ATPS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA
28 pág.

ATPS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA


DisciplinaCiências Sociais10.972 materiais41.502 seguidores
Pré-visualização6 páginas
a operação descrita neste passo, de acordo
com o Regime de Competência, e responder às questões a seguir, considerando que:
A companhia Beta contratou, em 01/08/2010, um seguro contra incêndio para sua fábrica, com prazo de cobertura de três anos e vigência imediata. O prêmio foi de R$ 27.000,00, pago em 3 parcelas iguais, sem juros, sendo a última paga em 01/11/2010.
Com base nas informações acima, responder:
De acordo com o Regime de Competência, a Companhia Beta deverá ter lançado em 31/12/2010, o total de _R$ 3.750,00 . 
(Valor do prêmio) R$ 27.000,00 / 36 meses = R$ 750,00 (Apropriação mensal)
(Meses beneficiado no exercício de 2010) 5 meses X 750 = R$ 3.750,00
Deve se considerar os 5 meses que beneficiam o exercício de 2010. No Regime de Competência são registradas as receitas geradas e as despesas no período, as próximas parcelas serão beneficiadas nos anos posteriores a outros exercícios, pois deverão ser mantidas no ativo circulante, por ser tratar de uma despesa ainda não incorrida.
2) Elaborar os lançamentos das seguintes operações:
a)Pelo registro do seguro (01/08/2010).
D \u2013 Seguros a Vencer (Ativo Circulante)
01/08/2010    R$ 27.000,00
C \u2013 Seguros a pagar (Passivo Circulante)
  R$ 27.000,00
ETAPA 03 \u2013 CONTAS RETIFICADORAS DO PASSIVO, CÁLCULOS DE EXAUSTÃO, AMORTIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO E CALCULO DA PCLD.
	Nesta etapa apresentamos conceitos extraídos do PLT da disciplina de Contabilidade Intermediária (FAHL e MARION, 2013) sobre contas redutoras do ativo. 
Duplicata a receber: consiste na venda de título emitida contra o comprador pelo vendedor.
Provisão para credito de liquidação duvidosa: são percentuais que as empresas estimam perder ao final do exercício, sendo colocada na conta prejuízo da empresa no balanço patrimonial.
Provisão para ajuste do valor dos bens do ativo ao valor de mercado: essa conta basicamente reduz o ativo no momento em que os índices da infração são elevados, perdendo substancia monetária do estoque, dentre outros. 
Provisão para perdas em investimentos: conta redutora do ativo, está diretamente relacionada com perda em investimento acionário.
Depreciação: reduz o ativo principalmente pelo desgaste, uso, obsolescência, ação da natureza. 
Amortização: reduz gradualmente o valor do ativo adquirido, como no exemplo dos carros, onde em cinco anos o imposto de renda considera amortizado o valor.
Exaustão: significa o esgotamento, extinção do ativo. 
		
Etapa 03 \u2013 passo 02:
	Fazer o cálculo e contabilização da exaustão, amortização e depreciação acumulada no final de 2010.	
A mineração do Brasil iniciou suas atividades de exploração em janeiro de 2010. No fim do ano, seu contador apresentou, conforme abaixo, os seguintes custos de mineração (não incluem custos de depreciação, amortização ou exaustão).
Material .................................................. R$ 122.500,00
Mão de obra............................................ R$ 1.190.000,00
Diversos.................................................. R$ 269.640,00
Os dados referentes ao Ativo usados na mineração de ouro são os seguintes:
Custo de aquisição da mina ( o valor residual da mina é estimado em R$ 210.000,00 e a capacidade estimada da jazida é de 5 mil toneladas)........................R$ 1050.000,00.
Equipamento (valor residual estimado em R$ 21.000,00; vida útil estimada: 06 anos) ...................................................................................................................R$ 168.000,00
Benfeitorias (sem nenhum valor residual, vida útil estimada: 15 anos)......R$ 92.400,00
Durante o ano de 2010, foram extraídas 400 toneladas (8%), das quais 300 toneladas foram vendidas.
Resposta:
Exaustão= (Caq \u2013 Vr) * % (tx)
1.050.000,00 \u2013 210.000,00 * 0,08 = 67.200,00
Depreciação = (Caq \u2013 Vr) * % (tx)
168.000,00 \u2013 21.000,00 *1/6 = 918,75
Concluindo, o valor a ser reduzido gradualmente sobre os equipamentos equivale a R$ 918,75, referente à depreciação.
Amortização = ao valor da benfeitoria vezes a taxa de amortização
92.400,00 * 1/15 = 6.098,40
	Vale ressaltar, que quanto ao prazo para o termino da jazida percebemos que falta muito, pois, somente um pequeno período fora executado, além de um pequeno valor real extraído.
Provisão Para Créditos de Liquidação Duvidosa- PCLD
	Apresentaremos abaixo os lançamentos contábeis e a movimentação em forma de tabela da PCLD para os dados fornecidos na ATPS, desde já observa-se que as análise do risco de crédito foram feitas individualmente devedor a devedor, pois os percentuais de PCLD são distintos para cada classe de risco.
Tabela 05 \u2013 PCLD: Classe A
	Contas do ativo
	Saldo inicial
	Recebimento
	Saldo intermediário
	Realização PCLD
	Saldo final
	CLASSE A
	110.000
	109.450
	550
	(550)
	00
	PCLD CLASSE A
	550
	
	(550)
	550
	00
	TOTAL
	109.450
	109.450
	00
	00
	00
	CONTAS DO RESULTADO
	
	
	
	
	
Fonte: O Autor
Recebimento de clientes classe A
D \u2014 Caixa R$ 109.450,00
C \u2014 Contas a receber classe A R$ 109.450,00
Realização da PCLD
D \u2014 PCLD classe AR$ 550,00
C \u2014 Contas a receber classe AR$ 550,00
Tabela 06 \u2013 PCLD: Classe B
	Contas do ativo
	Saldo inicial
	Recebimento
	Saldo intermediário
	Reversão do PCLD
	Saldo final
	CLASSE B
	93.000
	00
	
	00
	93.000
	PCLD CLASSE B
	
	930
	930
	00
	
	TOTAL
	93.000
	930
	930
	00
	93.000
	CONTAS DO RESULTADO
	
	
	
	
	
	Outras receitas operacionais ou recuperações de despesas 
	
	
	
	930
	930
Fonte: O Autor
Recebimento de clientes classe B
D \u2014 Caixa R$ 93.000
C \u2014 Contas a receber classe B R$ 93.000
Reversão da PCLDD \u2014 PCLD classe B R$ 930,00
C \u2014 Outras receitas operacionais: R$ 930,00
(ou recuperação de despesas)
Tabela 07 \u2013 PCLD: Classe C
	Contas do ativo
	Saldo inicial
	Recebimento
	Saldo intermediário
	Realização PCLD
	Saldo intermediário
	Reconhecimento das perdas
	Saldo final
	CLASSE C
	145.000
	130.000
	15.000
	4.350
	10.650
	10.650
	
	PCLD CLASSE C
	4350
	
	4.350
	4.350
	00
	
	
	TOTAL
	140.650
	130.000
	10.650
	00
	10.650
	10.650
	
	CONTAS DO RESULTADO
	
	
	
	
	
	
	
	Perdas com incobráveis 
	
	
	
	
	
	10.650
	10.650
Fonte: O Autor
Recebimento de clientes classe C
D \u2014 Caixa R$ 130.000,00
C \u2014 Contas a receber classe BR$ 130.000,00
Realização da PCLD
D \u2014 PCLD classe C R$ 4.350,00
C \u2014 Contas a receber classe C R$ 4.350,00
Reconhecimento das perdas dos clientes classe B
D \u2014 Perdas com incobráveis R$ 10.650
C \u2014 Contas a receber classe C R$ 10.650
Tabela 08 \u2013 PCLD: Classe D
	Contas do ativo
	Saldo inicial
	Recebimento
	Saldo intermediário
	Realização PCLD
	Saldo intermediário
	Reconhecimento das perdas
	Saldo final
	CLASSE D
	80.000
	00
	80.000
	8.000
	12.000
	12.000
	00
	PCLD CLASSE D
	8.000
	
	8.000
	00
	00
	
	00
	TOTAL
	72.000
	00
	72.000
	8.000
	12.000
	12.000
	00
	CONTAS DO RESULTADO
	
	
	
	
	
	
	
	Perdas com incobráveis
	
	
	
	
	
	12.000
	12.000
Fonte: O Autor
Recebimento de clientes classe D
D \u2014 Caixa R$ 00,00
C \u2014 Contas a receber classe D R$ 00,00
Realização da PCLD
D \u2014 PCL Classe D R$ 8.000,00
C \u2014 Contas a receber classe D R$ 8.000,00
Reconhecimento das perdas dos clientes classe D
D \u2014 Perdas com incobráveis R$ 72.000,00
C \u2014 Contas a receber classe D R$ 72.000,00
ETAPA 4: CONCEITOS E ELABORAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO
A Consolidação das Leis do Trabalho \u2013 CLT, foi aprovada em 1º de maio de 1943, pelo Decreto de Lei nº 5.452, e desde então tem sido a referência mais importante para a elaboração da folha. De acordo com a mesma, temos a seguinte definição para empregador e empregado:
Empregador: de acordo com o art.2º da CLT, considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva que assume riscos da atividade econômica.
Empregado: de acordo com o art 3º da CLT considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador.
Alguns