resumão licitação
12 pág.

resumão licitação


DisciplinaAdministrarivo92 materiais208 seguidores
Pré-visualização4 páginas
LICITAÇÃO
É o processo administrativo destinado a selecionar, segundo critérios objetivos e predestinados, a proposta mais vantajosa para a administração, que busque o desenvolvimento nacional sustentável que assegure aos interessados um regime de plena igualdade.
LEI FEDERAL Nº 8.666/93. ART. 3º: \u201cA licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos.\u201d
LEI FEDERAL Nº 13.303/2016 ESTATUTO JURÍDICO DAS EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA
\u201cArt. 31 As licitações realizadas e os contratos celebrados por empresas públicas e sociedades de economia mista destinam-se a assegurar a seleção da proposta mais vantajosa, inclusive no que se refere ao ciclo de vida do objeto, e a evitar operações em que se caracterize sobrepreço ou superfaturamento, devendo observar os princípios da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da eficiência, da probidade administrativa, da economicidade, do desenvolvimento nacional sustentável, da vinculação ao instrumento convocatório, da obtenção de competitividade e do julgamento objetivo.\u201d 
Como um procedimento obrigatório, a licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos.
Quem tem o dever de licitar:
Administração pública direita: União, estados, municípios e distrito federal
Administração pública indireta: Sociedade de economia mista, fundações públicas, empresas públicas, autarquias e consórcios públicos.
* Ministério público: também licita, mas não tem personalidade apesar de possuir liberdade para tal. 
 
 
 
 
 O QUE PODE SER LICITADO? As compras, os serviços (inclusive os serviços de publicidade), as obras, as alienações, as locações, as concessões e as permissões.
PRINCÍPIOS "COMPLEMENTARES" 
IGUALDADE X IMPESSOALIDADE
A lei permite que, desde que tenha previsão legal no edital, a vencedora da licitação seja "obrigada" a contratar a outra empresa para algum dos serviços necessários na licitação. 
LC 123/2006 ART. 42 ATÉ O 49
LEI 8.666/93 ART. 3°
MORALIDADE E PROBIDADE ADMINISTRATIVA
ART. 5 ° LXXIII CF - "qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência" 
ART. 12 L 8.429/92-"Independentemente das sanções penais, civis e administrativas previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato." 
A improbidade significa a má qualidade de uma administração, pela prática de atos que implicam o enriquecimento ilícito do agente ou em prejuízo ao erário ou, ainda, em violação aos princípios que orientam a pública administração. A moralidade é o postulado alicerce, do qual a probidade erige, trazendo para a prática a axiologia inserta no termo "moral", traduzindo aquele administrador que não se norteia pelas valorações éticas componentes da moralidade, como ímprobo, passível, de conseguinte, das sanções cabíveis a sua atuação condenável. 
VINCULAÇÃO DE INSTRUMENTO CONVOCATIVO
É quando há o convite para a participação da licitação, ou quando o edital é disponibilizado. (ART.41 e ART.54 L8.666)
 
COMPETITIVIDADE 
O princípio da ampliação da disputa norteia todo o Devido Processo Licitatório, do início ao fim, nas fases interna e externa. As normas disciplinadoras da licitação serão sempre interpretadas em favor da ampliação da disputa entre os interessados, desde que não comprometam o interesse da Administração, a finalidade e a segurança da contratação. A ampliação da disputa não significa estabelecer quaisquer condições para a disputa, mas, analisar, sempre que possível, a proporcionalidade das exigências para uma dada contratação. 
SIGILO DAS PROPOSTAS
Importante destacar que o sigilo da proposta sé existe até a data de sua regular abertura. Após a abertura do envelope da proposta, na sessão própria para tal, o seu conteúdo passa a receber, como todo o restante do processo, o tratamento de ampla publicidade, devendo ser divulgado a qualquer interessado. 
ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA AO VENCEDOR ART. 50 
A administração não pode contatar com quem não participou do processo licitatório.
"Art. 50. A Administração não poderá celebrar o contrato com preterição da ordem de classificação das propostas ou com terceiros estranhos ao procedimento licitatório, sob pena de nulidade."
PROCEDIMENTO FORMAL parágrafo único do art. 4°: 
"Art. 4o Todos quantos participem de licitação promovida pelos órgãos ou entidades a que se refere o art. 1º têm direito público subjetivo à fiel observância do pertinente procedimento estabelecido nesta lei, podendo qualquer cidadão acompanhar o seu desenvolvimento, desde que não interfira de modo a perturbar ou impedir a realização dos trabalhos.
Parágrafo único. O procedimento licitatório previsto nesta lei caracteriza ato administrativo formal, seja ele praticado em qualquer esfera da Administração Pública." 
INFORMALISMO PARA O ADMINISTRADO
Não poderá exigir que só se tenha uma forma e nem exigir que o cidadão tenha conhecimento sobre o processo administrativo. O processo não poderá ser usado como uma corrida de obstáculos. 
DINÂMICA DO PROCESSO LICITATÓRIO
1ªFASE (INTERNA)
Necessidade-objeto-autoridade competente autoriza instalação da licitação. A administração deve verificar a disponibilidade orçamentária (LOA, LDO, LPP).
Na fase interna o objeto deve ser preciso, vendo sempre o valor da futura contratação, a disponibilidade orçamentária, o valor deverá ser de determinada modalidade da licitação.
Ainda nessa fase se fixará as condições para a participação na licitação e as condições para habilitação, assim como a elaboração do edital art. 40. 
"Art. 40. O edital conterá no preâmbulo o número de ordem em série anual, o nome da repartição interessada e de seu setor, a modalidade, o regime de execução e o tipo da licitação, a menção de que será regida por esta Lei, o local, dia e hora para recebimento da documentação e proposta, bem como para início da abertura dos envelopes, e indicará, obrigatoriamente, o seguinte: ..." 
O art. 38, inc. VI da Lei nº 8.666/93 prevê que o processo administrativo de contratação pública deve ser instruído, entres outros documentos, com \u201cpareceres técnicos ou jurídicos emitidos sobre a licitação, dispensa ou inexigibilidade\u201d. O parágrafo único desse mesmo dispositivo estabelece, ainda, que \u201cas minutas de editais de licitação, bem como as dos contratos, acordos, convênios ou ajustes devem ser previamente examinadas e aprovadas por assessoria jurídica da Administração\u201d.
O ato administrativo é uma declaração do Estado sobre como agir sobre determinada ação.
****PARECER É DIFERENTE DE ATO
2ªFASE (EXTERNA) 
É nessa fase que o administrador exterioriza a sua vontade de licitar.
Art.39 L 8.666/93 
"Art. 39. Sempre que o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o limite previsto no art. 23, inciso I, alínea "c" desta Lei, o processo licitatório será iniciado, obrigatoriamente, com uma audiência pública concedida pela autoridade responsável com antecedência mínima de 15 (quinze) dias úteis da data prevista para