TRANSTORNOS
22 pág.

TRANSTORNOS


DisciplinaNutrigenômica103 materiais663 seguidores
Pré-visualização1 página
TRANSTORNOS
 Transtorno de Ansiedade
 É o mais comum entre os transtornos e- mocionais. Existem diferentes tipos de an- siedade, e esses afetam mais milhões de brasileiros. A ansiedade é diferente dos sentimentos comuns de nervosismo ou me-do. Os sintomas são tão intensos que le-vam as pessoas a buscarem diversas for-
mas de evitar os agentes causadores da ansiedade. Os sintomas afetam a vida da da pessoa como um todo, atrapalhando o desempenho no trabalho e as relações in-terpessoais. Se não tratada pode influenci-ar o desenvolvimento de outros transtornos, como: a depressão ou procurar formas pre-judiciais para lidar com ela, como as drogas e o álcool.
 Como as causas da ansiedade ainda são desconhecidas, os tratamentos estão foca-dos no alívio de sintomas, como a medica-ção e a psicoterapia.
 Imagem Corporal e seus Distúrbios
 É o conceito que cada pessoa faz de seu próprio corpo, sendo real os fantasioso. 
 Para ter uma consciência corporal, neces-
sita-se do conhecimento tanto das estrutu-ras anatômicas e relações entre as partes, bem como dos movimentos e das funções de cada parte. 
 Atualmente, há uma obsessão pelo corpo que está investigado de libido, e adapta o indivíduo ao mundo através da sedução, o que leva a solidão, angústia, sensação de
vazio e depressão. 
 O indivíduo é formado de físico, mental e emocional. Para que eles funcionem bem, precisam estar em harmonia entre si. Um corpo tenso e rígido pode ser reflexo de uma mente sem energia, cansada, poden-do gerar angústia, depressão, ansiedade.
 Na medida em que se vive em uma socie- dade com ritmo repetitivo e estressante, as
informações são gravadas em nossa mente e em nosso corpo, nos condicionando, a dar sinais de que o organismo está em crise, manifestando as doenças citadas aci-ma. 
 Pode-se alcançar o perfeito equilíbrio do organismo e a consciência corporal, atra-vés de uma nutrição adequada, prática de 
esportes e condicionamentos físicos super- visionados e psicoterapia.
 É importante nutrir-se intensamente, rein-vestir-se afetivamente, resgatar valores po- sitivos, comprometer-se com a vida, prati-car a resiliência, inclusão e viver em harmo-nia consigo e com o outro.
 Transtornos Alimentares
 São caracterizados por perturbações no comportamento alimentar, podendo levar ao emagrecimento extremo (caquexia), à obesidade ou outros problemas físicos.
 Os principais tipos de TA são: anorexia nervosa e bulimia nervosa, e ambas tem como características comuns: uma intensa 
preocupação com o peso e o medo de en-gordar, uma percepção distorcida da forma corporal , e a autoavaliação baseada no peso e forma física.
 A etiologia dos TA está associada princi-palmente aos aspectos sociocultural, embo-ra não se deva descartar os fatores biológi-cos, psicológicos e familiares.
 Anorexia é um quadro que se caracteriza pela restrição do comportamento alimentar, pelo temor excessivo em ganhar peso e pe-la distorção da percepção da imagem cor- poral. 
 No inicio são restritos apenas os alimen-tos calóricos, com o progresso da doença observa-se uma dieta extremamente limita- 
da. Algumas pessoas passam a se medir e se pesar obsessivamente, ou olhar para o espelho procurando áreas do corpo que precisam melhorar. A autoestima da pessoa está relacionada a forma corporal e elas nem se preocupam com as consequências que esse estado pode levar a saúde.
 
 Bulimia é um quadro caracterizado por compulsões alimentares periódicas (in- (gestão de grande quantidade de comidas em curto prazo de tempo), seguido de métodos compensatórios inadequados (vômito induzido, uso inadequado de laxante ou diuréticos, prática de exercício em excesso). 
 Assim como o indivíduo anoréxico, o bulí- mico apresenta uma avaliação baseada na forma física e no peso corporal.
 As pessoas acometidas pela bulimia, ocul-tam seus comportamentos patológicos da família e das pessoas que as cercam e muitas vezes se envergonham de seus atos compensatórios. Normalmente, não há per- 
da de peso significativa nas pessoas com bulimia, fazendo com que as famílias tenham dificuldade de perceber problema.
 Entre os problemas fisiológicos consequen-
tes dos episódios bulimicos estão a perda de potássio, inflamação no esôfago e danos nos 
esmalte dos dentes. 
 Determinantes Psíquicos da Obesidade In-fantil.
 
 A obesidade infantil pode afetar a saúde das crianças para o resto de suas vidas, e está associada à obesidade na idade adulta e aos diversos problemas de saúde daí re-sultantes. Entender bem as causas e as consequências dessa problemática é im-portante para conseguir agir de forma pre-ventiva. 
 Parece ser consenso que o excesso de 
peso na infância ocorre por uma infinidade de causas ou, por uma combinação de fa-tores. Os mais comuns, incluem entre ou-tros, hábitos alimentares considerados ina- dequados, propensão genética, estilo de vi-da familiar e condições socioeconomicas.
 A própria vida moderna se encarrega de o-riginar outras causas como, a praticidade 
de consumir alimentos industrializados, contendo conservantes, etc. Além disso alguns aspectos do desenvolvimento psico-lógico influenciam o consumo desmedido, constituindo outro fator importante. Desde pequeno se aprende que comida é \u201cprê-mio\u201d. 
 A pouca ou falta de atividade é fator de- 
terminante na obesidade infantil. O controle de peso envolve o balanceamento da in- gestão alimentar com a energia gasta nas atividades diárias.
 Estudos sobre obesidade familiar concluí-ram que fatores genéticos e comportamen-tos adquiridos na família são importantes na determinação da obesidade. 
 Fatores do tipo neuropsiquiátrico também têm sido considerado nos casos de obesi-dade. Muitos psiquiatras afirmam que por trás de um obeso sempre poderá existir um problema psíquico grave, que em nossa so-ciedade pode ser agravado uma vez que crianças gordinhas sentem-se envergonha-das.
 O sucesso do tratamento deve se basear principalmente em um programa que inclua envolvimento familiar, modificação da dieta, planejamento de atividades e componentes comportamentais, incluindo a prática de exercícios físicos.
 A obesidade infantil trás prejuízos físicos e 
psíquicos, pois é das condições socioafeti-
vas da criança que advém a grande maioria de componentes emocionais, tais como: di-ficuldade de se adaptar às dinâmicas fami-liares, e a ansiedade. Sendo o controle da ansiedade a causa mais importante para um bom resultado nutricional e psicológico.