expensfisica
181 pág.

expensfisica


DisciplinaFísica Experimental I5.130 materiais30.858 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o desenho da vestimenta, além da
atividade específica do indivíduo [57].
Considerações finais
Neste trabalho, o fenômeno da sensação térmica é analisado em diversos níveis, abordando
alguns aspectos do processo de diferenciação térmica no ser humano. Um dos objetivos do trabalho
é o levantamento bibliográfico de assuntos relacionados com a percepção térmica, nas áreas da
biofísica, psicofísica, antropologia e física. A intenção é fornecer subsídios para a elaboração e o
desenvolvimento de materiais didáticos que possam ser usados junto com a experiência das três
bacias ou, simplesmente, explicar o processo de sensação térmica. Já sabemos que os livros didáticos
têm sido usados como referências definidoras de programas de curso e metodologia, além de
serem oráculos de estudo para muitos professores. É essencial que os professores tenham subsídios,
não só para explorar mais e melhor o conteúdo como para poder ter um olhar crítico sobre o
material didático que usa, muitas vezes por imposição da sociedade escolar [50].
São apresentados argumentos que mostram a complexidade do emaranhado de recortes
epistemológicos possíveis da experiência das três bacias. Por meio de exemplos vindos da fisiologia
dos termoreceptores e da psicofísica da percepção, podemos compreender por que, a uma mesma
temperatura, é possível ter diferentes sensações (neutra, frio e quente).
Essa experiência permite uma abordagem eminentemente interdisciplinar, que inclui os
fenômenos físicos da troca de calor e as adaptações fisiológicas, psicológicas e culturais que podem
alterar a percepção da temperatura; é possível compreender, ainda, fenômenos relativos à
termodinâmica, à psicofísica e à antropologia. Esse conjunto de informações exige cuidado no seu
uso e na aplicação de metáforas e analogias, que, muitas vezes, ao invés de melhorar a compreensão
do objeto estudado, passam a substituí-lo. Os recortes e as perguntas epistemológicas que surgem
dessa tentativa de recobrimento de espaços conceituais complexos dizem respeito às limitações das
teorias científicas e à delimitação do seu objeto [25, 45].
Concluiu-se então que a interdisciplinaridade é um fator essencial para a reformulação de
conteúdos didáticos e de instrumentos de ensino para a implementação da transversalidade. Para
a efetivação das indicações metodológicas oferecidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais é
107
Referências
[1] D. Acolet, Acta Ped. Scan. 7878787878, 189 (1989).
[2] O. Aguiar Jr., Investigações em Ensino de Ciências 44444, 1 (1999). Publicação Eletrônica disponível em: www.if.ufrgs.br/
public/ensino.
[3] O. Aguiar e J. Filocre, Caderno Catarinense de Ensino de Física 1919191919, 263 (2002).
[4] I. Albuquerque, Entropia e a Quantização da Energia: Cálculo Termodinâmico de Planck. Dissertação de Mestrado em
Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, 1988.
[5] J.H. Andreen, J.W. Gibson and O.C. Wetmore, Textile Research Journal 2323232323, 11 (1953).
[6] M. Arnold and R. Millar, Int J Sci Educ 1616161616, 405 (1994).
[7] K. Aurani, Ensino de Conceitos: Estudo das Origens da 2a Lei da Termodinâmica e do Conceito de Entropia a Partir do
Século XVII, editado por A.I. Hamburger, Caderno de Ensino de Conceitos I (IFUSP, São Paulo, 1988), p. 713
[8] K. Blazejczyk and B. Krawczyk, Int. J. Biometeor 3535353535, 103 (1991).
[9] K. Blazejczyk, H. Nilsson and I. Holmér, Int. J. Biometeor. 3737373737, 125 (1993).
[10] J. Bligh, and H. Hensel, Advances in Biometerology 11111 (1973).
[11] L.M. Bouskill, G. Havenith, K. Kuklane, K.C. Parsons, and W.R. Withey, Am. Indust. Hygiene Assoc. J. 6363636363, 262
(2002).
[12] A. Cafagne, Concepções em Termodinâmica: O Senso Comum e o Conhecimento Científico. Tese de Doutorado, Universidade
de São Paulo, 1996.
[13] G. Canguilhen, Ideologia e Racionalidade nas Ciências da Vida (Edições 70, Lisboa, 1977).
[14] E.L. Canto, Ciências Naturais: Aprendendo com o Cotidiano (Moderna, São Paulo, 1999).
[15] S. Cezar, Ciências Entendendo a Natureza (Saraiva, São Paulo, 1997).
[16] D.B. Chamberlain, in Proceedings of International Symposium on Circumcision, São Francisco, 1991, p. 6-22.
[17] P.S. Churchland, Reduction and the Neurobiological Basis of Consciousness, edited by A.J. Marcel, and E. Bisiach,
Consciousness in Contemporary Science (Clarendon Press, Oxford, 1988).
[18] P.S. Churchland and T.J. Sejnowski, The Computational Brain (MIT Press, Massachusets, 1993).
[19] A. Clark, Am. J. Psycho. 107107107107107, 613 (1994).
[20] E.E. Clough and R. Driver, Phys. Educ. 2020202020, 176 (1985).
[21] B.R. Coles, Annals of Science 5252525252, 411 (1995).
[22] A. Damasio, The Feeling of What Happens: Body, Emotion and the Making of Consciousness (William Heineman,
London, 1999).
[23] M. Ellis, Arch. Dis. Child. 7575757575, F42 (1996).
[24] J.A. Färdig, J. Nurse Midwifery 2525252525, 19 (1980).
[25] N. Fiedler-Ferrara e C.R. Mattos, in Atas do 8° Encontro de Pesquisadores em Ensino de Física, Águas de Lindóia, 2002
(SBF, São Paulo, 2002) 1 CD.
[26] H.A. Gardner, Nova Ciência da Mente (São Paulo, Edusp, 1985).
[27] H. Goldring and J. Osborne, Phys. Educ. 2929292929, 26 (1994).
[28] A.C. Guyton, Tratado de Fisiologia Humana (McGraw-Hill, Rio de janeiro, 1999).
[29] H. Haken, Synergetics: An Introduction (Springer-Verlag, Berlin, 1978).
[30] H. Haken, Rep. Prog. Phys. 5252525252, 515 (1989).
[31] J.D. Hardy, and E.F. Dubois, The Journal of Nutrition 1515151515, 477 (1938).
[32] G. Havenith, R. Heus and W.A. Lotens, Ergonomics 3333333333, 989 (1990).
[33] H. Hensel and K.K. Boman, J. Neurophysiol. 2323232323, 564 (1960).
[34] J.A. Hertz, R.G. Palmer and A.S. Krogh, Introduction to the Theory of Neural Computation, Lecture Notes, edited by
Santa Fe Institute, Studies in the Sciences of Complexity (Addison-Wesley Pub. Comp., New York, 1991), v. 1.
necessária a disponibilidade de material de cunho interdisciplinar, que permita uma leitura não-
fragmentada da ciência, que dê noção da complexidade estrutural das teorias científicas e de suas
relações com um \u201cfazer ciência\u201d ligado ao mundo cotidiano dos Homens.
Agradecimentos
Agradecemos aos árbitros que analisaram este trabalho, pelas sugestões que, efetivamente,
melhoraram sua qualidade. Agradecemos também a cuidadosa revisão feita pela Profa. Dra. Cristina
Simonetti.
Sensação térmica: uma abordagem interdisciplinar
108 Coleção Explorando o Ensino, v. 7 - Física
[35] W.J. Jacobson and A.B. Bergman, Science Activities for Children (Prentice-Hall Inc., New Jersey, 1983).
[36] H. Japiassu, Interdisciplinaridade e a Patologia do Saber (Imago Editora, Rio de Janeiro, 1978).
[37] C. Jin-Yi, Sci. Educ. 8383838383, 511 (1999).
[38] M.J. Klein, The Development of Boltzmann\u2019s Statistical Ideias, editec by Acta Phys. Austriaca, Suplementum X
(Sringer Verlag, Berlin, 1973).
[39] A. Kuroshima, Japan J. Physiol. 4343434343, 117 (1993).
[40] P. Leitebaum, Psicologia Fisiológica (Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1976).
[41] J. Locke, Some Further Considerations Concerning our Simple Ideas of Sensation. Edited in An Essay Concerning Human
Understanding (1640 ILT Digital Classics, Institute for Learning Technologies, Columbia University, 1995).
[42] S. Lopes e A. Machado, A Matéria e a Vida - 7a série (Atual Editora, São Paulo, 1996).
[43] F.M. Louzada, C.R.C. Moreno and J.A. Bortolucci, Ciências, Natureza, Tempo e Espaço (Lê, Belo Horizonte, 1999).
[44] C.R. Mattos, Aplicações da Mecânica Estatística ao Perceptron Binário e ao Processamento de Imagens. Tese de Doutorado
em Física, Universidade de São Paulo, 1988.
[45] C.R. Mattos, in Atas do 7° Encontro de Pesquisadores em Ensino de Física, Florianópolis, 2000 (SBF, São Paulo, 2000),
1 CD.
[46] C.R. Mattos and A. Gaspar, Enseñanza de las Ciencias v. Extra, 189 (2002).
[47] C.R. Mattos, Entrando na Era do Ensino de Entropia, editado por A.I. Hamburger, Cadernos sobre Ensino de Conceitos
em Física IV (Publicações