Penal - Codigo Penal Brasileiro - Biblioteca do Exilado

Penal - Codigo Penal Brasileiro - Biblioteca do Exilado


DisciplinaDireito Penal I63.217 materiais1.030.220 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de 26-9-1995.
Invólucro ou recipiente com falsa indicação
Art. 275. Inculcar, em invólucro ou recipiente de produtos alimentícios, terapêuticos ou medicinais, a existência de substância que não se encontra em seu conteúdo ou que nele existe em quantidade menor que a mencionada:
Pena \u2013 reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
\u2022\u2022 Artigo com redação determinada pela Lei n. 9.677, de 2-7-1998.
\u2022
Vide art. 63 do CDC (Lei n. 8.078, de 11-9-1990).
\u2022
Vide art. 7.º, IV, d, da Lei n. 8.137, de 27-12-1990.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Produto ou substância nas condições dos dois artigos anteriores
Art. 276. Vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, entregar a consumo produto nas condições dos arts. 274 e 275:
Pena \u2013 reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
\u2022\u2022 Pena determinada pela Lei n. 9.677, de 2-7-1998.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Substância destinada à falsificação
Art. 277. Vender, expor à venda, ter em depósito ou ceder substância destinada à falsificação de produtos alimentícios, terapêuticos ou medicinais:
Pena \u2013 reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
\u2022\u2022 Artigo com redação determinada pela Lei n. 9.677, de 2-7-1998.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Outras substâncias nocivas à saúde pública
Art. 278. Fabricar, vender, expor à venda, ter em depósito para vender ou, de qualquer forma, entregar a consumo coisa ou substância nociva à saúde, ainda que não destinada à alimentação ou a fim medicinal:
Pena \u2013 detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
\u2022 Dispõe o art. 1.º, caput, da Lei n. 10.357, de 27-12-2001, regulamentada pelo Decreto n. 4.262, de 10-6-2002: "Estão sujeitos a controle e fiscalização, na forma prevista nesta Lei, em sua fabricação, produção, armazenamento, transformação, embalagem, compra, venda, comercialização, aquisição, posse, doação, empréstimo, permuta, remessa, transporte, distribuição, importação, exportação, reexportação, cessão, reaproveitamento, reciclagem, transferência e utilização, todos os produtos químicos que possam ser utilizados como insumo na elaboração de substâncias entorpecentes, psicotrópicas ou que determinem dependência física ou psíquica".
Modalidade culposa
Parágrafo único. Se o crime é culposo:
Pena \u2013 detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano.
Substância avariada
Art. 279. (Revogado pela Lei n. 8.137, de 27-12-1990.)
Medicamento em desacordo com receita médica
Art. 280. Fornecer substância medicinal em desacordo com receita médica:
Pena \u2013 detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Modalidade culposa
Parágrafo único. Se o crime é culposo:
Pena \u2013 detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano.
Art. 281. (Revogado pela Lei n. 6.368, de 21-10-1976.)
Exercício ilegal da medicina, arte dentária ou farmacêutica
Art. 282. Exercer, ainda que a título gratuito, a profissão de médico, dentista ou farmacêutico, sem autorização legal ou excedendo-lhe os limites:
Pena \u2013 detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.
\u2022
Vide arts. 61 e 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Parágrafo único. Se o crime é praticado com o fim de lucro, aplica-se também multa.
Charlatanismo
Art. 283. Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível:
Pena \u2013 detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.
\u2022
Vide arts. 61 e 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Curandeirismo
Art. 284. Exercer o curandeirismo:
I \u2013 prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância;
II \u2013 usando gestos, palavras ou qualquer outro meio;
III \u2013 fazendo diagnósticos:
Pena \u2013 detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.
\u2022
Vide arts. 61 e 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Parágrafo único. Se o crime é praticado mediante remuneração, o agente fica também sujeito à multa.
Forma qualificada
Art. 285. Aplica-se o disposto no art. 258 aos crimes previstos neste Capítulo, salvo quanto ao definido no art. 267.
\u2022\u2022
Vide art. 1.º, III, j, da Lei n. 7.960, de 21-12-1989.
\u2022\u2022
Vide arts. 1.º e 9.º da Lei n. 8.072, de 25-7-1990.
TÍTULO IX
 DOS CRIMES CONTRA
 A PAZ PÚBLICA
Incitação ao crime
Art. 286. Incitar, publicamente, a prática de crime:
Pena \u2013 detenção, de 3 (três) a 6 (seis) meses, ou multa.
\u2022
Vide arts. 61 e 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
\u2022
Vide art. 33, §§ 2.º e 3.º, da Lei n. 11.343, de 23-8-2006.
Apologia de crime ou criminoso
Art. 287. Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime:
Pena \u2013 detenção, de 3 (três) a 6 (seis) meses, ou multa.
\u2022
Vide arts. 61 e 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Quadrilha ou bando
Art. 288. Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes:
Pena \u2013 reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.
\u2022
Vide art. 89 da Lei n. 9.099, de 26-9-1995.
Parágrafo único. A pena aplica-se em dobro, se a quadrilha ou bando é armado.
\u2022\u2022
Vide art. 1.º, III, l, da Lei n. 7.960, de 21-12-1989.
\u2022\u2022
Vide arts. 1.º, 8.º e 9.º da Lei n. 8.072, de 25-7-1990.
\u2022
Vide art. 159, § 1.º, do CP.
\u2022
Vide art. 25, § 2.º, da Lei n. 7.492, de 16-6-1986 (Crimes contra o Sistema Financeiro).
\u2022
Vide art. 16, parágrafo único, da Lei n. 8.137, de 27-12-1990 (Crimes contra a Ordem Econômica e Tributária).
\u2022
Vide art. 35 da Lei n. 11.343, de 23-8-2006.
TÍTULO X
 DOS CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA
CAPÍTULO I
 DA MOEDA FALSA
Moeda falsa
Art. 289. Falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-moeda de curso legal no país ou no estrangeiro:
\u2022
Vide Súmula 73 do STJ.
Pena \u2013 reclusão, de 3 (três) a 12 (doze) anos, e multa.
§ 1.º Nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa.
§ 2.º Quem, tendo recebido de boa-fé, como verdadeira, moeda falsa ou alterada, a restitui à circulação, depois de conhecer a falsidade, é punido com detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.
§ 3.º É punido com reclusão, de 3 (três) a 15 (quinze) anos, e multa, o funcionário público ou diretor, gerente, ou fiscal de banco de emissão que fabrica, emite ou autoriza a fabricação ou emissão:
I \u2013 de moeda com título ou peso inferior ao determinado em lei;
II \u2013 de papel-moeda em quantidade superior à autorizada.
§ 4.º Nas mesmas penas incorre quem desvia e faz circular moeda, cuja circulação não estava ainda autorizada.
Crimes assimilados ao de moeda falsa
Art. 290. Formar cédula, nota ou bilhete representativo de moeda com fragmentos de cédulas, notas ou bilhetes verdadeiros; suprimir, em nota, cédula ou bilhete recolhidos, para o fim de restituí-los à circulação, sinal indicativo de sua inutilização; restituir à circulação cédula, nota ou bilhete em tais condições, ou já recolhidos para o fim de inutilização:
Pena \u2013 reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa.
Parágrafo único. O máximo da reclusão é elevado a 12 (doze) anos e o da multa a Cr$ 40.000 (quarenta mil cruzeiros), se o crime é cometido por funcionário que trabalha na repartição onde o dinheiro se achava recolhido, ou nela tem fácil ingresso, em razão do cargo.
\u2022\u2022
Vide Lei n. 7.209, de 11-7-1984, art. 2.º, que determina o cancelamento de quaisquer referências a valores de multa.
Petrechos para falsificação de moeda
Art. 291. Fabricar, adquirir, fornecer, a título oneroso ou gratuito, possuir ou guardar maquinismo, aparelho, instrumento ou qualquer objeto especialmente destinado à falsificação de moeda:
Pena \u2013 reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.
Emissão de título ao portador sem permissão legal
Art. 292. Emitir, sem permissão legal, nota, bilhete, ficha, vale ou título que contenha promessa de pagamento em dinheiro ao portador ou a que falte indicação do nome da pessoa a quem deva