Direito Empresarial
3 pág.

Direito Empresarial


DisciplinaDireito Empresarial I21.169 materiais91.640 seguidores
Pré-visualização1 página
Abstract - Direito Empresarial \u2013 2º Bimestre \u2013 2015
Agentes Auxiliares do Empresário:
São todas as pessoas subordinadas (funcionários) ao empresário e que contribuem com seus serviços para se alcançar a finalidade da empresa (alcançar lucro), de forma direta (contrato/vínculo empregatício) ou indireta (terceirizado/prestação de serviços).
Agem em prol da empresa, não assumem os riscos da atividade.
Preposto: é a pessoa que substitui/representa o empresário no exercício de suas atividades/negócios, em razão de contrato de trabalho ou prestação de serviços. Recebe poderes de representação, as ordens recebidas têm caráter personalíssimo, não podem fazer concorrência com o empresário, salvo se autorizado. Teoria da aparência: todas as informações prestadas pelo preposto, compromissos assumidos DENTRO, do estabelecimento empresarial, obrigarão o empresário, ainda que o mesmo não tenha autorizado por escrito, se FORA do estabelecimento, apenas o obrigarão quando por escrito. Os atos do preposto que causarem prejuízo a 3º, com CULPA, tem o dever de indenizar o empresário, DOLO, responde perante o 3º junto com o empresário. Os poderes são amplos, podem ser limitados por escrito, produz eficácia perante 3º e arquivado o ato na Junta Comercial.
Contabilista: responsável pela escrituração dos livros empresariais, agente obrigatório.
Auxiliares dependentes (Internos): mantém vínculo empregatício, subordinados e agem em nome do empresário. Ex: Gerentes, contadores e outros funcionários.
Auxiliares dependentes (Externos): prestam serviços ao empresário fora do estabelecimento. Ex: Viajantes, vendedores externos.
O empresário é responsável pelos atos praticados pelos seus auxiliares internos e externos.
Auxiliares independentes: não possuem vínculo empregatício e de subordinação com o empresário. São autônomos (agem em nome próprio). Características: exercem ofício público, gozam de fé e são impedidos de exercerem atividade empresarial.
Espécies: corretores, representantes comerciais, leiloeiros, tradutores e os intérpretes públicos, trapicheiros e administrador de armazéns gerais.
Escrituração Empresarial
Livros Obrigatórios: Comuns (todos) \u2013 Diário; Especiais: por categoria;
Livros Facultativos: Facultativos \u2013 Livro Razão e Livro Caixa
Livros Fiscais: SPED (Sistema Público de Escrituração Digital)
Estabelecimento Empresarial: Complexo de bens organizados para o exercício da empresa, por empresário, ou por sociedade empresária. Ainda, conjunto de bens (materiais e imateriais) organizados pelo empresário ou sociedade empresária para o exercício da atividade empresarial. Faz parte do patrimônio do empresário, não estando necessariamente resumido ao seu estabelecimento, pois é possível que existam outros elementos para o comporem. Elementos Materiais (EM) + Elementos Imateriais (EI) + Elementos Pessoais (EP).
Aviamento e Clientela: não são bens do estabelecimento e sim atributos dele. São os resultados da aplicação dos bens que compõem o estabelecimento.
Ponto Empresarial: como forma de proteger os empresários localizados em imóveis alheios mediante locação, o legislador criou normas. Duas garantias básicas: o contrato a ser renovado deve ter sido preenchido por escrito e por prazo determinado; o prazo mínimo do contrato a ser renovado ou a soma dos prazos dos contratos deve ser de no mínimo 5 anos.
Alienação do Estabelecimento Empresarial \u2013 o Trespasse: operação pela qual um empresário ou uma sociedade empresária vende a outro o seu estabelecimento comercial, ficando o comprador responsável pela condução dos negócios. O objeto do trespasse é a universalidade de bens materiais e imateriais que compõem o estabelecimento.
Comércio Eletrônico: são atos de circulação de bens, prestação ou intermediação de serviços por via eletrônica, normalmente via internet. São 3 os estabelecimentos virtuais: C2C (consumer to consumer) negócios realizados entre os próprios consumidores; B2B (business to business) os internautas consumidores são também empresários; B2C (business to consumer) os internautas são consumidores (aplica-se o Direito do Consumidor, art. 2º CDC).
Nome Empresarial: 2º o CC/02, o nome civil ou empresarial é a manifestação de um direito de personalidade. Não é objeto de alienação.
Conceito: é o elemento de identificação do empresário no exercício da atividade empresarial. Difere-se: a) Marca (produtos e serviços); b) Nome do domínio (site); c) Título do estabelecimento (ponto) Ex: Banco Bradesco S/A \u2013 Bradesco.
Espécies: a) Firma: individual ou social (razão social); b) Denominação: nome fantasia ou inventado.
	Espécie
	Estrutura
	Função
	Firma
	Sempre terá como base o nome civil do empresário ou da sociedade empresarial
	Além de identificar o empresário é também sua assinatura
	Denominação
	A essência do nome será o ramo de atividade desenvolvido e poderá combinar com o nome civil
	Apenas identifica o empresário
Firma e estrutura: a) o nome empresarial pode ser por extenso ou abreviado e poderá combinar com o ramo de atividade; b) empresário individual apenas utiliza firma. Ex: J.B. Pinto, J.B Pinto Produtos Eróticos; c) Sociedade: o nome dos sócios compõe o nome empresarial e poderá ser omitido o nome de um ou vários sócios. Neste caso, se utiliza a expressão: \u201c& Cia\u201d ou Companhia.
Firma e função: o empresário e a sociedade empresária que adotar firma ao se obrigar juridicamente, deverá assinar o respectivo instrumento com o nome empresarial e não o nome civil. Ex: João Black, Produtos Eróticos (assinatura); Black Brown LTDA (assinatura).
Formação do Nome Empresarial
	Espécie de nome
	Composição
	Quem utiliza
	Firma individual
	Nome civil do empresário
	Empresário individual
	Firma Social
	Nome de um ou vários sócios
	Sociedade em nome coletivo, sociedade em comandita simples, sociedade em comandita por ações, sociedade limitada (LTDA)
	Denominação
	Ramo de Atividade
	Sociedade Limitada (LTDA), sociedade em comandita por ações, sociedade anônima (S/A).
Princípios norteadores do registro do nome empresarial:
Princípio da Veracidade: o nome empresarial não pode induzir ao erro quem irá contratar com o empresário ou sociedade.
Princípio da Novidade: exige que o nome seja registrado na Junta Comercial seja diferente dos nomes empresariais já registrados.
Alteração do Nome empresarial: quando o nome empresarial for fundado em nome civil, são causas obrigatórias de alteração.
Saída, retirada, exclusão ou morte de sócio cujo nome civil constava na firma social;
Alteração da categoria dos sócios quanto à responsabilidade pelas obrigações sociais, se o nome civil dele integrava o nome empresarial. Ex: Na Sociedade em Comandita Simples, quando o Comanditado (responsabilidade ilimitada) passa a ser comanditário (responsabilidade limitada);
Alienação do estabelecimento por ato entre vivos: o empresário individual ou a sociedade empresária não podem alienar o nome empresarial;
Casos que envolvam a transformação do tipo da sociedade. Ex: Limitada (LTDA) passa a ser Sociedade Anônima (S/A). \u2013 transformação.
Nos casos de lesão ao direito de outro empresário.
Proteção ao nome empresarial
Interesse na preservação da clientela: atributo do estabelecimento e não conjunto de bens dele, não faz parte do patrimônio do empresário;
Interesse da preservação do crédito: (evitar calote), nome na praça (manter em alta)