REVISÃO PROCESSO CIVIL- MAURÍCIO 2015
50 pág.

REVISÃO PROCESSO CIVIL- MAURÍCIO 2015


DisciplinaDireito Processual Civil I39.652 materiais714.417 seguidores
Pré-visualização13 páginas
ser havido como existente. Eis o ônus da impugnação especificada. Ao autor cabe formular sua demanda de modo claro e determinado (demanda obscura é inepta e o pedido genérico é apenas excepcionalmente admitido); idêntica razão impõe a regra que veda a contestação genérica. Prestigiam-se, assim, o princípio da cooperação e, consequentemente, o princípio da boa-fé processual.\u201d
Defesas processuais e defesas materiais: \u201cCumpre ao réu arguir na contestação tanto defesas processuais como defesas materiais. Oferece o demandado defesas processuais quando discute na contestação a respeito dos pressupostos processuais e das condições da ação. Defende-se o demandado com uma defesa material quando discute o mérito da causa. As defesas materiais podem ser diretas ou indiretas. Há defesa direta de mérito quando o réu nega o fato constitutivo alegado pelo demandante ou nega a consequência jurídica pretendida pelo autor do fato constitutivo narrado. Há defesa indireta de mérito quando o réu opõe ao fato constitutivo afirmado pelo ator um outro fato impeditivo, modificativo ou extintivo de seu direito.\u201d
A ausência de contestação não induz, automaticamente, os efeitos da revelia: \u201c(...)1- A revelia, que decorre do não oferecimento de contestação, enseja presunção relativa de veracidade dos fatos narrados na petição inicial, podendo ser infirmada pelos demais elementos dos autos, motivo pelo qual não acarreta a procedência automática dos pedidos iniciais. (...)\u201d REsp 1335994/SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, 3ªT, J.12.08.14.
Admissão de documentos novos após a contestação: \u201c(...) 1. É admitida a juntada de documentos novos após a petição inicial e a contestação desde que: (i) não se trate de documento indispensável à propositura da ação; (ii) não haja má-fé na ocultação do documento; (iii) seja ouvida a parte contrária (art.398, CPC). (...)\u201d AgRg no AREsp 435.093/SP, Rel. Min. Luiz Felipe Salomão, 4ª T, J.24.06.14.
Contestação em homologação de sentença estrangeira: (...) 2. Em sede de contestação ao pleito de homologação de sentença estrangeira não é cabível o debate acerca da relação de direito material subjacente ao título, pois tal debate ultrapassaria os limites do art.9º da Resolução nº9/005, do STJ (...)\u201d SEC 8.882/EX, Rel. Min. Humberto Martins, Corte Especial, J.21.05.14.
Apresentação de contestação após o horário forense- lei de organização judiciária local. \u201c1. O art.172, §3º, CPC, prevê a possibilidade de que lei de organização judiciária local adote diretrizes quanto ao horário de protocolo, que poderá não coincidir com às 20h previsto no caput do referido dispositivo legal. 2. Tendo o protocolo local, no caso dos autos, encerrado seu expediente às 19h, conforme determinado pela Resolução 04/04 do Tribunal de Justiça do estado da Paraíba, a entrega da petição da contestação nos correios às 19h e 47min do último dia do prazo deu-se intempestivamente. 3. Agravo Regimental da Telemar Norte Leste S/A desprovido.\u201d (AgRg no REsp 1206707/PB, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, 1ªT, J.22.04.14.)
Não cabe formulação de pedido em contestação: \u201c(...)1. A disciplina processual civil é estruturada de modo que o réu, citado para apresentar resposta ao pedido do autor, querendo formular-lhe pleito adverso, somente o possa fazer por meio do ajuizamento da reconvenção; na contestação, como se diz, não cabe a formulação de pedido, porquanto, por seu intermédio, a parte ré deve apenas se defender da pretensão da parte autora, resistindo, pelos meios ao seu alcance, à procedência de sua postulação, mas não lhe é permitida a dedução de pedido, ainda que tenha direito à correspondente prestação. (...) (EREsp 1284814/PR, Rel. Min. Napoleão Nunes Mais Filho, Corte Especial, J.18.12.13.)
Ônus da impugnação especificada no NCPC
O novo CPC ampliou o rol de matérias que podem ser alegadas preliminarmente (destaque para a incompetência relativa e para a incorreção do valor da causa).
27.05.15- não teve revisão
REVISÃO 03.06.2015
EXCEÇÕES
Conceito- Fredie Didier Jr: \u201cExceção é palavra que, na dogmática processual, assume diversos sentidos. Empregada no sentido de modalidade de resposta do réu, exceção é o incidente processual pelo qual se pode alegar, com a suspensão do procedimento principal (CPC, 306, c/c 265, III), determinadas matérias, que, por determinação legal, devem ter um procedimento próprio para serem investigadas e decididas. São exceções instrumentais. A lei prevê três espécies: incompetência relativa, impedimento e suspeição. Excipiente é quem oferece a exceção; excepto ou exceto é quem a responde.\u201d
Conceito- Marinoni e Mitidiero: \u201cNo sentido atribuído ao termo pelo legislador nos arts. 304-314, CPC, a exceção é uma espécie de resposta do réu em que se pode alegar incompetência relativa (e também incompetência sui generis, art.112, par. único, e 114, CPC), impedimento (art.134 e 136, CPC) ou suspeição (art.135, CPC). Somente essas defesas, taxativamente arroladas pelo legislador, podem ser arguidas mediante exceção.\u201d
Legitimidade- Marinoni e Mitidiero: \u201cSomente a parte demandada tem legitimidade para opor exceção de incompetência relativa. Há preclusão lógica na espécie para o autor, uma vez que não se pode admitir que o próprio demandante, que aforou a ação, vá posteriormente arguir a incompetência do juízo por ele mesmo indicado (art.282, I, CPC). Ambas as partes, todavia, têm legitimidade para arguir a exceção de impedimento e suspeição. O assistente litisconsorcial (art.54, CPC), porque se trata em realidade de verdadeiro litisconsorte da parte, igualmente pode fazê-lo. O assistente simples (art.50, CPC) poderá opor exceção processual desde que não haja inequívoca manifestação de vontade do assistido em sentido contrário (art.52-53, CPC). O Ministério Público, quer atue como parte, quer atue como fiscal da lei, pode opor exceção processual.\u201d
Impedimento e suspeição- Fredie Didier Jr. \u201cAs exceções instrumentais de impedimento e suspeição são as formas estabelecidas em lei para afastar o juiz da causa, por lhe faltar capacidade subjetiva ou compatibilidade, que é pressuposto processual subjetivo referente ao juiz. Enquanto a alegação de incompetência se refere ao juízo, o impedimento/ suspeição refere-se à figura do juiz, que neste incidente, é parte (réu do incidente, excepto). A imparcialidade é requisito processual de validade; portanto, o ato do juiz parcial é ato que pode ser invalidade. Há dois graus de parcialidade: o impedimento e a suspeição. A parcialidade é vício que não gera a extinção do processo; verificado o impedimento/ suspeição do magistrado, os autos do processo devem ser remetidos ao seu substituto legal. Os atos decisórios praticados devem ser invalidados.\u201d
Impedimento: Marinoni e Mitidiero: \u201cPodem as partes arguir por meio de exceção processual os motivos de impedimento do órgão jurisdicional arrolados na legislação processual (arts. 134 e 136, CPC). Trata-se de matéria intimamente ligada ao direito fundamental ao juízo natural (art.5º, XXXVII e LII, CRFB), haja vista que a sua alegação concerne à imparcialidade judicial. A não alegação de impedimento pela via da exceção, contudo, não faz precluir a faculdade da parte de levantá-lo a qualquer tempo e grau de jurisdição, porque sendo possível propor até mesmo ação rescisória por conta de eventual alegação de decisão prolatada por juiz impedido (art.485, II, CPC), tem-se de admitir, naturalmente, a arguição da matéria enquanto em curso o processo em que se verificou o impedimento judicial.\u201d
Suspeição- Marinoni e Mitidiero: \u201cAs partes podem arguir por meio de exceção processual os motivos de suspeição do magistrado (art.135, CPC). O assunto liga-se igualmente à imparcialidade judicial e, daí, ao direito fundamental ao juízo natural (art.5º, XXXVII e LIII, CRFB) Diferentemente do que ocorre quanto aos motivos de impedimento, contudo, a não alegação pela parte dos motivos da suspeição no prazo legal (art.305, CPC) geral preclusão temporal, não podendo a parte alegá-la em momento posterior. Note-se que