Trabalho-de-Andaimes-Metodologia
50 pág.

Trabalho-de-Andaimes-Metodologia


DisciplinaMetodologia Científica46.606 materiais972.982 seguidores
Pré-visualização12 páginas
para efeito de reparos, reformas, acabamentos, pintura, torres de acesso, 
outros.(DRESCH, 2009). 
 
2.3 Classificação dos andaimes 
 
Plataformas necessárias à execução de trabalhos em lugares elevados, onde não 
possam ser executados em condições de segurança a partir do piso. 
Os andaimes tanto podem ser comprados ou alugados por empresas 
especializadas em monta-los na própria obra. Segundo a NR 18 citado por 
AdrianaDresch (2009) \u201co dimensionamento dos andaimes, suas estruturas de suspenção 
e fixação, devem ser realizados por profissional legalmente habilitado e devem ser 
dimensionados e construídos de modo a suportar, como segurança, as cargas de trabalho 
a que estão sujeitos\u201d. 
A mesma NR 18 emenda que, para qualquer tipo de andaime a ser utilizado, o 
soalho de trabalho deve conter cobertura completa, antiderrapante, ser nivelado e fixado 
de modo seguro e resistente. Além do mais devem conter o sistema guarda-corpo e 
rodapé, inclusive nas cabeceiras, em todo o perímetro, com execução do lado da face de 
trabalhado. Os andaimes encontrados atualmente são construídos principalmente de 
madeira, material metálico ou misto, sendo este formado por suporte metálico e 
plataforma em madeira. Vale ressaltar que quando o andaime é constituído de madeira é 
necessário verificar se ela é de boa qualidade, seca, não contaminada por fungos ou 
atacada por cupins. Também não dever conter nós, pois estes submetem na resistência 
estrutural.Os andaimes usados na indústria da construção civil podem ser classificados 
em: simplesmente apoiados; fachadeiros; móveis; em balanço; suspensos mecânicos 
(pesados e leves) e cadeira suspensa. 
 
2.3.1 Andaimes Simplesmente apoiados 
 
Andaime empenhado na estrutura simplesmente apoiada independe da 
edificação.Podem ser leves ou pesados. 
13 
 
Os leves são muito utilizados por carpinteiros, pintores, etc., que não fornecem 
cargas pesadas sobre a plataforma de trabalho. Os pesados são para o uso de pedreiros 
em serviço de alvenaria, concretagem, montagem de peças de aço e de operários que 
trabalham com revestimento de pedra. 
A NR 18 inibe o trabalho em andaimes apoiados sobre cavaletes que possuam 
altura superior a dois metros e largura inferior a noventa centímetros, também exige que 
os andaimes cujos soalho de trabalho estejam situados a mais de um metro e cinquenta 
centímetros de altura devem ser usado de escadas ou rampas.(DRESCH, 2009). 
A norma também exige que os andaimes cujos pisos de trabalho estejam 
situados a mais de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) de altura devem ser 
providos de escadas ou rampas. (FIG. 1). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Figura 1 \u2013 Andaime simplesmente apoiado 
 Fonte: Andaimes Rhema 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Figura 2- Andaime simplesmente apoiado 
 Fonte: UFSC 
14 
 
2.3.2 Andaimes Fachadeiros 
São aqueles constituídos de quadro vertical e horizontal, placa de base, travessa 
diagonal, guarda-corpo, tela e escada (FIG. 3). Permitem o acesso de pessoas e 
materiais à obra, sendo muito utilizado em serviço de manutenção de fachadas e de 
construção, quando não é possível o acesso pela parte interna da obra. permite a maior 
facilidade na montagem e no manuseio, podendo ser aproveitados para os serviços de 
pinturas de fachadas e colocação de revestimentos em paredes. 
Os acessos verticais os andaimes fachadeiros devem ser feitos em escada 
incorporada a sua própria estrutura ou meio de torre de acesso. 
Possui camadas extensas de madeira ou aço em sua montagem, formando uma 
espécie de piso, que facilita o trabalho dos operários. Esses pisos são montados em 
diversos níveis do andaime, formando vários andares onde é possível ficar em pé em 
segurança, ocorrendo a circulação de pessoas e materiais,dispondo de proteção com tela 
de arame galvanizado ou material de resistência e durabilidade equivalente, desde a 
primeira plataforma de trabalho até pelo menos dois metros acima da última plataforma 
de trabalho, segundo a NR18, citada por AdrianaDresch, 2009. 
Uma opção substituta em lugar dos balancins para a execução de revestimentos 
nas fachadas dos edifícios. Para os autores Souza e Franco, 1997 citam que, em algumas 
situações, entrar com o fachadeiro durante a execução da estrutura, procurando com isto 
substituir as plataformas principais e secundárias. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Figura 3: Andaime do tipo fachadeiro Figura 4: Andaime de fachada circundando integralmente o prédio . 
Fonte: Andaimes Rhema Fonte: Andaimes Jahu 
 
15 
 
 2. 3.3 Andaimes móveis 
 
Andaimes apoiados sobre rodas e sendo metálicos (FIG 5) . Usualmente é de 
fácil montagem, o que não precisa de projeto, cuidados especiais ou de mão de obra 
especializada. Cita AdrianaDresch (2009) que este material transporta-se facilmente 
uma vez que possui grandezas reduzidas. São ajustados em empregos de instalação e 
acabamento. Deve se utilizar esse tipo de andaime em regiões planas. A NR 18 inibe o 
deslocamento de andaimes com a presença de materiais ou pessoas na plataforma. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Figura 5 - Figura evidenciando o andaime móvel 
 Fonte: Andaimes Rhema 
 
2.3.4 Andaimes em Balanço 
 
Para revestimentos de fachadas, os andaimes suspensos, também conhecidos 
como balancins, são os equipamentos mais utilizados para o transporte vertical dos 
operários na execução das tarefas. Também deveram ser calculados para suportar o peso 
das ferramentas e da argamassa depositada em carrinhos ou caixas sobre os andaimes 
antes da aplicação nas paredes. (GOMES, 2006). 
Adriana Dresch (2009) menciona que estes andaimes fora da construção são 
suportados por vigamentos ou estruturas em balanços, seja por engaste ou outro sistema 
de contra balanceamento no interior da construção, podendo ser fixos ou deslocáveis. 
Geralmente utilizados quando os andaimes não podem apoiar-se sobre o solo ou sobre 
uma superfície horizontal resistente. 
 
 
 
16 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Figura 6 - Andaime em balanço 
 Fonte: Fundacentro 
 
Maryana Giribola (2014), menciona no seu artigo que a oferta dos balancins 
elétricos tem evoluído a passos lentos no Brasil. Atualmente poucos fornecedores 
trabalham com este tipo de equipamento, o que faz com que os preços sejam altos e a 
demanda, baixa. No segmento residencial os modelos mecânicos ainda são mais 
procurados do que os elétricos. A oportunidade do equipamento elétrico 
correspondência dos custos mais altos do equipamento com redução do custo de mão de 
obra. 
Outro problema que freia a demanda pelo balancim elétrico é o índice de falhas 
em obras. Fornecendo e construtoras relatam que o equipamento é delicado e quebra 
com frequência quando submetido a operações mais bruscas ou a erros de operações. 
Por isso, o treinamento de mão de obra é indispensável para viabilizar o sistema. Com a 
mudança da NR35, que transfere para as construtoras a responsabilidade pelo 
treinamento dos operários no trabalho em altura, o cenário tende a mudar. 
Pela nova norma, para que o colaborador seja considerado