Biotecnologia Industrial - Vol 2 - Willibaldo Schmidell

Biotecnologia Industrial - Vol 2 - Willibaldo Schmidell


DisciplinaEngenharia Química697 materiais1.723 seguidores
Pré-visualização50 páginas
no ar atmosférico, assim como sua con-
centração, podem ser extremamente variáveis, dependendo de uma série de fato-
res. Pode-se encontrar microrganismos de maiores dimensões, como bolores 
(fragmentos de hifas) e leveduras, assim como espécies de menores dimensões 
como bactérias ou seus esporos. Esses microrganismos são provenientes do solo, 
ou de plantas, ou ainda de cursos de água, sendo postos ein suspensão pela 
--------------·--------. - - --·----·------------- ----~- - ------- _..,...._....,. 
Amestradores 65 
movimentação do ar ambiente, sendo os de menores dimensões freqüentemente asso-
ciados a partículas de poeira. 
A simples menção desses fatos já indica que, dependendo do clima de urna 
dada localidade, ou mesmo de um dia para outro em urna mesma localidade, po- , 
dern-se encontrar diferentes concentrações de microrganismos suspensos no ar, 
assim corno distintas espécies de microrganismos suspensos. De fato, ao se efetuar 
a contagem de microrgàni~rnos no ar em um ambiente livre de radiações solares e 
com umidade relativa elevada, muito provavelmente obtêm-se concentrações ele-
vadas de células vegetativas. Ao contrário, urna determinação feita após longa ex-
posição à luz solar forneceria urna contagem preferencial de espécies mais 
resistentes, corno ·os esporos de bactérias. Analogamente, a concentração de mi-
crorganismos suspensos no ar é drasticamente reduzida após um período de chu-
vas e extremamente elevada após. um período de ventos fortes. 
Essas informações permitem refletir sobre o local de onde se deve proceder 
à captação de ar para processo. Esse local de captação não deve ser entendido 
corno aleatório, pois podemos estar captando ar de locais II).Uito contaminados, 
corno seria o caso de se localizar a entrada de ar do sistema de compressão muito 
próxima do solo, ou ainda voltada para locais particulares e sujeitos a um maior 
nível de contaminação. 
No próximo item se buscará descrever sistemas para a determinação da· con-
centração de microrganismos suspensos no ar, mas já se pode afirmar que, apesar 
das possíveis variações em urna mesma localidade, ao se efetuar estas deterrnina-
.ções por longos períodos (um ano por exemplo), obtêm-se valores médios relativa- · 
mente próximos. Assim, AIBA et al. 1 indicam, para a atmosfera de Tóquio, urna 
concentração média de microrganismos de 12x103 partículas/rn3, enquanto que 
GADEN;HUMPHREY 2 indicam, para Londres, um valor de 3 a 9x103 partículas/rn3\u2022 
PARIS et al.3 chegaram a urna concentração média de 1 a 3x103 partículas/rn3, 
no que se refere à atmosfera da capital de São Paulo, após realizarem amostragens 
durante o período-de um ano e em diversas localidades. ' 
Deve-se salientar que as diferenças observadas entre esses diversos dados 
disponíveis na literatura são devidas às próprias características do fenômeno, con-
forme discutido anteriormente, mas também em virtude do emprego de diferentes 
rnetodologias na quantificação. 
Quanto às dimensões dos microrganismos suspensos no ar, pode-se conside-
rar corno representativos valores da ordem de 0,5 a 1,0 !JID, ou seja, dimensões de 
bactérias ou seus esporos. Por outro lado, as partículas de poeira, que freqüente-
mente transportam os microrganismos, apresentam diâmetros freqüentemente su-
periores a 4 J.liD, sendo que os esporos normalmente não estão associados a estas 
partículas de poeira.4 
5.3 - Amestradores 
A determinação da concentração de microrganismos suspensos no ar atmos-
férico é realizada através do uso de dispositivos designados genericamente por 
arnostnidores. Esses instrumentos não são apenas importantes por realizarem essa 
--- - - ------· _____ _,___ .... ~----~,. .. ~--. ---...,...,_----=--~...:.....,_.,,.,... __ _ __________ _____ ·---- - - --
66 Esterilização de ar 
tarefa, como também são empregados para a · verificação da efetiva esterilização 
do ar destinado ao processo, ou na quantificação de eventuais contaminantes e.m 
áreas ditas estéreis (salas de cirurgia). 
Essas são as razões pelas quais reveste-se de importância o conhecimento de 
alguns detalhes sobre.os tipos de amestradores que podem ser empregados, assim 
como sua forma de operação e limitações. 
De uma forma geral, todos os amestradores operam de maneira semelhante, 
pois o princípio básico deles consiste em reter, de alguma forma, os microrganis-
mos suspensos em um determinado volume de ar, dando-se, a seguir, condições 
para que estas células proliferem, de maneira a tornar possível a contagem de co-
lônias, para a quantificação dos contaminantes no volume de ar amostrado. 
Tendo em vista essa descrição geral, pode-se concluir que: 
a) dependendo da forma empregada para reter os microrganismos, não se 
pode assegurar que esta retenção seja total, podendo-se inclusive imaginar que 
haja distintas eficiências de coleta para diferentes amestradores; 
b) ainda na dependência da forma de reter os microrganismos, pode-se tam-
bém imaginar a possibilidade da ocorrência de destruição de certas espécies; 
c) lembrando que células microbianas suspensas no ar podem estar associa-
das a partículas de poeira, podendo ocorrer a existência de mais que uma célula 
por partícula, por mais que se busque desagregar estes conjuntos, é sempre difícil 
afirmar que uma colônia tenha tido, obrigatoriamente, origem em uma única célu-
la. Essa é, inclusive, a razão pela qual os resultados são freqüentemente expressos 
em número de partículas, ou de número de colônias por unidade de volume de ar 
amostrado; 
d) conforme indicado, a etapa final da determinàção consiste em contar co-
lônias que se desenvolveram em um dado meio de cultura e, tendo em vista a 
grande variedade de microrganismos suspensos no ar, torna-se difícil eleger um 
meio no qual se possa afirmar que todas as espécies se desenvolvam em um dado 
intervalo de tempo. · 
Uma primeira conseqüência dos fatos acima apontados/ reside n<J'dificulda-
de em comparar resultados obtidos pelo uso de diferentes amestradores, ou com 
um mesmo amestrador~ porém operado de formas distintas. 
Outra conseqüência clara é a impossibilidade de se obter a concentração, to-
tal ou absoluta, de microrganismos suspensos no ar atmosférico. 
Uma forma de minorar esses problemas, especialmente quando se deseja 
efetuar testes de efetividade de esterilização de um dado sistema, por exemplo de 
um dado filtro, consiste em preparar uma suspensão de um dado microrganismo 
em ar, previamente submetido à esterilização. Esse ar, artificialmente contamina-
do com o microrganismo usado como marcador, é passado através do filtro, deter-
minando-se a concentração (ou o número) de microrganismos no ar antes e após o 
elemento filtrante, desde que também se conheça o volume de ar amostrado, me-
dindo-se a vazão de ar e o tempo do ensaio. Pode-se assim quantificar a eficiência 
de retenção (TJ) do filtro em teste: 
N ~N 
. TJ = l z X 100 
Nl 
. (5.1) 
_, .. ----·-.- -------------- - · .... ..... ... ... ___.il 
Amestradores 6 7 · 
onde: N1 =concentração de microrganismos no ar antes da passagem pelo filtro 
.(partículas ou colônias por unidade de volume) e 
N2 = concentração de microrganismos no ar após a passagem pelo filtro,_ 
(partículas ou colônias por unidade de volume). . 
O fato de se conhecer o microrganismo empregado para esse tipo de deter-
minação, significa que se conhece perfeitamente o aspecto dÇl.s colônias que se 
quer contar (formato, apar&ncia, cor), além de se conhecer o meio de cultura e as 
condições mais adequadas para a sua proliferação. 
Vários microrganismos têm sido empregados para a realização desses testes, 
tais como Serratia marcescens,S Pseudomonas diminuta6'7 e esporos de Bacillus subtilis 
var. niger.4 Obviamente esses microrganismos são de pequenas dimensões, como é 
o caso do Pseudomonas diminuta, que apresenta diâmetros de 0,3 por 0,8 J.Lm.