ATPS DE DIREITO EMPRESARIAL E TRIBUTÁRIO
13 pág.

ATPS DE DIREITO EMPRESARIAL E TRIBUTÁRIO


DisciplinaCiências Sociais11.043 materiais41.550 seguidores
Pré-visualização4 páginas
na conta do Empresário\u201d. De forma que o impacto da empresa em relação aos princípios do Direito Cambiário é mínimo.
ETAPA 04- O NOVO DIREITO EMPRESARIAL, COM ÊNFASE NA FUNÇÃO SOCIAL E NA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA, É COERENTE E ADEQUADO À ATUALIDADE.
A sociedade globalizada influenciou em termo de economia, mudando os conceitos, interferindo na razão de ser da atividade empresarial e, principalmente, na consolidação de parcerias e novas estratégias para ganhos em escala de mercado. A capacidade contributiva em sentido objetivo funciona como fundamento jurídico para delimitar a atividade legislativa no momento da eleição fatos passíveis da dar nascimento a obrigações tributárias. Impedindo que o mero capricho do legislador venha a escolher situações que não sejam reveladoras de riqueza.
Sendo assim, a elaboração de exações deve estar em harmonia com a Ciência das Finanças, pois é esta disciplina que estuda as situações que espelham as manifestações da riqueza das pessoas. Com isso não se quer dizer que o legislador esteja condicionado a tributar toda e qualquer manifestação de riqueza, pois a escolha de que situações serão efetivamente tributadas é sempre uma decisão política (COSTA, 2003).
A atividade produtiva vem se tornando cada vez mais onerosa com o aumento da carga tributária imposta ao setor. Com isso, a produção de bens e serviços vai deixando de ser atrativa às pessoas que se dispõem a contribuir para o setor produtivo. O setor produtivo está diretamente ligado aos conceitos de desenvolvimento, pois todos os outros setores econômicos somente têm condições de crescer se, em algum lugar do fluxo de bens e serviços tendo com contrapartida suas remunerações, agrega valor ao processo.  E quando a intenção é abastecida de informações, é analisada, entre outros fatores, a alta carga tributária a que se expõe, além da burocracia imposta pelo governo, no entendimento do fluxo de cada tributo. 
Longe da simplicidade, o recolhimento de tributos em nosso país é muito burocrático, tantas são as formas de cálculo dependendo de cada caso, retenções de tributos dependendo do valor a recolher, nos prazos devidos e respaldados por multas de diversas espécies e uma crescente carga tributária. Em alguns casos, foram criadas isenções fiscais como forma de tentar fazer desenvolver algumas regiões. A arrecadação tem aumentado, contudo, seus recursos estão sendo direcionados a setores financeiros, destacando-se o pagamento de juros de dívidas governamentais e controle inflacionário. Certamente o governo precisa arrecadar tributos para exercer suas funções. Entretanto, deve fazê-lo de forma que haja maior estímulo à atividade produtiva, de forma mais justa e igualitária quanto à capacidade contributiva e quanto às aplicações dos recursos, de forma que a renda, saúde, segurança, educação e outros recursos sejam mais bem distribuídos entre as camadas sociais e que a sociedade possa viver com mais qualidade de vida. 
Entrevistamos o gestor e proprietário da empresa SERVCON- Serviços de Contabilidade, FRANCISCO ERIVANDO DE VASCONCELOS, ele disse que as cargas tributárias no Brasil são muito elevadas ultrapassando quase todos os países, e que por conta disso as empresas brasileiras, acabam pagando muito impostos, fazendo assim com que seu produto ou prestação de serviços fique mais caro a cada dia, e no final das contas quem paga isso é o consumidor. 
Com isso ele mencionou a sua empresa SERVCON, somados os impostos que paga mensalmente é de R$ 6.000,00 em media, o mesmo ainda acrescentou que tudo gera imposto, exceto produto de bonificação, sendo assim qualquer coisa a ser comprada a sua produção arrecadará o imposto sobre o mesmo, tirando o imposto da empresa, o empresário ainda disse que os clientes também pagam impostos, sendo o mesmo pago em cima do valor da nota fiscal enviada para o cliente que esta comprando ou prestando serviço.
CONSIDERAÇÕES FINAIS.
A atividade pratica nos permitiu estudar e compreender o funcionamento de uma empresa e como ela é interferida pela política financeira na qual está inserida, enfatizando as consequências geradas em razão da elevada carga tributaria exigido aqui no Brasil.
 Observando o mercado atual conseguimos ver que as instituições necessitam transmitir para a sociedade alguns benefícios sociais, mostrar resultados aos consumidores, que a cada dia estão mais exigentes. Advindo daí a mudança do pensar apenas no lucro (retorno financeiro) e pensar nas pegadas ambientais e sociais que a empresa está deixando, em como ela está contribuindo para o desenvolvimento do meio em que se encontra. 
Vale ressaltar também que nossas empresas precisam se atualizar, pois a contabilidade e o direito econômico, passam por diversas mudanças e para melhor atender seus clientes também atentar para o cumprimento do código de defesa do consumidor, pois através de seus serviços prestados a sociedade, o consumidor não deve ser prejudicado (visto que o descumprimento ao Código de Defesa do Consumidor aflige a proteção dos interesses econômicos do consumidor final). 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS:
A Incorporação Dos Princípios De Direito Cambial Ao Direito Positivo Brasileiro. 
Disponível em: http://blog.newtonpaiva.br/direito/wp-content/uploads/2012/08/PDF-D7-04.pdf.
FERREIRA, Felipe Alberto Verza. A Função Social da Empresa. Disponível em:<http://jus.com.br/revista/texto/6967/funcao-social-da-empresa>. 
FERREIRA, Juliana de Oliveira Carvalho Martins. TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL. Disponível em: http://blog.newtonpaiva.br/direito/wp-content/uploads/2012/08/PDF-D8-07.pdf. 
NETO, Aureliano Monteiro. Direito Cambiário E Títulos De Créditos. Disponível em: http://www.profrachelbruno.net/artigos/artigo0005.pdf. 
Princípio da Capacidade Contributiva. Disponível em: http://pontosdompf.forumeiros.com/t24-principio-da-capacidade-contributiva. 
Teoria geral do direito cambiário - 4. Princípios do direito cambiário. Disponível em: http://diritocomercialiii.blogspot.com.br/2008/02/teoria-geral-do-direito-cambirio-4.html.
JÚNIOR, Pedro Anan ; MARION, José Carlos. PLT, Direito Empresarial e Tributário. 2ª Ed. Campinas, SP. Editora Alínea, 2013.
Roseli
Roseli fez um comentário
Maravilhoso conteúdo
0 aprovações
Carregar mais