simulados do quinto período letras-Inglês
113 pág.

simulados do quinto período letras-Inglês


DisciplinaEnsino e Aprendizagem de Inglês com Língua Estrangeira203 materiais619 seguidores
Pré-visualização33 páginas
como se fosse inspiração ou motivo.
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201301041093)
	Pontos: 1,0  / 1,0
	Leia o texto:
Décio pignatari [20.08.1927, São Paulo SP]- Poeta, ensaísta, tradutor, contista, romancista, dramaturgo, publicitário e professor, nasce em Jundiaí, São Paulo, filho de imigrantes italianos, mas cedo transfere-se para Osasco, onde mora até os 25 anos. Publica seus primeiros poemas na Revista Brasileira de Poesia, em 1949. No ano seguinte, estréia com o livro de poemas, Carrossel, e, em 1952, funda o grupo e edita a revista-livro Noigandres, com os amigos, os poetas irmãos Haroldo de Campos (1929 - 2003) e Augusto de Campos (1931). Em 1953 forma-se em direito pela Universidade de São Paulo - USP - e em seguida viaja para a Europa, onde passa dois anos, mantendo contatos com diversos intelectuais. /.../ Além de escritor, faz pesquisas na área de semiótica: em 1969, ajuda a fundar a Association Internationale de Sémiotique - AIS -, na França, e, em 1975, participa do lançamento da Associação Brasileira de Semiótica - ABS. Em 1999, muda-se para Curitiba.
Esse texto apresenta, junto às informações sobre a carreira do poeta, dados que nos permitem reconstituir sua vida. Esse último tipo de informação permite que se faça uma crítica ao poeta e a sua obra, denominada:
		
	
	literária
	
	poética
	 
	biográfica
	
	lírica
	
	vanguardista
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201301039338)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	   
Na década de 1970, não era raro encontrar em portas de bares, teatros e cinemas de grandes cidades brasileiras alguns poetas vendendo seus livros, em geral produzidos com parcos recursos gráficos. Essa expressão poética brasileira tinha como poetas: Ana Cristina Cesar, Paulo Leminski, Chacal, Francisco Alvim e Cacaso. Esse grupo fundou em 1970 a Poesia Marginal, movimento cultural,  criado num momento de exceção no país", afirma o carioca Ricardo Carvalho Duarte, ou simplesmente Chacal. Esse momento de exceção diz respeito à ditadura militar vigente no país a partir de 1964, e que teve sua fase mais contundente no mesmo período em que os poetas marginais escancaravam ao público suas diferentes vozes literárias, muitas vezes dissonantes entre si.Eram cabeludos, universitários e poetas. Imprimiam seus livros em pequenas gráficas ou mesmo em casa, num mimeógrafo - uma velha máquina à base de álcool e papel carbono (nas escolas, quase todas as provas eram mimeografadas).Os livros tinham, assim, um caráter artesanal, sendo às vezes grampeados, ou simplesmente dobrados e colocados em envelopes. Isso era o menos importante. O que esses poetas queriam mesmo era que a poesia feita por eles chegasse logo às mãos do leitor.  Vários representantes dessa vertente foram poetas originais, porque seus trabalhos foram instigantes, privilegiando a coloquialidade e a objetividade dentro de um modelo enxuto de expressão. (texto adaptado do ensaio "De mão em mão: a poesia marginal dos anos 70", de Heitor Ferraz Mello).
O texto acima caracteriza os poetas marginais e a sua poesia. Segundo o texto, escolha a opção que contenha o objetivo mais importante do grupo:
		
	
	criar um movimento poético em um momento de exceção na história política do país.
	
	imprimir seus livros em pequenas gráficas ou mesmo em casa, num mimeógrafo.
	 
	fazer com que a poesia produzida por eles chegasse rapidamente às mãos do leitor.
	 
	vender seus livros para conseguir lucro, produzindo-os com parcos recursos gráficos.
	
	criar um movimento poético marcado pela exaltação ao país e às suas glórias.
		 Gabarito Comentado.
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201301067096)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	O texto a seguir foi extraído de uma matéria sobre o artista brasileiro Hélio Oiticica (1937-1980), ¿sinônimo de arte experimental de primeiríssima qualidade¿. Leia-o para responder à questão: 
 
 
Marginal ao mercado de arte, Oiticica pouco vendeu quando vivo. Se essa situação causou desconforto à existência material do artista, foi benéfica para a sobrevida de seu trabalho. Sem dinheiro para executar tudo o que imaginava, registrou em anotações precisas o que criava, garantindo a possibilidade de as obras serem executadas no futuro, em condições mais favoráveis, mesmo em sua ausência, (...)
 Cuidados premonitórios. Essas instruções manuscritas em infindáveis cadernos e datilografadas em milhares de páginas avulsas, garantiram a perenidade de sua obra, materialmente muito frágil. Hélio não usou mármore. Usou algo mais durável: a palavra, a ideia. Esses cadernos e anotações são fontes inestimáveis para historiadores e curadores. São incontornáveis pontos de partida para exposições que estão trazendo para o mundo das coisas e para o público o que era até então impalpável e restrito ao mundo das ideias.(Angélica de Moraes, ¿A dimensão do marginal¿. Revista Bravo! Ano 6, nº 6, p. 46)
 De acordo com o texto é possível afirmar que Hélio Oiticica:
 
		
	
	garantiu a sobrevivência de suas ideias, escrevendo para seus seguidores orientações precisas sobre o modo como deviam tratar sua obra, que era muito frágil.
	
	tinha dons premonitórios e por isso, ao sentir a proximidade da morte, preocupou-se em escrever instruções precisas sobre o destino que se deveria das a suas obras.
	 
	foi um marginal com grandes dotes artísticos, que não vendeu obras porque apenas as imaginou, sem concretizá-las.
	
	trabalhava com materiais mais frágeis do que o mármore, por isso só chegam até nos textos que ele escreveu sobre sua obra.
	 
	não tinha recursos para produzir todas as obras que imaginava, por isso fez anotações que, posteriormente, permitiram que suas ideias fossem concretizadas e apresentadas ao público.
		
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201301037021)
	Pontos: 1,0  / 1,0
	Sobre a relação arte e identidade, podemos afirmar que as manifestações artísticas:
		
	 
	são capazes de criar ou alterar aspectos das identidades nacionais ou regionais de um povo
	
	não representam a identidade de um povo, exprime somente a subjetividade do artista
	
	surgem espontaneamente a partir da identidade de um povo, mas não a alteram significativamente
	
	são decorrentes das identidades já consolidadas, pois o artista não acrescentos elementos à nacionalidade.
	
	não interferem decisivamente na construção das identidades nacionais ou regionais
		
	
	
	 7a Questão (Ref.: 201301027585)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	Observe a seguinte declaração sobre o Pré-Modernismo:
"Creio que se pode chamar pré-modernismo (no sentido forte de premonição dos temas vistos em 22) tudo o que, nas primeiras décadas do século, problematiza a nossa realidade social e cultural.\u201d (BOSI, Alfredo, História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 306.)
Atente agora para o que se afirma a respeito de algumas obras e autores brasileiros e assinale a alternativa cujo conteúdo NÃO contempla a síntese crítica de Alfredo Bosi:
 
 
		
	 
	Lima Barreto expressou sempre o inconformismo face às injustiças sociais e, na obra Triste fim de Policarpo Quaresma, construiu uma imagem caricata do Brasil com todas as suas contradições.
	
	Mário e Oswald de Andrade notabilizaram-se como os grandes líderes da revolução de 22 e, portanto, do processo de ruptura em relação à tradição intelectual, libertando a literatura brasileira da \u201ccalmaria\u201d em que se encontrava.
	
	Monteiro Lobato imortalizou o personagem Jeca Tatu, transformando-o no símbolo do caipira subdesenvolvido que vive na indolência e pratica sempre a \u201clei do menor esforço\u201d.
	 
	Um dos grandes temas de Os Sertões é a denúncia que Euclides da Cunha faz sobre o crime que a nação cometeu contra si própria na Guerra dos Canudos.
	
	Em Os Sertões, Euclides da Cunha opõe o homem do sertão ao homem do litoral, acentuando-lhes as diferenças econômicas e socioculturais.