Aula_09 2015

Aula_09 2015


DisciplinaEstética e História da Arte Contemporânea946 materiais20.226 seguidores
Pré-visualização4 páginas
presentes nas representações pictóricas que apresentavam temas americanos, até então.
Foram verdadeiros repórteres do século XVII. 
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
A pintura holandesa no Brasil:
Frans Post 
Albert Eckhout
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
O Barroco no Brasil:
O período barroco no Brasil vai do século XVIII até o início do século XIX. O barroco brasileiro é também associado à religião católica. Duas linhas diferentes caracterizam o estilo barroco brasileiro: - nas regiões enriquecidas pelo comércio de açúcar e pela mineração, encontramos ricas igrejas, com trabalhos em relevos feitos em madeira - as talhas - recobertas por finas camadas de ouro, com janelas e portas decoradas com detalhados trabalhos de escultura. Já nas regiões mais pobres, as igrejas apresentam talhas modestas e os trabalhos foram realizados por artistas menos experientes e famosos do que os que viviam nas regiões mais ricas.
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
O ponto culminante do Barroco no Brasil surge da integração entre arquitetura, escultura, talha e pintura que aparece em Minas Gerais, a partir dos trabalhos de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, extraordinário arquiteto e decorador de igrejas, e incomparável escultor. 
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
E, Manuel da Costa Ataíde, cujas principais obras foram as pinturas em tetos das igrejas, que seguiam as características do estilo barroco, e aliavam-se perfeita-mente às esculturas e arquitetura de Aleijadinho. Os pintores da época faziam suas próprias tintas com pigmentos e solventes naturais aqui da terra. Talvez por isso é que se diz que não existe, no mundo inteiro, um colorido como o das cidades mineiras da época do barroco. 
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
A Missão Francesa no Brasil:
No início do século XIX, os exércitos de Napoleão invadiram Portugal , obrigando D. João VI, sua família e sua corte a virem para o Brasil. O rei de Portugal, preocupado com o desenvolvimento cultural do Brasil, trouxe para cá, entre outras coisas, um grupo de artistas franceses (1816) encarregado da fundação da Academia de Belas Artes (1826), na qual os alunos poderiam aprender as artes e os ofícios artísticos. Esse grupo ficou conhecido como Missão Artística Francesa. Os artistas da Missão Artística Francesa pintavam, desenhavam, esculpiam e construíam à moda europeia, obedecendo ao estilo neoclássico, e influenciando, dessa forma, toda a produção artística nacional, naquele momento.
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
A Missão Francesa no Brasil:
Jean-Baptiste Debret foi chamado de "a alma da Missão Francesa". Thomas Ender, pintor austríaco e Johann-Moritz Rugendas, alemão, também destacaram-se na Missão Artística Francesa.
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
A Pintura Acadêmica no Brasil:
Em meados do século XIX, o Império Brasileiro prosperava economicamente, por conta da cultura do café, e vivia uma estabilidade política, depois que Dom Pedro II assumiu o governo e controlou as rebeliões que agitaram o Brasil até 1848. Além disso, o imperador procurava dar ao país um desenvolvimento cultural mais sólido, incentivando as letras, as ciências e as artes, sob modelos clássicos europeus. Tinha lugar então a pintura acadêmica nacional, que seguia os padrões da Academia de Belas Artes, ou seja, tentava recriar a beleza ideal em suas obras, por meio da imitação dos clássicos, principalmente os gregos, na arquitetura e os renascentistas, na pintura. 
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
BREVES NOÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA
Principais artistas acadêmicos:
Pedro Américo de Figueiredo e Melo, cuja obra mais divulgada é O Grito do Ipiranga, que atualmente está no Museu Paulista.
Vitor Meireles de Lima, que em 1861, produziu em Paris, a sua obra mais conhecida - A Primeira Missa no Brasil. 
José Ferraz de Almeida Júnior, considerado por alguns críticos o mais brasileiro dos pintores nacionais do século XIX. 
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
ENFIM, AS IDEIAS DE UMA ARTE BRASILEIRA...
A partir da virada do século XX, um grupo de produtores artísticos se insurgiu contra os interesses ideológicos e políticos do poder imperial, que ignorava as marcas do passado colonial e os estigmas da escravização de indígenas e africanos pelos portugueses. Esses artistas passaram a não mais idealizar a história e o Estado para criar uma arte nacional.
Até então, a legitimação estética e uma afirmação cultural, no interior do campo artístico brasileiro, era representada pelas belas-artes, às quais se contrapôs o conceito de modernismo impresso nas artes visuais a partir da década de 1920. Esse novo conceito começou a ser afirmado com toda a pujança na década de 1930 pelo Estado Novo. Contudo, esse novo pensamento confrontou-se com as estruturas antigas e enfrentou muitas resistências.
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
O MODERNISTA MARIO DE ANDRADE
Mario de Andrade foi um dos intelectuais modernistas que percebiam a defasagem de informação, sobre arte e crítica, no Brasil. Durante o Estado Novo, lutou pela defesa do patrimônio histórico e artístico e pela criação do Serviço do Patrimônio Artístico Nacional (SPAN), pois acreditava, entre outras coisas, que a função dos museus deveria ser didática, isto é, oferecimento ao público de visitas guiadas, conferências, concursos e revistas de críticas de arte que possibilitassem a atualização artística do país. Com Mario de Andrade, teve início as ideias sobre antropofagia, pois para ele a tradição não se podia importar, mas cultura importava-se, e adequava-se para a realidade de um povo e da nação.
Tema da Apresentação
AULA 9 \u2013 EXPERIMENTALISMO NA ARTE BRASILEIRA: DA ARTE NACIONAL PARA A ARTE INTERNACIONAL
ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE CONTEMPORÂNEA
O INÍCIO DO MODERNISMO NO BRASIL
A arte nacional era composta, no final do século XIX e primeira metade do século XX, por manifestações artísticas inerentes aos poderes públicos, e por artistas de mérito nacional, que deveriam ter passado pelo crivo do Estado.
A arte moderna nacional redescobria o Brasil, através da expressão pictórica da mitologia e da cultura indígena, retomando o mesmo índio que já havia sido idealizado pelo romantismo nacional e que predomina no país quando o Modernismo se consolidava na Europa. Mas, com outro olhar e abordagem.
No Modernismo brasileiro, o neocolonial, o barroco mineiro e as esculturas de Aleijadinho foram