Aula 3

Aula 3


DisciplinaFisiologia do Exercício9.264 materiais295.687 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Hormônios e exercício
O hipotálamo e a glândula hipófise funcionam, de modo coordenado, para orquestrar os sistemas endócrinos. 
Relação Hipotálamo-hipófise
Controle da Secreção Hipofisária
 Controlada por sinais hormonais ou neurônios provenientes do hipotálamo;
 Hipófise posterior \u2013 controlada por neurônios
- Hipófise anterior \u2013 controlada por hormônios hipotalâmicos de liberação ou inibição.
Hormônios hipotalâmicos relacionados a hipófise posterior
1 \u2013 Ocitocina;
2 \u2013 Hormômio antidiurético ou vasopressiva
Hormônios hipotalâmicos relacionados a hipófise anterior
 Hormônios hipotalâmicos que controlam a liberação ou inibição dos hormônios hipofisários.
1- hormônio de liberação de tireotropina (TRH)
2- hormônio de liberação de corticotropina (CRH)
3- hormônio de liberação do hormônio do crescimento (GHRH)
4- hormônio de inibição do hormônio do crescimento (somatostatina) 
5- hormônio de liberação das gonadotropinas (GnRH)
6- hormônio de inibição da prolactina (PIH)
	 
Hormônios hipotalâmicos relacionados a hipófise anterior
1- TRH \u2192 Hormônio estimulante da tireoide (TSH) 
2- CRH \u2192 Hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) 
3- GHRH \u2192 Hormônio do crescimento (GH)
4- GnRH \u2192 hormônio folículo estimulante (FSH) e o hormônio luteinizante (LH)
6- PIH \u2192 inibe a produção de prolactina
	 
Hormônios hipotalâmicos relacionados a hipófise anterior
1- TRH \u2192 TSH \u2192 hormônios tireóideos 
2- CRH \u2192 ACTH \u2192 cortisol e aldosterona 
3- GHRH \u2192 GH \u2192 somatomedinas (IGF-1)
4- GnRH \u2192 FSH e LH \u2192 estrogênio nos ovários e maturação do esperma nos testículos; síntese de estrogênio e progesterona nos ovários e testosterona nos testículos. 
6- PIH \u2192 Inibir a produção de prolactina \u2192 inibi a produção de leite
	 
Controle do 
volume corporal
Controle da 
osmolaridade corporal
Video
Após a queda inicial, o volume plasmático permanece relativamente constante durante o exercício
Após um aumento inicial, a osmolaridade pasmática permanece relativamente constante durante o exercício
Gráfico1
		28
		22.2
		15
		10
		3
		8
		4
		6
		12
		9
		5
		9
		38
		8
		11
		14
		10
		12
		14
		9
		5
		10
		8
		19
		27.7
Exercício
Horas
GH (ng/mL)
Plan1
		0		28
		1		22.2
		2.2		15
		3		10
		4		3
		5		8
		6		4
		7		6
		8		12
		9		9
		10		5
		11		9
		12		38
		13		8
		14		11
		15		14
		16		10
		17		12
		18		14
		19		9
		20		5
		21		10
		22		8
		23		19
		24		27.7
Gráfico2
		100
		110
		125
		160
		219
		245
		219
		168
		130
		100
		80
		60
		50
		48
		55
		65
		80
		95
		100
		100
		100
		100
		100
		100
		100
		100
Exercício
Tempo (Hs)
T3 (ng/dL)
Gráfico4
		100		100
		74.2		98.8
		70		90.8
		70		80
		70		74.5
		70		71
		70		71
Ingesta Calórica
Taxa Metabólica
Semanas
% Basal
Plan2
		0		100						Ingesta Calórica		Taxa Metabólica
		0.2		110				0		100		100
		0.4		125				1		74.2		98.8
		0.6		160				2		70		90.8
		0.8		219				3		70		80
		1		245				4		70		74.5
		1.28		219				5		70		71
		1.4		168				6		70		71
		1.6		130
		1.8		100
		2		80
		2.2		60
		2.4		50
		2.6		48
		2.8		55
		3		65
		3.2		80
		3.4		95
		3.6		100
		3.8		100
		4		100
		4.2		100
		4.4		100
		4.6		100
		4.8		100
		5		100
Gráfico5
		0.4		0.1
		0.57		0.15
		0.74		0.2
		1.1		0.25
		1.76		0.3
		2.5		0.5
Noradrenalina
Adrenalina
% VO2max
Catecolaminas (ng/mL)
Plan3
				Noradrenalina		Adrenalina
		0		0.4		0.1
		20		0.57		0.15
		40		0.74		0.2
		60		1.1		0.25
		80		1.76		0.3
		100		2.5		0.5
Gráfico6
		110		125
		95		190
		105		200
		125		200
		140		204
		140		210
		138		209
		135		220
Treinado
Destreinado
Tempo (min)
Glucagon Plasmático (pg/mL)
Gráfico7
		17		15.8
		13.5		14
		13		10
		12.8		9.7
		12.5		9.5
		12.1		8
		12		7.2
		11.8		6.5
Treinado
Destreinado
Tempo (min)
Insulina (uunidades/mL)
Gráfico9
		5		5.2
		5.2		5
		5.5		4.9
		5.8		4.8
		5.9		4.5
		5.95		4.2
		6		4
		6.05		3
Treinado
Destreinado
Tempo (min)
Glicose (mmol/L)
Plan6
		Glucagon								Insulina								Glicose
				Treinado		Destreinado						Treinado		Destreinado						Treinado		Destreinado
		0		110		125				0		17		15.8				0		5		5.2
		15		95		190				15		13.5		14				15		5.2		5
		30		105		200				30		13		10				30		5.5		4.9
		60		125		200				60		12.8		9.7				60		5.8		4.8
		90		140		204				90		12.5		9.5				90		5.9		4.5
		120		140		210				120		12.1		8				120		5.95		4.2
		150		138		209				150		12		7.2				150		6		4
		180		135		220				180		11.8		6.5				180		6.05		3
Gráfico8
		130
		145
		160
		175
Conteúdo Mineral Ósseo (mg/cm3)
Plan5
		Amenorréica Destreinada		Amenorréica Treinada		Eumenorréica Destreinada		Eumenorréica Treinada
		130		145		160		175
Gráfico3
		0
		-8
		-9
		-12
		-14
		-15
		-15
Tempo
Volume plasmático
Plan4
		0		0
		15		-8
		30		-9
		45		-12
		60		-14
		90		-15
		120		-15
Controle do 
volume corporal
Controle da 
osmolaridade corporal
A osmolaridade corporal é definida pela quantidade de partículas osmoticamente ativas dissolvidas nos compartimentos líquidos do organismo. 
Transferência de água entre compartimentos líquidos é chamada de osmose 
Porque a osmolaridade deve ser mantida igual entre os compartimentos líquidos do organismo? 
Hiposmolalidade: Naúseas, mal-estar, dor de cabeça, confusão, letargia, convulsões e coma.
Hiperosmolalidade: sintomas neurológicos \u2013 letargia, fraqueza, convulsões e coma.
Células do SNC
R: Manutenção das funções celulares.
Hiperosmolalidade: letargia, fraqueza, convulsões e coma.
Qual é a informação importante que podemos extrair do dado acima?
Ganho de água \uf0e0 osmolaridade \uf0df perda de água
No equilíbrio, a quantidade de água perdida é igual a quantidade de água ingerida
O equilíbrio entre a perda e a ingestão de água
Adaptado de Color Atlas of Physiology, 1991. Ed. A. Despopoulos
Adaptado de Color Atlas of Physiology, 1991. Ed. A. Despopoulos
Adaptado de Color Atlas of Physiology, 1991. Ed. A. Despopoulos
Manipulação renal de água
O hormônio antidiurético (ADH), ou vasopressina, age nos rins para regular o volume da urina.
Sem ADH no plasma \uf0e0 grande volume de urina é excretado.
Com ADH no plasma \uf0e0 pequeno volume de urina é excretado.
Cérebro
Hipófise
Hipotálamo
Síntese e secreção de ADH
Síntese e secreção do ADH
A secreção de ADH é regulada principalmente por alterações na osmolaridade plasmática
Variações de 1% na osmolaridade plasmática já estimulam a secreção de ADH
Controle osmótico da secreção do ADH
O ADH estimula a sensação de sede
aumento da osmolaridade do LEC \uf03e 4 mOsm/L
\uf0e2
estímulo o centro da sede no hipotálamo anterior
\uf0e2
 sede
O exercício físico estimula ou inibe a secreção de ADH?
*
Hormônio antidiurético no exercício
Controle do 
volume corporal
Controle da 
osmolaridade corporal
- Estabilização térmica;
 Auxilia a digestão e absorção de
 nutrientes;
- Transporte de Nutrientes;
Sistema renina - angiotensina -aldosterona (SRAA)
Sistema hormonal (processo lento),
Regula a pressão arterial, por regular o volume sanguíneo,
É ativado por: 
		1) diminuição do volume corporal, 
		2) diminuição do conteúdo corporal de sódio,
		3) aumento da ativação simpática,