Roteiro Completo de Bioquímica
43 pág.

Roteiro Completo de Bioquímica


DisciplinaBioquímica I44.991 materiais1.091.621 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Quanto mais 
tempo o 
alimento fica na 
boca mais a 
ptialina vai a 
atuar 
INTESTINO 
DUODENO 
JEJUNO 
Secreta enzima que 
estimula o pâncreas a 
produzir bicarbonato 
 
Aumenta o PH do bolo 
alimentar para que a 
amilase pancreática seja 
ativada 
 
AMILASE PANCREÁTICA 
 
Atua sobre os oligo e 
polissacarídeos de maneira 
inespecífica e aleatoria 
Inibição da DISSACARIDOSE 
Atuação especifica sobre os 
dissacarídeos 
Três importantes 
 
Sacarase 
Isomaltase 
Lactase 
Sacarose 
 
Maltose 
 
Lactose 
 
MONO 
Glicose 
 
Frutose 
 
Glicose 
 
Glicose 
 
Glicose 
 
Galactose
 
Transporte ativo 
secundário 
Fim da 
digestão 
Eritrócito 
Glut5 
Glicose aclopada ao NA+ 
Glicose + NA 
K 
 
glicose 
frutose 
frutose 
K 
CELULA 
Glut 
24 
 
9. VIA GLICOLITICA 
9.1. Conceito 
Sequência metabólica composta por um conjunto de dez reações catalizadas por 
enzimas livres no citosol, na qual a glicose é oxidada produzindo duas moléculas de piruvato. 
É uma via Hipoglicemiante. 
9.2. Importância 
A glicólise é uma das principais rotas para geração de ATP nas células e está presente 
em todos os tipos de tecidos. 
A importância da glicólise em nossa economia energética é relacionada com a 
disponibilidade de glicose no sangue, assim como com a habilidade da glicose 
gerar ATP tanto na presença quanto na ausência de oxigênio. 
9.3. Função 
Degradação da glicose 
Produção de ATP 
Produção de substrato para o metabolismo intermediário. 
9.4. Localização 
Citoplasma celular único ambiente capaz de degradar a glicose. 
9.5. Estrutura 
9.5.1. Primeira fase 
A primeira fase da VG é importante pois ativa a glicose formando Glicose-6-P 
impermeabilizando ela a membrana celular, esta fase consome 2 ATP\u2019s. 
9.5.2. Segunda fase 
A segunda fase da VG produz ATP, NADH2 e H2O, é contada duas vezes, pois inicia 
com dois produtos da primeira fase. Tem como produto final o Piruvato e pode iniciar via 
anaeróbica e via aeróbica. 
25 
 
9.6. Reações 
9.6.1. Consumo de ATP 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
9.6.2. Produção de ATP 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
célula 
Glicose 
sangue 
glicose Glicose 6P Frutose 6P Frutose 1,6 bifosfato 
gliceraldeido Hidroxicetona P 
ATP 
ADP 
ATP 
ADP 
 Irreversível 
Enzima 
hexoquinase 
No fígado 
glicoquinase 
Ocorre isomeria 
Enzima 
fosfoglicoseisome
rase 
Facilita a quebra 
da molécula 
Irreversível 
Enzima fosfofrutoquinase (FFK) 
enzima marca passo alosterica-inibe 
+ATP;+AMP;+CITRATO 
hormonal- inibe glucagon 
aldolase 
Fosfotriaseisomerase 
O gliceraldeido se transforma em hidroxicetona-P 
se transformando em um reservatório , o 
gliceraldeido demora para degradar por isso tem 
que ser aos poucos 
Quando tem muito glicose 6P a 
hexoquinase é inibida porque ocorre o 
aumento da frutose 
A partir daqui se conta duas 
vezes o produto 
Enzima G-3-P Desidrogenase 
Enzima quinase 
Enzima mutose 
Reação irreversível 
Enzima piruvatoquinase (PR) 
H2O 
2X 
2X 
2X 
26 
 
9.7. Via aeróbica 
O produto final é CK,Co2, CR,H2O e ATP O2é consumido., nesta via o Nadh é contado 
ele aciona a CR. Do piruvato para o Accetil-coa a reação é irreversível , a enzima é 
piruvatodesidrogenase , é produzido Nadh e Co2. 
9.8. Via anaeróbica 
O produto final é Lactato . Nesta via o Nadh produzido no gliceraldeido 3P não é 
contado como fonte de energia pois vai ser utilizado na transformação de piruvato para lactato 
a enzima responsável é lactato desidrogenase (LHS). 
9.9. Contagem 
Para uma molécula de glicose 
 Anaeróbica Aeróbica 
ATP\u2019S consumidos 02 02 
ATP\u2019S produzidos 04 40 
Balanço energético 02 38 
Numero ATP\u2019s (substrato) 04 06 
Numero de NADH produzido 02 10 
Numero de FADH produzido 00 02 
CR aciona 00 12 
CK aciona 00 02 
Produção de H2O 02 14 
Produção de Co2 00 06 
Consumo 02 00 06 
 
 
 
 
27 
 
10. METABOLISMO DO GLICOGÊNIO 
10.1. Conceito 
Reserva limitada de glicose. Cadeia ramificada em forma helicoidal, localizada no 
citoplasma celular. 
10.2. Função 
Fonte de glicose quando o período de jejum é prolongado 
10.3. Importância 
Controla o nível de glicose sanguínea. 
Glicogênio Hepático- responsável por manter a glicemia em todas as células. 
Glicogênio Muscular- o glicogênio produzido é para consumo próprio. 
10.4. Localização 
Ocorre no fígado onde temos o período absortivo e pós \u2013absortivo. 
E no tecido muscular onde temos o período de atividade (pós-absortivo) e o período de 
repouso (absortivo). 
10.5. Síntese de glicogênio- glicogênese 
Via hipoglicemiante responsável pela síntese de glicogênio cadeia ramificada em forma 
helicoidal. 
A síntese de glicogênio se faz com a incorporação de unidades de glicoses sobre 
\u201cresíduos\u201d de glicogênio (ou primer) pré-existente na célula. Tem inicio na G-6-P.Via 
Anabolica. 
10.5.1. Estrutura 
Inicia na G-6-P, através da enzima fosfoglicomutase forma G-1-P, sendo esta reação 
reversível. Para uma nova ativação ela recebe um UDP formando UDPG e PPi através da 
ação da enzima UDPG-Pirofosforilase. A UDPG esta ativada e portanto liga-se ao Pirmer 
sendo catalisada pela enzima glicogênio sintetase (masca passo). Esta ligação é 1-4 e libera 
28 
 
UDP. Estas ligações vão sendo feitas prolongando a cadeia de glicogênio, com o auxilio de 
uma enzima ramificadora vai transferindo unidades de glicose para um ponto de ramificação 
formando uma ligação de 1-6 tornando a cadeia mais estável. 
10.5.2. Regulação 
A glicogênese é ativada alostericamente pelo aumento da glicose do ATP e da G-6-P no 
metabolismo, que envia um sinal de ativação para glicogênio sintetase, por ser uma via 
hipoglicemiante é ativada pela presença do hormônio hipoglicemiante Insulina. 
Esta via é inibida pela hormônio Glucagon por ser um hormônio hiperglicemiante e 
alostericamente é inibida pela falta de Glicose, ATP, e G-6-P. 
10.6. Degradação do glicogênio- glicogenolise 
Via Hiperglicemiante responsável pela degradação do glicogênio, a medida que a célula 
requisite de seus depósitos de glicogênio ocorre a degradação do glicogênio. Via Catabolíca. 
10.6.1. Estrutura 
O glicogenoliso ocorre em três etapas. 
1º Utilizando uma enzima que libere os resíduos de glicose 1,P enzima glicogênio 
fosfatase enzima marca passo da via. 
2º Quando sobra 3 resíduos alem do principal, ela pega os 3 resíduos e joga para a 
cadeia principal enzima trasferase e libera um fosfato. 
3º Para tirar o resíduo desramificação (pato remanescente- ligação muito forte) é preciso 
uma enzima desramificadora. 
A enzima desramificadora junto com a transferaseliberam 90% de G.1P e 10% glicose. 
A G.1.P é revertida pela enzima G.6 fosfatase voltando a ser glicose , que volta para o 
sangue. 
 
 
29 
 
10.6.2. Regulação 
A glicogenolise é ativada alostericamente pela ausência de Glicose, ATP e G-6-P, que 
envia um sinal de ativação para a enzima glicogênio fosforilase (marca passo). Por ser uma 
via hiperglicemiante ela é ativada na presença do glucagon e da adrenalina (tecido muscular) 
e inibida pela presença da insulina. 
10.7. Metabolismo do glicogênio 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
11. GLICONEOGENESE 
11.1. Conceito 
A gliconeogênese é um termo usado para incluir o conjunto de processos pelos quais o 
organismopode converter substâncias não glicídicas (como aminoácidos, lactato, piruvato, 
glicerol) em glicose ou glicogénio.