.
Agricultura internacional e o meio