Kapanji - volume 2

Kapanji - volume 2


DisciplinaCinesiologia3.746 materiais62.025 seguidores
Pré-visualização50 páginas
2.MElviBRO I;-";FERlOR 27
Tf
Fig.1-33
Pr
Fig.1-35
Fig.1-31
- umaflexãopróximaaos90°(seta1);
- umaleveabdução(seta2);
- umaleverotaçãoexterna(seta3).
Nestanovaposição(fig.1-45),o eixodocó-
tiloC' estáalinhadoemCU como eixodocolo.
No esqueleto(fig. 1-41),épossívelconse-
guir a coincidênciadas superfíciesarticulares
graçasaosmesmosmovimentosdeflexão,ab-
duçãoe rotaçãoexterna:a cabeçase encaixa
totalmenteno cótilo. Esta posiçãodo quadril
correspondeà situaçãode quadrúpede(fig. 1-
42), queé, portanto,a autênticaposiçãofisio-
lógica do quadril.A evolução,que fez o ho-
mem passarda marcha quadrúpedepara a
marchabípede,é responsávelpela falta de
coincidênciadas superfícies articulares da
coxofemoral.Por outrolado,estafaltadecoin-
cidênciadas superfíciesarticularespode ser
utilizadacomo argumentoa favor da origem
quadrúpededohomem.
28 FISIOLOGIA ARTICULAR
RELAÇÕES DAS SUPERFÍCIES ARTICULARES
Quandoo quadrilestáem alinhamento totalmenteassuperfíciesarticularesdacabeçae
(fig. 1-38),o quecorrespondeà posiçãodepé o cótilo:nestecasoa meia-luapretadesaparece
tambémdenominadaposição"ereta"(fig.1-39)~ totalmente.GraçasaosplanosdereferênciaS e
a cabeçafemoralnãoestátotalmenterecoberta 'l\ é fácil comprovarqueparaqueassuperfícies
pelocótilo,todaa parteântero-superiordasua art;icularescoincidam,sãonecessáriostrêsmo-
cartilagemestádescoberta(seta,figura1-38).ls- vimentoselementares:
to deve-se(fig. 1-44,vistaemperspectivados
trêsplanosdereferênciadoquadrildireito)ao
fatodequeo eixodocolofemoral(Cf) oblíquo
paracima,paradianteeparadentronãoestáno
prolongamentodo eixodo cótilo (C') oblíquo
parabaixo,paradianteeparafora.Graçasaum
modelodaarticulaçãodoquadril(fig.1-40),po-
de-seconstataraseguintedisposição:umaesfe-
rasuportadaporumahasteencurvadasegundo
osângulosdeinclinaçãoededeclinação,o pla-
noD representao planoquepassapeloseixos
diafisárioe transversaldoscôndilos.Por outro
lado,umahemi-esferaconvenientementeorien-
tadanumplanosagitalS; umpequenoplanoF
representao planofrontalquepassapelocentro
dahemi-esfera.Na posiçãoereta,a esferafica
amplamentedescobertaporcimaepelafrente:a
meia-luapretarepresentaa partedacartilagem
quenãoestácoberta.
Fazendogirarde determinadamaneiraa
hemi-esfera-cótilocomrelaçãoà esfera-cabeça
femoral(fig. 1-43),chegamosa fazercoincidir
Cf
Fig.1-44
Fig.1-38
2. MEMBRO INFERIOR 29
Fig.1-43
C"
Fig.1-45
30 FISIOLOGIAARTICULAR
ARQUITETURA DO FÊlVIUR E DA PELVE
A cabeça,o colo e a diáfisedo fêmurformamum
conjuntoquerealizao quese denomina,emmecânica,
umsuportefalso. Na verdade,o pesodo corpoquerecai
sobrea cabeçafemoralse transmiteà diáfisefemoral
atravésdeumbraçodealavanca:o colo femoral.Pode-
mosobservaro mesmosistemade"suportefalso"numa
forca(fig. l-50), naquala forçaverticaltematendência
a "cortar"a barrahorizontalno pontodejunçãocoma
hastee fecharo ânguloqueformamambasaspeças.Pa-
ra evitarumacidentedestaenvergadura,bastaintercalar
obliquamenteumapernadeforça.
O colodofêmurconstituiabarrasuperiordaforcae.
observandoo membroinferiornoseuconjunto(fig.1--1-8),
sepodeconstatarqueo eixomecânico(traçosgrossos)no
qualsealinhamastrêsarticulaçõesdoquadril.joelhoetor-
nozelo,deixaparaforaaforcafemoral(observartambém
queo eixomecâniconãocoincidecomavertical,represen-
tadanafiguraporumalinhadetraçosintercaladosdeta-
manhosdiferentes).Veremosmaisadiante(fig. 1-128)o
interessemecânicodestadisposição.
Paraevitaro cortedabasedocolodefêmur(fig.1-
51),a extremidadesuperior do fêmur possuiumaes-
trutura bemvisívelsobreumcorteverticaldeossoseco
(fig. 1-46).As lâminasdo ossoesponjosoestãodispostas
emdoissistemasdetrabéculasquecorrespondema linhas
deforça mecânicas.
- um sistemaprincipal formadopor doisfeixes
detrabéculasqueseexpandemsobreo coloea
cabeça:
- o primeiro(1) origina-senacorticalexterna
dadiáfisee terminanaparteinferiordacor-
ticalcefálica.É o feixearciformedeGallois
eBosquette;
- o segundo(2)seexpandea partirdacortical
internadadiáfiseedacorticalinferiordoco-
lo e sedirigeverticalmenteparaa partesu-
periordacorticalcefálica:é o feixecefálico
oulequedesustentação.
Culmanndemonstrouquecarregandoexcentricamente
umtubodeensaioemformadecajadoougrua(fig.1-
49)podem-sefazeraparecerdois lequesde linhasde
força: umoblíquo,naconvexidade,quecorresponderia
aforças detraçãoerepresentaohomólogodofeixear-
ciforme;e outrovertical,naconcavidade.quecorres-
ponderiaaforças depressãoerepresentao feixecefá-
lico(hastedeforçadaforca):
- umsistemaacessórioformadopordoisfeixesque
seexpandememdireçãoaotrocântermaior:
- o primeiro(3),apartirdacorticalinternada
diáfise:é ofeixetrocanteriano:
- o segundo(4),demenorimportância.forma-
doporfibrasverticaisparalelasàcorticalex-
ternado trocântermaior.
É necessáriodestacartrêspontos:
1.No maciçotrocanterianoseconstituiumsistema
ogival pela convergênciados feixes arciforme
(1)e trocanteriano(3).O cruzamentodestesdois
pilaresformaumachavedearcomaisdensaque
descedaconicalsuperiordo colo. O pilar inter-
no é menossólidoe sedebilitacoma idade,de-
vidoà osteoporosesenil.
2.No coloenacabeçaseconstituiumoutrosistema
ogiralformadodestavezpelaconvergênciadofei-
xearciforme(I) edolequedesustentação(2).Na
intersecçãodestesdoisfeixes,umazonamaisden-
saformaonÚcleodacabeça.Estesistemacérvico-
cefálicoseapóia'numazonaextremamentesólida,
a corticalinferiordo colo,queformao esporão
cervicalinferiordeMerkel(Ep).tambémdenomi-
nadodeAdamsou"Calcar".
3.Entreo sistemaogivaldomaciçotrocanterianoe
o sistemadesustentaçãocérvico-cefálicoexiste
umazonademenorresistência(+) quea osteo-
poroseseniltornaaindamaisvulnerávele mais
frágil:estaéazonaondeselocalizamasfraturas
cérvico-trocanterianas(fig. I-51).
A estruturadacinturapélvica(fig. 1-46)tambémse
podeanalisardo mesmomodo.Formandoum aneltotal-
mentefechado,transmiteasforçasverticaisdacolunalom-
bar(setatracejadaedesdobrada)paraasduascoxofemorais.
Existemdois sistel1lusrrabecularesprincipais que
tr:msmitemasforçasatravésdafacetaauricular,emdireçãoao
cótiloporumladoeao tsquio.pelooutro(figs.1-46e 1-47).
- As trabéculassacrocotilóidesseorganizamsegun-
dodoissistemas:
1.O primeiro(5).procedentedapartesuperiorda
superfícieauricular.condensa-senobordoposte-
rior da incisuraciática- formandoo esporão
ciática (Ec)- paraexpandir-senaparteinferior
docótilo.ondecontinuacomastrabéculasdetra-
çãodocolofemoral(1).
2.O segundo(6),procedentedaparteinferiordasu-
perfícieauricular.condensa-senoníveldoestrei-
tosuperior- formandooesporãoinominado(Ei)
- paraexpandir-senapartesuperiordocótiloon-
decontinuacomastrabéculasdepressãodoleque
desustentação(2).
- As trabéculassacroisquiáticas(7)seoriginamnasu-
perfícieauricularcomosdoisfeixescitadosantetiormente,
paradesceratéo ísquio.Entrecruzam-secomastrabéculas
quenascemnorebordocotilóide(8).Estesistemadetrabécu-
Iasisquiáticassuportaopesodocorpoemposiçãosentada.
- Finalmente,astrabéculasqueseoriginamnoesporão
inominado(Ei)enoesporãociático(Ec)seinseremnoramo
horizontaldopúbis.completandoo anelpélvico.
2.MEMBRO INFERIOR 31
Fig.1-51
Fig.1-46
Fig.1-50
Fig.1-49
Fig.1-47
Fig.1-48
7
8
5
32 FISIOLOGIA ARTICULAR
A ORLA COTILÓIDE E O LIGAMENTO REDONDO
A orlacotilóide(Rc)éum anelfibro-car-
tilaginosoque se insereno rebordocotilóide
(fig.1-52),aumentandonotavelmenteaprofun-
didadeda cavidadecotilóide(ver pág.44) e
igualandoasirregularidadesdorebordo(C): se
removemosa palie superiorda orla,podemos
vera incisuraflio-púbica(IP). Quantoà incisu-
ra ísquio-púbica(IlP), amaisprofundadastrês,
aorlaformaumaponteinserindo-seno ligamen-
to transversodoacetábulo(LT), fixadoporsua
veznosdoisbordosdaincisura:noesquemaes-
tão"desmontados"LT eRc.No corte(fig.1-53),
aorlasefixacomfirmezanobordodoligamen-
totransverso(vertambémafigo1-36).
De fato,nocortepode-seapreciaraforma
triangular daorlaalémdastrês facesquese
descrevemacontinuação:umafaceinternaque