Aula_03 2015

Aula_03 2015


DisciplinaHistoriografia Brasileira902 materiais47.565 seguidores
Pré-visualização1 página
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Aula 3 \u2013 A produção historiográfica brasileira no início do século XX
A obra de Capistrano de Abreu
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
OBJETIVOS DESTA AULA:
1º objetivo:
Identificar as principais questões abordadas por Capistrano de Abreu em suas obras;
2º objetivo:
Discutir a noção de \u201cpovo\u201d e a sua importância na obra de Capistrano de Abreu.
	x
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Nasceu em Maranguape, Ceará, em 1853.
Alfabetizado em casa, mais tarde foi estudar no Ateneu Cearense, em Fortaleza.
1875: veio para a Corte.
1879: Entrou para a Biblioteca Nacional.
1883: Tornou-se professor de Corografia e História do Brasil no Colégio Pedro II.
Foi membro do IHGB
1907: Escreveu Capítulos de História Colonial.
Morreu em 1927, aos 64 anos.
A TRAJETÓRIA DE CAPISTRANO DE ABREU
Capistrano de Abreu
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Por meio de biografias e pequenas histórias, Capistrano foi consagrado como digno de ser alguém lembrado no presente e no futuro. Ele se tornou reconhecido unanimemente como o grande historiador de sua época.
Algumas das imagens construídas sobre Capistrano: leitor voraz desde a infância, modesto, \u201cbeneditino das letras\u201d, autodidata, sertanejo, símbolo da nacionalidade, alguém capaz de romper os limites sociais, polígrafo, irônico, mordaz, humano.
CAPISTRANO NO PANTEÃO DA ISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
A GERAÇÃO DE 1870 NO BRASIL
\u201cA década de 1870 é um momento importante de reflexão sobre os problemas nacionais (...). Parte da geração que a viveu ficou conhecida através da expressão genérica de \u201cgeração 1870\u201d, a qual se atribui um papel decisivo na conjugação de dois empreendimentos: a apropriação e divulgação do pensamento científico europeu e o desenvolvimento de reflexões e práticas políticas voltadas para a crítica das instituições imperiais\u201d (GONTIJO, Rebeca. p. 284). 
Tobias Barreto
(1839-1889)
José Veríssimo
(1857-1916)
Euclides da Cunha
(1866-1909)
Silvio Romero
(1851-1914)
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
COMO CAPISTRANO SE POSICIONA NESSE DEBATE?
\u201cSob a influência de Ranke, Niebhur e Humboldt, ele passará a dar ênfase aos documentos, à sua crítica e interpretação, sem buscar leis, mas a \u2018compreensão\u2019. Entretanto, apesar da influência alemã, sobrevive uma certa influência de Spencer. Mas o positivismo, ele passará a considerá-lo uma \u2018camisa de força\u2019 e a influência alemã será cada vez maior: Ranke e Ratzel. Ele recusa os determinismos geográficos, climático e racial e o evolucionismo. Historicista, ele percebe que a vida em seu mistério pede um tratamento diferenciado da natureza (...). A ação humana não se submete a regras e leis gerais\u201d. (REIS, José Carlos. p. 69)
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
CAPÍTULOS DE HISTÓRIA COLONIAL
Uma das edições do livro Capítulos de História Colonial
Atenção para todos os aspectos da vida humana: a vida econômica, a alimentação, os grupos étnicos, as condições geográficas, as crenças, os costumes.
Primeiros capítulos: dados geográficos e os habitantes indígenas. Em seguida, trata dos \u201celementos exóticos\u201d: os portugueses e os negros.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
VARNHAGEN E CAPISTRANO
\u201cCapistrano se coloca do ponto de vista do indígena e da terra do Brasil, que vêm chegar novos e desconhecidos elementos. Ele olha da praia para o oceano cheio de caravelas, quanto Varnhagen olha da caravela de Cabral para a praia e via uma terra exótica povoada por alienígenas\u201d (REIS, José Carlos. p. 71)
Varnhagen e Capistrano de Abreu
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
O POVO BRASILEIRO
A importância da guerra contra os holandeses para a formação da identidade nacional.
Bandeirantes e agropecuária: a conquista do Brasil pelos brasileiros.
Capistrano não faz um elogio da colonização portuguesa, tampouco enfatiza a colonização do litoral. O sujeito de sua história não é o Estado Imperial, mas um povo mestiço, que ocupa o interior do país.
Detalhe da capa de uma das edições do livro \u201cCapítulos de História Colonial\u201d
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
O QUE VIMOS NA AULA DE HOJE:
Discutimos a importância da obra de Capistrano de Abreu, bem como a construção da sua memória como um dos grandes historiadores brasileiros;
Demarcamos o lugar do povo na obra de Capistrano e associamos a produção desse historiador às questões da geração da qual fazia parte.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
PARA SABER MAIS SOBRE CAPISTRANO DE ABREU:
Artigo do professor Ricardo Benzaquen de Araújo \u2013 \u201cRonda Noturna\u201d
http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1936
Artigo do professor José Carlos Reis \u2013 \u201cCapistrano de Abreu (1907). O surgimento de um povo novo: o povo brasileiro:
http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/138/RH-138_-_Jos_Carlos_Reis.pdf
Historiografia Brasileira
O discurso histórico no Brasil Colonial e no Brasil Império
Historiografia Brasileira
O discurso histórico no Brasil Colonial e no Brasil Império