DIREITO EMPRESARIAL - resumo
10 pág.

DIREITO EMPRESARIAL - resumo


DisciplinaDireito Empresarial I16.405 materiais87.340 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DIREITO EMPRESARIAL
Direito Empresarial se fundamenta com as A.E:
Desenvolvida pela atividade de compra e venda ou prestação de serviços 
O conceito de empresário surge da evolução de \u201ccomerciante\u201d
É obrigatório o comerciante praticar C/V e o empresário é obrigado a fazer qualquer uma das A.E
***todo empresário é um comerciante, mas nem todo comerciante é um empresário, POIS é possível na ala empresarial substituir a A.E de C/V pela prestação de serviço, já na ala comercial é possível apenas a prática de C/V
Pode ser exercido por pessoas físicas e jurídicas
Para ser empresário é necessário ter 5 características:
Capacidade 
Intenção de lucrar
Habitualidade na ação 
Praticar C/V
Atuação em nome próprio 
NÃO se considera empresário aquele que desenvolve atividade intelectual (científica, literária e artística), a menos que o exercício da profissão seja constituído pelos elementos empresariais
Elementos empresarial:
Capital
Mão de obra
Insumos 
Tecnologia 
Impedimentos: 
Servidor público não pode ser empresário mas pode ser sócio, desde que não seja o administrador/diretor
Se o impedido ainda sim exercer a atividade, responderá pelas obrigações art. 973 CC
Capacidade:
Capacidade civil plena ou emancipado 
O menor incapaz não pode iniciar como empresário, mas pode continuar (caso o pai venha a falecer, por exemplo) desde que assistido ou representado mediante autorização judicial (alvará) que possibilitará o representante ou assistente de dar continuidade ao negócio. Este alvará também dará proteção ao patrimônio pré-existente do menor. 
O menor pode iniciar como sócio de uma sociedade, desde que não seja o administrador e desde que o capital social esteja totalmente integralizado
Incapacidade superveniente: quando o capaz se torna incapaz seguirá a regra de como se fosse menor 
Natureza da A.E = Regime Jurídico 
Regime Jurídico Empresarial (RJE) \u2013 C/V e P/S
Regime Jurídico não Empresarial (RJÑE) \u2013 P/S
A.E C/V RJE
A.E P/S Ñ.I RJE
A.E P/S I E.E RJE
A.E P/S I Ñ.E.E RJÑE
Obrigação comum a todos os empresários:
As obrigações são:
Inscrição no Registro Público de empresas mercantis antes do início de suas atividades 
Escrituração do movimento negocial 
Elaboração de balanço patrimonial e de resultado econômico em prazo não superior a 1 ano. OBS: é dispensado dessa obrigação o pequeno empresário art.970 CC
Registro do empresário: 
É obrigatório 
Tem que ser feito antes de iniciar a atividade
Feito da Junta Comercial
Aquele que não se registra é empresário irregular, esse empresário pode falir, mas não poderá pedir recuperação judicial e nem pedir falência de outro empresário.
***Para exercer sua atividade regularmente, todo empresário está sujeito a um conjunto de regras específicas, denominadas regime jurídico-empresarial. Esse regime é o responsável por regulamentar a prática da atividade mercantil e torná-la legal. Nesse sentido, o empresário que não seguir determinadas normas, tais como o registro do contrato social ou do estatuto da sociedade na Junta Comercial e a não manutenção de uma escrituração contábil, será tido como irregular, e, consequentemente, não se beneficiará do regime de execução especial em caso de insolvência (falência). Também não terá legitimidade ativa para requerer a recuperação judicial e a extrajudicial. Por outro lado, se seguir corretamente todas as determinações a ele impostas, terá essas e outras vantagens.
O registro do empresário rural é facultativo, mas caso se regularize, será equiparado aos demais empresários, porém com tratamentos especiais
É possível a transformação de empresário (indivíduo singular) para sociedade
Registro Público Federal DREI (Departamento de Registro de Empresa e Integração) - sem função executiva OBS: controla todas as Juntas Comerciais do país.
Registro Público Estadual Junta Comercial \u2013 com função executiva 
A Junta Comercial é responsável pelos atos de registro de empresas e é dividido em 3 atos: 
Arquivamento: atos de inscrição do empresário, bem como de constituição das sociedades empresariais. Serão também arquivados os atos de alteração, dissolução, fusão, cisão, incorporação ou transformação de qualquer tipo societário. Também é possível que seja arquivado qualquer ato de interesse do empresário relacionado a A.E \u2013 singular e colegiada
Matrícula: ato de habilitação dos auxiliares do empresário (por exemplo: interpretes e tradutores) \u2013 singular 
Autenticação: ato de validação dos documentos escriturais (por exemplo: livros e fichas escriturais) \u2013 singular 
Processo Decisório dos atos de registro de empresa:
 É praticado pelas J.C por meio de seus vogais (pessoa com poder decisório), esses decidirão se os se os atos de matrícula, arquivamento e autenticação serão concedidos ou não. A decisão pode ser tomada de 2 formas: por um único vogal (singular) ou por mais de um (colegiada)
Atos de matrícula e autenticação sempre decididos de forma singular
Ato de arquivamento pode ser decido de forma singular ou colegiada em razão da matéria. Arquivamento de atos que versam sobre Sociedade por Ações (S/A e C/A) ou atos de fusão, cisão, incorporação ou transformação de qualquer tipo societário será decidido de forma colegiada, os demais serão de forma singular.
Livros empresariais: os livros empresariais são aqueles exigidos ou admitidos em virtude de lei empresarial para que tenha controle do balanço patrimonial e o resultado econômico da empresa. Os livros empresariais se dividem em: obrigatórios ou facultativos. Os obrigatórios são exigidos a tosos os empresários, e os especiais são exigidos apenas a determinada categoria ART. 1.179 CC
Nome Empresarial:
O nome empresarial pode ser de 2 tipos: 
Firma \u2013 Jamais designa o objeto social da Sociedade. Necessita de dois requisitos: funcional e estrutural
Denominação social \u2013 Designa sempre o objeto da Sociedade acompanhado de uma palavra ou expressão de uso comum, ou seja, não necessita do requisito estrutural. Caso a Sociedade tenha mais de uma atividade para compor a Denominação Social, deverá ser escolhida uma delas. Lembrando que a atividade fim da Sociedade deverá estar presente na Denominação Social.
*O requisito estrutural se verifica pela semelhança entre o nome civil do empresário ou dos participantes de sociedade
*Sociedade anônima obrigatoriamente adota denominação social 
*Empresário Individual, sociedade em nome coletivo e comandita simples obrigatoriamente adotam Firma
*As sociedades limitadas e comanditas por ações podem escolher o tipo nominal
*A sociedade em conta de participação não adota nome 
Estabelecimento empresarial:
Complexo de bens do empresário: bens corpóreos (estoque, veiculo, etc) e incorpóreos (ex: marca, patente). 
Dentro do estabelecimento incorpóreo tem o aviamento, que é o potencial de lucro do negócio
O Estabelecimento é uma universalidade de fato, pois não há determinação legal 
Venda do Estabelecimento = Trespasse 
Em regra, o alienante não pode fazer concorrência com o adquirente num prazo de 5 anos 
O alienante não precisa do consentimento dos credores para realizar um trespasse, a menos que ele seja um alienante insolvente (art.1145), ou seja, não tenha dinheiro o suficiente para paga-los ao fazer a venda. Neste caso, o alienante deverá enviar uma notificação aos credores para obter consentimento dos mesmos de forma expressa ou tácita 
Responsabilidade do adquirente: passivo contabilizado 
Responsabilidade do alienante: 1 ano de responsabilidade solidária, esse prazo começa a contar a partir da dívida vencida da publicação do trespasse 
Ponto Comercial:
Bem incorpóreo que surge da união do local + A.E
É o local que nasce a A.E e ali tem seu desenvolvimento 
Nem todo estabelecimento tem ponto
Quem aluga o local é o possuidor, ou seja, quem detém a posse 
 O ponto está no estabelecimento ou o estabelecimento está no ponto??? R: O ponto é um dos bens que está o estabelecimento 
O empresário pode adquirir um bem imóvel como local de