Genealogia_da_Moral

Genealogia_da_Moral


DisciplinaÉtica Filosófica e Ética Profissional254 materiais1.823 seguidores
Pré-visualização42 páginas
da
superioridade até agora ti da pelo homem sobre as outras bestas!...
7.
- Já se percebe com que facilidade o modo de valoração sacerdotal pode derivar daquele
cavalheiresco-aristocrático e depois desenvolver-se em seu oposto; em especial, isso ocorre
quando a casta dos sacerdotes e a dos guerreiros se confrontam ciumentamente, e não entram
em acordo quanto às suas estimativas. Os juízos de valor cavalheiresco-aristocráticos têm
como pressuposto uma constituição física poderosa, uma saúde florescente, rica, até mesmo
transbordante, juntamente com aquilo que serve à sua conservação: guerra, aventura, caça,
dança, torneios e tudo o que envolve uma atividade robusta, livre, contente. O modo de
valoração nobre-sacerdotal - já o vimos - tem outros pressupostos: para ele a guerra é mau
negócio! Os sacerdotes são, como sabemos, os mais terríveis inimigos - por quê? Porque são
os mais impotentes. Na sua impotência, o ódio toma proporções monstruosas e sinistras,
torna-se a coisa mais espiritual e venenosa. Na história universal, os grandes odiadores
sempre foram sacerdotes, também os mais ricos de espírito - comparado ao espírito da
vingança sacerdotal, todo espírito restante empalidece. A história humana seria uma tolice,
sem o espírito que os impotentes lhe trouxeram - tomemos logo o exemplo maior. Nada do
que na terra se fez contra "os nobres", "os poderosos", "os senhores", "os donos do poder", é
remotamente comparável ao que os judeus contra eles fizeram; os judeus, aquele povo de
sacerdotes que soube desforrar-se de seus inimigos e conquistadores apenas através de uma
radical tresvaloração9 dos valores deles, ou seja, por um ato da mais espiritual vingança.
Assim convinha a um povo sacerdotal, o povo da mais entranhada sede de vingança
sacerdotal. Foram os judeus que, com apavorante coerência, ousaram inverter a equação de
valores aristocrática (bom = nobre = poderoso = belo = feliz = caro aos deuses), e com unhas
e dentes (os dentes do ódio mais fundo, o ódio impotente) se apegaram a esta inversão, a
saber, "os miseráveis somente são os bons, apenas os pobres, impotentes, baixos são bons, os
sofredores, necessitados, feios, doentes são os únicos beatos, os únicos abençoados,
unicamente para eles há bem-aventurança - mas vocês, nobres e poderosos, vocês serão por
toda a eternidade os maus, os cruéis, os lascivos, os insaciáveis, os ímpios, serão também
eternamente os desventurados, malditos e danados!...".
Sabe-se quem colheu a herança dessa tresvaloração judaica... A propósito da tremenda,
desmesuradamente fatídica iniciativa que ofereceram os judeus, com essa mais radical das
declarações de guerra, recordo a conclusão a que cheguei num outro momento (Além do bem
e do mal, § 195) - de que com os judeus principia a revolta dos escravos na moral: aquela
rebelião que tem atrás de si dois mil anos de história, e que hoje perdemos de vista, porque foi
vitoriosa...
8.
- Mas vocês não compreendem? Não têm olhos para algo que necessitou dois mil anos para
alcançar a vitória?... Não é de admirar: tudo o que é longo é difícil de ver, ver inteiro. Mas
isto é o que aconteceu: do tronco daquela árvore da vingança e do ódio, do ódio judeu - o
mais profundo e sublime, o ódio criador de ideais e recriador de valores, como jamais existiu
sobre a terra - dele brotou algo igualmente incomparável, um novo amor, o mais profundo e
sublime de todos os tipos de amor - e de que outro tronco poderia ele ter brotado?... Mas não
se pense que tenha surgido como a negação daquela avidez de vingança, como a antítese do
ódio judeu! Não, o contrário é a verdade! O amor brotou dele como sua coroa, triunfante,
estendendo-se sempre mais na mais pura claridade e plenitude solar, uma coroa que no reino
da luz e das alturas buscava as mesmas metas daquele ódio, vitória, espólio, sedução, com o
mesmo impulso com que as raízes daquele ódio mergulhavam, sempre mais profundas e
ávidas, em tudo que possuía profundidade e era mau. Esse Jesus de Nazaré, evangelho vivo
do amor, esse "redentor" portador da vitória e da bem-aventurança aos pobres, aos doentes e
aos pecadores - não era ele a sedução em sua forma mais inquietante e irresistível, a sedução e
a via sinuosa para justamente aqueles valores judeus e inovações judaicas do ideal? Não teria
Israel alcançado, por via desse "redentor", desse aparente antagonista e desintegrador de
Israel, a derradeira meta de sua sublime ânsia de vingança? Não seria próprio da ciência
oculta de uma realmente grande política da vingança, de uma vingança longividente,
subterrânea, de passos lentos e premeditados, o fato de que Israel mesmo tivesse de negar e
pregar na cruz o autêntico instrumento de sua vingança, ante o mundo inteiro, como um
inimigo mortal, para que o "mundo inteiro", ou seja, todos os adversários de Israel, pudesse
despreocupadamente morder tal isca? E porventura seria possível, usando-se todo o
refinamento do espírito, conceber uma isca mais perigosa? Algo que em força atrativa,
inebriante, estonteante, corruptora, igualasse aquele símbolo da "cruz sagrada", aquele
aterrador paradoxo de um "Deus na cruz", aquele mistério de uma inimaginável, última,
extrema crueldade e auto crucificação de Deus para salvação do homem?... Certo é, quando
menos, que sub hoc signo [sob este signo], com sua vingança e sua tresvaloração dos valores,
Israel até agora sempre triunfou sobre todos os outros ideais, sobre todos os ideais mais
nobres.
9.
- "Mas que quer ainda você com ideais mais nobres! Sujeitemo-nos aos fatos: o povo venceu -
ou 'os escravos', ou 'a plebe', ou 'o rebanho', ou como quiser chamá-lo \u2013 se isto aconteceu
graças aos judeus, muito bem! jamais um povo teve missão maior na história universal. 'Os
senhores' foram abolidos; a moral do homem comum venceu. Ao mesmo tempo, essa vitória
pode ser tomada como um envenenamento do sangue (ela misturou entre si as raças) - não
contesto; mas indubitavelmente essa intoxicação foi bem-sucedida. A 'redenção' do gênero
humano (do jugo dos 'senhores') está bem encaminhada; tudo se judaíza, cristianiza, plebeíza
visivelmente (que importam as palavras!). A marcha desse envenenamento através do corpo
inteiro da humanidade parece irresistível, sua cadência e seu passo podem inclusive ser mais
lentos doravante, mais refinados, cautelosos, inaudíveis - há tempo bastante... Ainda possui a
Igreja, a este propósito, uma tarefa necessária a cumprir, um direito à existência?
Quaeritur[Pergunta-se]. Estaria ela moderando e obstruindo essa marcha, em vez de acelerá-
la? Ora, esta bem poderia ser sua utilidade... Sem dúvida ela é, afinal, algo grosseiro e rústico,
que repugna a uma inteligência mais delicada, a um gosto propriamente moderno. Não
deveria ao menos refinar-se um pouco?... Atualmente, ela afasta mais do que seduz... Qual de
nós seria livre-pensador, se não houvesse a Igreja? A Igreja é que nos repugna, não o seu
veneno... Não considerando a Igreja, também nós amamos o veneno..." - este o epílogo de um
"livre-pensador" à minha fala, um animal honesto, como bem notamos, além disso um
democrata; até então me havia escutado, e não resistiu ao me ver calar. Pois neste ponto tenho
muito o que calar. -
10.
- A rebelião escrava na moral começa quando o próprio ressentimento se torna criador e gera
valores: o ressentimento dos seres aos quais é negada a verdadeira reação, a dos atos, e que
apenas por uma vingança imaginária obtêm reparação. Enquanto toda moral nobre nasce de
um triunfante Sim a si mesma, já de início a moral escrava diz Não a um "fora", um "outro",
um "não-eu" - e este Não é seu ato criador. Esta inversão do olhar que estabelece valores \u2013
este necessário dirigir-se para fora, em vez de voltar-se para si é algo próprio do
ressentimento: a moral escrava sempre requer, para nascer, um mundo oposto e exterior, para
poder agir em absoluto - sua ação é no fundo reação. O contrário sucede no modo de
valoração nobre: ele age e cresce