AV2 Legislação Tributária 2013.1
2 pág.

AV2 Legislação Tributária 2013.1


DisciplinaDireito Tributário I20.538 materiais266.497 seguidores
Pré-visualização1 página
Avaliação: GST0278_AV2_LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA 
Tipo de Avaliação: AV2 
Professor: ANA CLAUDIA AUGUSTO PINHEIRO Turma: 9004/AD 
Nota da Prova: Nota do Trabalho: Nota de Participação: Data: 13/06/2013 18:31:31 
 
 1a Questão (Cód.: 61264) Pontos: 1,5 / 1,5 
Considerando que a contribuição social é um tributo destinado a custear atividades estatais específicas, como é o caso 
do custeio do sistema da seguridade social, questiona-se: considerando os termos da Constituição Federal, a 
contribuição social é percebida sob a mesma perspectiva pelo empregado e pelo empregador? [SBM/UNESA/10.02] 
Resposta: Penso que a contribuição social não é percebida sob a mesma perpectiva pelo empregado e pelo 
empregador, pois os seus valores são onerosos para o empregador, e, na maioria das vezes, o empregado não tem 
acesso as melhorias financiadas pelos tributos obtidos através da contribuição social. 
Gabarito: Contribuições sociais representam um tributo misto de imposto e taxa, tal como deixa demonstrar o Art. 195, 
CRFB/88, que para o empregador incide sobre a folha de salário e faturamentos , ou seja, não há para o empregador 
nenhuma atividade estatal, logo é um imposto, ao passo que, para o empregado, sua contribuição tem como 
contrapartida a garantia da seguridade social, correspondendo a tributo vinculado, logo, uma taxa. 
 
 2a Questão (Cód.: 47160) Pontos: 1,5 / 1,5 
Fiscais de um determinado município de Goiás verificaram, após realizarem uma visita à empresa Samanta Ltda., que a 
mesma se achava quite com suas obrigações fazendárias; diante do fato, viraram as costas e saíram com a promessa 
de que voltariam em breve. Está correto o procedimento? Como devem proceder para atestar a veracidade do fato? 
Resposta: O procedimento está incorreto. Os fiscais deveriam verificar em loco toda a documentação fiscal, em 
comparação com informações que o municipio tem sobre a empresa. 
Gabarito: Não; se durante a fiscalização não se constata nenhuma irregularidade, os fiscais devem lavrar um Termo de 
Homologação no qual constará que o contribuinte não possui débito com o Poder Publico 
 
 3a Questão (Cód.: 41678) Pontos: 1,0 / 1,0 
É da competência dos Estados: 
 (c) instituir impostos sobre prestações de serviços de transporte intermunicipal e interestadual, doações de 
bens referentes a direitos de propriedades e sobre veículos automotores. 
 
(d) instituir impostos sobre operações relativas à circulação de mercadorias e propriedade predial territorial 
urbana. 
 (b) instituir impostos sobre operações relativas à circulação de mercadorias e transmissão onerosa inter vivos. 
 
(a) instituir impostos sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre serviços de qualquer 
natureza. 
 
 4a Questão (Cód.: 175508) Pontos: 0,5 / 0,5 
Segundo Ricardo Lobo Torres, o Direito Financeiro deve ser dividido nos seguintes ramos: 
 
Direito Orçamentário, Despesa Privada e Receita Privada. 
 Receita Pública, Despesa Pública e Direito Orçamentário. 
 
Receita Privada, Despesa Pública e Direito Orçamentário 
 
Direito Orçamentário, Receita Pública e Despesa Privada 
 
Direito Orçamentário, Receita e Despesa Pública. 
 
 5a Questão (Cód.: 41686) Pontos: 0,5 / 0,5 
Pode-se determinar como modalidade de lançamento do credito tributário, no qual o sujeito passivo deve permitir à 
autoridade fiscal informações sobre matérias de fato indispensável a sua efetivação, sem, porém, permitir o respectivo 
pagamento: 
 
(c) ex officio 
 
(b) homologação 
 (d) declaração 
 
(a) autolançamento 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 6a Questão (Cód.: 49239) Pontos: 0,5 / 0,5 
No Brasil, em face da arrecadação tributária, os impostos são exigidos daqueles que exteriorização algum signo ou 
expressão manifestador de riqueza, por isso é incorreto afirmar que: 
 
Em relação aos impostos em geral, o tributo que tem por fato gerador uma situação de aquisição de renda e 
que é independente de qualquer atividade estatal específica do contribuinte é o imposto. 
 
Na contribuição de melhoria, o Poder Público pode arrecadar o imposto, mas se não mencionar o elemento de 
valorização imobiliária, será entendido que este continua fazendo parte da caracterização e fundamentação para 
exigência deste tipo de tributo. 
 Em relação à cobrança de contribuição de melhoria, o Poder Público poderá arrecadar de todos os proprietários 
beneficiados o valor global do custo de uma obra, a fim de ser ressarcido das despesas realizadas, 
independentemente do valor cobrado de cada contribuinte. 
 
A vedação constitucional do uso de base de cálculo própria de impostos, na instituição de taxa, é lógica e 
coerente, porque, enquanto o valor do primeiro deve guardar proporcionalidade com a capacidade contributiva, 
a segunda deverá ser proporcional à contraprestação oferecida pelo Estado. 
 
A vedação legal ao cálculo das taxas em função do capital das empresas explica-se porque, se assim não o 
fosse, esta exação, no caso, seria proporcional ao valor do patrimônio da pessoa jurídica, grandeza esta 
inidônea para dimensionamento da referida espécie tributária. 
 
 7a Questão (Cód.: 18993) Pontos: 0,5 / 0,5 
De acordo com o CTN, não se afigura como causa de extinção do crédito tributário: 
 a anistia. 
 
a remissão 
 a prescrição. 
 
a decadência. 
 
a decisão administrativa irreformável, assim entendida a definitiva na órbita administrativa, que não mais possa 
ser objeto de ação anulatória. 
 
 8a Questão (Cód.: 175101) Pontos: 0,5 / 0,5 
Segundo Sacha Calmon Navarro Coêlho, o artigo 110 do CTN veda que o legislador infraconstitucional possa alterar 
conceitos e institutos de direito privado, com o fito de expandir a sua competência tributária prevista no texto 
constitucional, tendo como objetivo: 
 
Preservar a rigidez do sistema na repartição das competências tributárias apenas aos Estados. 
 
Preservar a rigidez do sistema na repartição das competências tributárias apenas dos Municípios. 
 Preservar a rigidez do sistema na repartição das competências tributárias aos entes da federação. 
 
Preservar a rigidez do sistema na repartição das competências tributárias ao Distrito Federal. 
 
Preservar a flexibilidade do sistema na repartição das competências tributárias aos entes da federação. 
 
 9a Questão (Cód.: 14969) Pontos: 0,5 / 0,5 
Em matéria tributária, a transação consiste na proposta de um acordo estabelecido pela administração Pública e leva-
se em conta, entre outros fatores, a diminuição de despesas desnecessárias por parte do Estado. Assim, pode afirmar 
que: 
 a transação é admitida apenas com o propósito de extinguir litígios de ordem administrativa 
 
somente é admitida a transação em relação aos tributos federais 
 a transação é admitida em relação aos tributos estaduais e municipais 
 
a transação não tem cabimento depois de iniciado o procedimento de fiscalização do contribuinte. 
 
embora prevista no CTN, os tributos não podem ser objeto de transação pelo fato de representarem direitos 
indisponíveis 
 
 10a Questão (Cód.: 43820) Pontos: 1,0 / 1,0 
Para enfrentar as despesas extraordinárias provocadas pelas chuvas, o prefeito do município de Trairi no estado do 
Ceará instituiu empréstimo compulsório a ser cobrado dos seus munícipes. Essa medida é: 
 
Errada, pois só a Câmara Municipal pode criar tributo. 
 
Certa, porque dito empréstimo é cobrável em razão de calamidade pública. 
 
Nenhuma das alternativas anteriores. 
 Errada, porque só a União pode instituir empréstimo compulsório. 
 
Certa, porque não sendo o empréstimo compulsório um tributo, pode ser criado pelo Poder Executivo.