DESAFIO COLABORATIVO FISIOLOGIA HUMANA
2 pág.

DESAFIO COLABORATIVO FISIOLOGIA HUMANA


DisciplinaFisiologia Humana II538 materiais2.900 seguidores
Pré-visualização1 página
Avaliação On-Line 1 (AOL 1) Fisiologia - Desafio Colaborativo
Olá aluno (a)!
Vamos pôr em prática os conhecimentos adquiridos ao longo desta primeira unidade.
Vimos que sinapses são os locais nos quais os impulsos nervosos são transmitidos de uma célula pré-sináptica (um neurônio) para uma célula pós-sináptica (outro neurônio, célula muscular, ou célula glandular).
A função da sinapse é transformar um sinal elétrico do neurônio pré-sináptico em um sinal químico que atua sobre a célula pós-sináptica. A transmissão do impulso nas sinapses pode se dar eletricamente ou quimicamente. Discuta como ocorre a sinapse elétrica e a sinapse química.
Aguardamos seu comentário.
Bons estudos!
Existem dois tipos principais de sinapses: sinapse química e sinapse eléctrica.
A sinapse química, em que a atividade elétrica do neurônio pré-sináptico desencadeia a liberação de mensageiros químicos. Os neurotransmissores se difundem através da sinapse e se ligam aos receptores especializados da célula pós-sináptica. O neurotransmissor então excita ou inibe o neurônio pós-sináptico. Excitação leva ao disparo de um potencial de ação enquanto inibição impede a propagação de um sinal.
No entanto, também existem sinapses elétricas em que dois neurônios estão ligados por canais especializadas conhecidos como junções de hiato. As sinapses elétricas permitem que os sinais elétricos se movam rapidamente da célula pré-sináptica para a célula pós-sináptica, acelerando rapidamente a transferência de sinais. A diferença entre sinapses elétricas é muito menor do que a de uma sinapse química (cerca de 3,5 nm em comparação com 20 nm). Os canais especiais de proteína que ligam as duas células tornam possível que a corrente positiva do neurônio pré-sináptico flua diretamente para a célula pós-sináptica.
Diferenças entre sinapse quimica e sinapse elétrica
Sinapses elétricas transferem sinais muito mais rápido do que as sinapses químicas. Enquanto a velocidade de transmissão em sinapses químicas pode levar até vários milissegundos, a transmissão em sinapses elétricas é quase instantânea. Onde as sinapses químicas podem ser excitatórias ou inibitórias, as sinapses elétricas são apenas excitatórias.
Enquanto as sinapses elétricas têm a vantagem de velocidade, a força de um sinal diminui à medida que viaja de uma célula para a próxima. Devido a esta perda de força do sinal, ela requer um neurônio pré-sináptico muito grande para influenciar um neurônio pós-sináptico muito menor. As sinapses químicas podem ser mais lentas, mas podem transmitir uma mensagem sem perda de força do sinal. Neurônios pré-sinápticos muito pequenos também são capazes de influenciar até mesmo grandes células pós-sinápticas.
Referências
Freberg, L.A. (2010). Discovering biological psychology, Second edition. Belmont, CA: Wadsworth, Cengage Learning.
Freberg, L.A. (2016). Discovering behavioral neuroscience. Boston: Cengage Learning.
Neurotransmissores: Podem ser neurotransmissores de molécula pequena ou neuropeptídeos. Os neurotransmissores de moléculas pequenas incluem a acetilcolina, os aminoácidos, as aminas biogênicas, o ATP e outras purinas e óxido nítrico. E os neurotransmissores neuropeptídeos são as endorfinas, dinorfinas, encefalinas e substância P.
Acetilcolina (Ach): liberada por muitos neurônios do SNP, e por alguns neurônios do SNC. A Ach é um neurotransmissor excitatório em algumas sinapses, como na junção neuromuscular. É também um neurotransmissor inibitório em outras, nas quais se liga aos receptores acoplados às proteínas. Por exemplo, a ACh diminui a frequência cardíaca nas sinapses inibitórias formadas pelos neurônios parassimpáticos do nervo vago (X).
Aminoácidos: O glutamato e o aspartato possuem efeitos excitatórios potentes. O ácido gama-aminobutírico (GABA) e a glicina são neurotransmissores inibitórios importantes. Em muitas sinapses, a ligação GABA aos receptores abre os canais de Cloro. O GABA é encontrado apenas no SNC, onde é o neurotransmissor inibitório mais comum.
Aminas Biogênicas: Aquelas prevalentes no sistema nervoso incluem a norepinefrina, a epinefrina, a dopamina e a serotonina. A norepinefrina (NE) ou noradrenalina desempenha funções no despertar, no sonhar e na regulação de humor. Tanto a norepinefrina quanto a epinefrina (adrenalina) também atuam como hormônios. A dopamina faz parte das respostas emocionais, comportamentos viciantes e experiências prazerosas. Além disso ajuda