TREINAMENTO DE FORCA

TREINAMENTO DE FORCA


DisciplinaFundamentos do Treinamento de Força16 materiais436 seguidores
Pré-visualização3 páginas
-Volumes maiores parecem produzir melhores resultados em treinos de mmii
VARIÁVEIS PARA CONTROLE DE TREINAMENTO
INTENSIDADE
-CARGA
-AMPLITUDE
VARIÁVEIS PARA CONTROLE DO TREINAMENTO
 AMPLITUDE
Aspecto quantitativo x Aspecto qualitativo
 
 
VARIÁVEIS PARA CONTROLE DO TREINAMENTO
 AMPLITUDE
A contração do músculo a partir da posição alongada(até 30% mais),causa alongamento irregular dos sarcômeros,aumentando o potencial de ocorrência de microlesões(Mccully et al,1986 e Armstrong et al,1991)
 
 
AMPLITUDE
Maior amplitude significa maior ação muscular
Agachamento parcial x completo
Reto femoral 64% 67%
Vasto lateral 53% 86%
Vasto medial 55% 89%
Glúteo 50% 74,49%
Adutor 31% 34,59%
 Barone et al,2008
 
AMPLITUDE
Maior amplitude significa menor risco de lesão
-O agachamento completo minimiza a tendência de deslocamento anterior da tíbia em comparação com a mesa extensora e é indicado diante de lesões no LCA(Yack et al,1993)
-Os isquiotibiais atuam sinergicamente com o LCA na estabilização anterior da tíbia,durante a realização do agachamento(More et al,1993)
-O agachamento produz menor tensão no joelho que atividades consideradas seguras,como caminhada(Escamilla,2001)
-Tensão significativa entre 0º e 60º de flexão(Nissel e Ekholm,1986)
 
 
TREINAMENTO DE FORÇA
COLUNA
Granhed et al em 1988 , em um estudo no qual levantadores de peso(que levantavam cargas elevadíssimas,além de outros exercícios que utilizavam a coluna),lutadores e grupo controle,foram submetidos a exames para registrarem a incidência de dor lombar.Os dados demonstraram que levantadores de peso relataram a menor taxa(21%)quando comparados aos lutadores(59%)e o grupo controle(31%).
TREINAMENTO DE FORÇA
COLUNA
Raske e Norlin em 2002,realizaram um estudo,no qual participaram mais de 100 levantadores olímpicos e basistas,procurando registrar as taxas de lesões sofridas por estes atletas.A primeira parte do estudo foi realizada em 1995 e a segunda em 2000.O total das lesões encontradas não ultrapassou 2,6 por 1000 horas de treino e a mais comum foi na região lombar, 0,43/1000h de treino. Já com corredores as taxas de lesões chegam perto de 12,1 a cada 1000h de treinamento,dependendo do tipo de prova(Van Mechelen,1992).
 Gease
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
HIPERTENSOS
DIABETICOS
CRIANÇAS
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
CRIANÇAS
Prejudica o crescimento?
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
CRIANÇAS
 Não afeta o crescimento 
 Atividades físicas intensas estimulam o crescimento ósseo e o fortalecimento das cartilagens
 Aumenta a força e a flexibilidade
 Gentil,2005
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
CRIANÇAS
Musculatura paravertebral fraca
Crescimento da parte anterior dos corpos vertebrais
Encurtamento dos isquiotibiais
Flexão da pelve(hiperlordose)
Posturas inadequadas
 kraemer,2001
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
CRIANÇAS
O QUE FAZER?
 Fortalecimento da musculatura paravertebral
 Alongamento da musculatura posterior da coxa
 Verificar posturas corretas nos exercícios
 Prescrição semelhante a do iniciante
 kraemer,2001
CORRIDA OU BIKE?
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
HIPERTENSÃO
 Sistólica > ou igual 140mmhg
 Diastólica > ou igual 90mmhg
 Relacionado à cerca de 40% dos óbitos no país
 >sobrecarga do miocárdio,tem maior ligação com tempo de exercício do que com a carga em si
 Gease
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
HIPERTENSÃO
 Carga alta e poucas reps implicará menor trabalho cardíaco que o contrário,como ocorre nos aeróbios
 Efeito hipotensivo pós treino
 Exercícios para quadríceps implica em aumentos bem mais significativos da pressão sistólica do que exercícios para posteriores de coxa e membros superiores
 Gease
Priorizar exercícios bi ou mono-articulares?
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
 
 DIABETES
 
Dificuldade no metabolismo da glicose devido a falta ou produção insuficiente de insulina.
Nefropatia
Retinopatia
Neuropatia(úlcerações)
Disfunção sexual
Amputações
 Sociedade brasileira de diabetes,2004 
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
 
 
 DIABETES
TIPO 1\u2013GERALMENTE ACOMPANHA O NASCIMENTO
TIPO2- ADQUIRIDO
CONSIDERADA ENTRE AS 10 PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODO MUNDO(KING ET AL,1998)
DM2 ESTÁ DIRETAMENTE LIGADA À OBSIDADE E AO ACÚMULO DE GORDURA VISCERAL,SENDO NO ENTANTO,A ALTERAÇÃO DE COMPOSIÇÃO CORPORAL,UM GRANDE ALIADO NO TRATAMENTO(MOKDAD ET AL,2001) 
ADAPTAÇÃO DO TREINAMENTO AS NECESSIDADES ESPECIAIS E PORTADORES DE DISTÚRBIOS OSTEO-MIO-ARTICULARES
 
 
 DIABETES
-ATIVIDADE FÍSICA PODE DIMINUIR DE 30 A 58% O RISCO DE DESENVOLVER DIABETES(BASSUK,2005) 
 
-CAUZA ET AL EM 2005,COMPARARAM OS EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA E O TREINAMENTO DE ENDURANCE E CONCLUÍRAM UMA GRANDE VANTAGEM DO TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA DIABETES,DEVIDO NÃO SÓ O GANHO DE MASSA MUSCULAR COMO TAMBÉM A CONSEQUENTE PERDA DE GORDURA.
 
CLÍNICA PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO
REGULAGENS
PEGADAS(POSICIONAMENTO DAS MÃOS)
 
PISADAS(POSICIONAMENTO DOS PÉS)
POSTURA
TIPOS DE ESTÍMULO
METABÓLICO- Aumento de resíduos metabólicos que originará ganhos hipertróficos,ocorrendo com um número médio de reps,ênfase em fase concêntrica e pequenos intervalos de recuperação(Cossenza e Lima,2013)
TENSIONAL- Aumento da síntese protéica,devido à grande carga utilizada a qual gera um maior número de microlesões nas miofibrilas.
Utiliza-se de grandes cargas,intervalos de recuperação mais longos e grandes amplitudes de movimento(Gease)
SISTEMAS DE TREINO
TREINO ÚNICO(ALTERNADO/ISOLADO)
TREINO A/B
TREINO A/B/C
FIVE DAY/SIX DAY
2XDIA
MUSCULAÇÃO+AERÓBIO JUNTOS?
MÉTODOS DE TREINO
MÉTODOS DE TREINO SÃO FERRAMENTAS CRIADAS PARA ASSEGURAR TANTO A CONTINUIDADE DOS RESULTADOS MORFOLOGICOS / FISIOLÓGICOS QUANTO OS ASPECTOS MOTIVACIONAIS DOS INDIVÍDUOS NO TREINAMENTO.
MÉTODOS DE TREINO
-ABORDAGEM DOS PRINCIPAIS E MAIS UTILIZADOS MÉTODOS DE MUSCULAÇÃO SEGUNDO UMA VARIEDADE DE AUTORES,COMO,BITTENCOURT,FLECK E KRAEMER,GODOY,GENTIL,COSSENZA, UCHIDA ET AL,VIEIRA,DENTRE OUTROS.
MÉTODOS DE TREINO
CONVENCIONAL-TREINO ÚNICO
FRACIONADO-SÉRIE DIVIDIDA(ECONÔMIA DE TEMPO)
ALTERNADO POR SEGMENTO-EVITA FADIGA
SÉRIE SIMPLES- 1 SÉRIE