Kapanji - volume 2

Kapanji - volume 2


DisciplinaCinesiologia3.729 materiais61.874 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de tal formaquea plantaseorienta:
- para dentro(fig. 4-4): por analogiacom
o membro superior,este movimento se
definecomoumasupinação;
- parafora (fig. 4-5), e entãosedenomina
pronação.
A amplitudeda supinação52° (Biesalski e
Mayer,1916)émaiordoqueadapronação25-30°.
Acabamosde definir por abdução-aduçãoe
pronação-supinaçãomovimentosque,emreali-
dade,não existemem estadopuronasarticula-
çõesdopé.De fato, sepoderáconstatarquees-
tasarticulaçõesestãoconfiguradasde tal forma
que um movimento num dos planos se acom-
panha, obrigatoriamente,por mn movimento
nosoutrosdoisplanos.Destaforma,aaduçãose
acompanhanecessariamente(figs. 4-2 e 4-4) de
uma supinação e uma ligeira extensão.Estes
trêscomponentescaracterizama posiçãodeno-
minada inversão.Se a extensãose anula por
umaflexão equivalentedo tornozelo,seobtéma
atitudedenominadavaro.Por último,seumaro-
taçãoexternadojoelho compensaa adução,en-
tão só se pode observarum movimentoaparen-
tementepurodesupinação.
No outro sentido(figs. 4-3 e 4-5), a abdu-
ção se acompanhanecessariamenteda prona-
ção e da flexão: se tratada posição de eversão.
Se a flexão se anulapor uma extensãoequiva-
lente do tornozelo (nas figuras estáhipercom-
pensadaemextensão),seobtéma atitudedeno-
minada valgo.Por outro lado, se uma rotação
internado joelho oculta a abdução,sepodeob-
servar um movimentoaparentementepuro de
pronação.
Destemodo, salvo compensaçõesà distân-
cia das articulaçõesdo pé, a aduçãojamais se
poderáassociarcom umapronaçãoe, vice-ver-
sa, a abduçãojamais se poderá associar com
uma supinação. Assim, existem combinações
proibidaspela própria configuraçãodasarticu-
laçõesdo pé.
Fig.4-2
V \1..
Fig.4-4
\
Fig.4-5
2. MEMBRO INFERIOR 179
180 FISIOLOGIA ARTIClJLAR
AS SUPERFÍCIES ARTICULARES DA SUBASTRAGALIANA
(asexplicaçõessãocomunsa todasasfiguras)
o astrágalosearticulapelasuafaceinferior
(A, figo4-6,sesepararamosdoisossoseo astrá-
galofoi deslocadoaoredordoeixoXX' demo-
doqueformaumacharneira)coma facesupe-
rior do calcâneo(B, figo4-6).Estesdoisossos
entramemcontato,cadaum deles,atravésde
duassuperfíciesarticulares,constituindoo que
sedenominaarticulaçãosubastragaliana:
- asuperfícieposteriordoastrágalo(a)se
adaptaàsuperfíciemaior(a')localizada
nafacesuperiordocalcâneo:éo tálamo
deDestot.Estasduassuperfíciesestão
unidasentresi por ligamentose uma
cápsulaquefazemdelasumaarticula-
çãoanatomicamenteautônoma;
- asuperfíciemenor(b),localizadanaface
inferiordocoloedacabeçadoastrágalo,
descansanasuperfícieanteriordocalcâ-
neo(b'),alongadaemsentidooblíquoe
mantidapelasapófisesmaiore menor.
Estassuperfícies,aastragalianaeacalcâ-
nea,pertencemanatomicamentea uma
articulaçãomaisamplaqueinclui,tam-
bém,afaceposteriordoescafóide(d')e
queconstituicoma cabeçado astrágalo
(d)aparteinternadaarticulaçãomédio-
tarsiana,ouinterlinhadeChopart.
Antesdeintroduziro funcionamentodestas
articulações,éindispensávelcompreenderafor-
madassuassuperfícies.Trata-sedeartródias:
- o tálamo(a')éumasuperfícieoval,com
um grandeeixooblíquoparadiantee
parafora,convexaao longode todoo
eixo(fig.4-7,vistaexternae 4-8,vista
interna)eretilíneaouligeiramentecôn-
cavaemsentidoperpendicular.Portan-
to,sepodecompararcomumsegmento
cilíndrico(f) cujoeixoseriaoblíquode
trásparadiante,deforaparadentroeli-
geiramentedecimaparabaixo.A super-
fície astragaliana(a) opostaà anterior
tambémpossui esta forma cilíndrica,..
como mesmoralOeo mesmoeIXO,po-
rémsetratadeumsegmentodecilindro
oco (fig. 4-7),enquantoo tálamoé um
segmentodecilindrocompacto(sólido);
- globalmente,acabeçadoastrágaloées-
féricae osplanosquepossuipodemser
consideradoscomofacesarticularesta-
lhadassobreumaesfera(linhatraceja-
da)decentrog (fig.4-6).De fato,a su-
perfícieanteriordocalcâneo(b') écôn-
cavaemambosossentidos,enquantoa
superfícieastragaliana(b), queseopõe
a ela,é convexanosseusdoissentidos
comosmesmosraiosdecurvatura.Com
freqüência,a superfíciecalcâneaestá
pinçadana suapartecentral,comose
fosseumapalmilhadesapato(fig.4-6)
e inclusive,às vezes,se subdivideem
duasfacesarticulares(figs.4-7 e 4-8),
uma (b') mantidapelo processome-
dial da apófisee outra(b') pelo pro-
cessolateral da apófisedo calcâneo.
Constatou-sequeaestabilidadedocal-
câneoé proporcionalà superfíciedesta
última face articular.No astrágalose
podeobservarestasubdivisão(b1ebJ
A superfíciecalcânea(b' oub'l+b'z) for-
ma partede uma superfícieesféricaoca mais
amplaqueinclui a superfícieposterior(d') do
escafóideeapartesuperiordoligamentoglenói-
de(c'), queseestendeentreasduassuperfícies.
Estassuperfíciesformamumacavidadedere-
cepçãoesféricaparaa cabeçado astrágalo,com
o ligamentodeltóide(5)e acápsula.Na cabeça
do astrágalose encontramas facesarticulares
correspondentes:amaiorpartedasuperfície(d)
correspondeao escafóide;entreestasuperfície
(d)eafacearticularcalcânea(b)seinterpõeum
campotriangular(c)debaseinternaquecorres-
pondeaoligamentoglenóide(c').
2
A
x
Fig.4-6
Xl B
Fig.4-7
2.MEMBRO INFERIOR 181
6
9
1
Fig.4-8
182 FISIOLOGIA ARTICULAR
CONGRUÊNCIA E INCONGRUÊNCIA DA SUBASTRAGALIANA
A descriçãoda páginaanteriorpermite
compreendera disposiçãoe a correspondência
dassuperfíciesarticulares,porémnãopermite
captara suaformatãoespecíficadefuncionar.
De formaqueparapoderentendero seufun-
cionamentoé necessárioaprofundarnadescri-
ção das superfíciesda articulaçãoastrágalo-
calcâneaanteriorrepresentadaabertanafigura
(figs.4-9e4-10),o astrágalo,situadocomose
fosseas páginasde um livro quepassamem
tomoaumeixoântero-posterior,vistopelasua
faceinferior,enquantoa parteanteriordo cal-
câneo(fig.4-10)seobservapelasuafacesupe-
rior (asexplicaçõessãocomunsatodasasfigu-
rasdestapágina,porémnãose correspondem
comasdapáginaanterior).
Sobrea faceinferiordo colo do astrágalo
(fig.4-9),a facearticular(b)correspondeà face
articular(b') localizadanafacesuperiordocal-
câneo(fig.4-10),noníveldaapófisemenordo
ca1câneo.Nacabeçadoastrágalo(fig.4-9)seen-
contramdenovoo campoescafóide(e)eocam-
poglenóide(g).Contudo,aporçãocartilaginosa
localizadaporforadocampoglenóideésubdivi-
didaemtrêsfacesarticulares:dedentroparafo-
ra (cl' c2 e c3), quecorrespondemglobalmenteà
faceaI1icularsituadanafacesuperiordaapófise
maiordoca1câneo(fig.4-10),porsuavezsubdi-
vididaemduasfacesarticulares:deforapara
dentro(C'I e c'J Por trás,seencontramasduas
superfíciesdaarticulaçãoastrágalo-ca1câneapos-
terior:o tálamo(a')easuperfícieinferiordocor-
podoastrágalo.
Existeapenasumaposiçãode congruên-
ciadasubastragaliana:a posiçãomédia.O pé
é alinhadocomo astrágalo,istoé,seminversão
nemeversão,estaéaposiçãoadotadaporumpé
normal(nemchato,nemcavo)como indivíduo
depésobreumplanohorizontal,emposiçãode
descanso,comapoiosimétrico.Assim,assuper-
fícies articularesda subastragalianaposterior
sãocompletamentecorrespondentes,afacearti-
cular(b)do colodo astrágalodescansasobrea
facearticular(b') daapófisemenordocalcâneo
e afacearticularmédia(cz)dacabeçado astrá-
galodescansana facearticularhorizontal(C'I)
daapófisemaior.Estaposiçãode alinhamento
emqueassuperfíciesseadaptamumasàsoutras
pelaaçãodagravidadeenãopelosligamentos,
alémde serestável,podesermantidadurante
muitotempograçasàcongruência.Todasasou-
trasposiçõessãoinstáveise provocamumain-
congruênciamaisoumenosacentuada.
No movimentodeeversão,a extremidade
anteriordo calcâneo(fig. 4-11,vista superior
doladodireito.o astrágalosesupõetransparen-
te) se deslocaparafora e tema tendênciaa
"deitar-se"(fig.4-12,vistaanterior)sobreasua
faceinterna.Nestemovimento,as duasfaces
articulares(beb') permanecememcontato,de
formaqueconstituemumpivô,enquantoa su-
perfíciesubastragaliana(a)sedeslizaparabai-
xoeparadiantesobreo tálamo(a') fazendoim-
pactocomo soalhodo seiodo tarso;a parte
póstero-superiordo tálamofica "descoberta".
Pelafrente,apequenafacearticularastragaliana
(c) sedeslizaatéentraremcontato(fig.4-12)
coma facearticularoblíqua(c'z)do