Decisões de investimento a Curto e Longo Prazo-convertido
7 pág.

Decisões de investimento a Curto e Longo Prazo-convertido


DisciplinaMatemática Financeira41.012 materiais1.258.844 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Decisões de Investimento a Curto e Longo Prazo
Valor do Dinheiro no Tempo
A circulação dos recursos é importante para as atividades das pessoas, das empresas e de todas as formas de organização. Os agentes superavitários têm recursos sobrando, e podem emprestá-los para os agentes deficitários.
Em face da diversidade de possibilidades de investimentos, é preciso conhecer técnicas que avaliem as condições em que são realizados e quais as possibilidades de retorno existentes.
A primeira noção importante para esse estudo é o valor do dinheiro no tempo: O dinheiro recebido hoje tem mais valor do que a mesma quantia de dinheiro recebida amanhã. Mesmo que não exista inflação, que os preços permaneçam constantes, que as necessidades das pessoas não mudem, a possibilidade de comprar um produto hoje, fazer um investimento hoje, desfrutar um serviço hoje; vale mais do que a mesma possibilidade amanhã. Essa é a Teoria da Preferência pela Liquidez.
Como o dinheiro vale mais hoje do que amanhã, então quem tem o recurso, o agente superavitário, só abre mão do consumo hoje, se for receber um valor maior no futuro. O que faz os recursos aplicados hoje aumentarem de valor no futuro? As taxas de juros.
Inflação
A inflação e\u301 caracterizada por aumento geral de preços, com consequente perda de poder aquisitivo da moeda. Ela atinge cada indivíduo ou família de forma particular e com intensidade diferente. Ao contrário, se ocorrer uma redução geral de preços, o fenômeno chama-se deflação.
Principais índices de Inflação no Brasil:
INPC-IBGE (Índice Nacional de Preços ao Consumidor, da Fundação IBGE)
Esse índice começou a ser calculado a partir de setembro de 1979 pela FIBGE (Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e reflete a variação de preço da cesta básica em supermercados, feiras, mercearias, domicílios etc., das famílias com rendas na faixa de um a oito salários mínimos, das principais regiões metropolitanas.
IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, da Fundação IBGE)
O IPCA e\u301 um importante índice de preços para a execução da política monetária do Banco Central do Brasil, adotado a partir de julho de 1999. E\u301 calculado e divulgado mensalmente pela FIBGE, de forma semelhante ao do INPC, e reflete a variação dos preços das cestas de consumo das famílias com renda mensal de um a 40 salários mínimos.
Resumindo: o dinheiro é aplicado hoje, para ser remunerado a uma taxa de juros i, que cubra todos os aspectos de remuneração do custo do dinheiro: recuperação do poder de compra daquele recurso, em função da inflação; remuneração pelo risco de não se receber o dinheiro de volta, ou no caso de títulos financeiros, remuneração pela dificuldade de revender esse papel no mercado e ainda a remuneração pelo risco de as taxas de juros básicas vierem a mudar ao longo do período de aplicação.
Naturalmente quem toma recursos emprestados deverá arcar com o pagamento dessa taxa de juros.
Valor Presente ou Capital: PV ou C
É o valor emprestado no início do período. Valor presente hoje do empréstimo ou da aplicação.
Taxa de Juros: i
Expresso em percentual. É a remuneração a ser paga pelos recursos emprestados.
Valor Futuro ou Montante: FV ou M
É o montante a ser devolvido ou resgatado ao final do prazo do empréstimo ou período de aplicação.
Prestação: PMT
Prestação ou pagamentos intermediários.
Períodos: n
Número de períodos da aplicação.
Juros: J
Valor Total de Juros Pagos. Formas de Capitalização
Como se calculam os juros? Os juros pagos são calculados como percentuais do valor emprestado. A forma como esse valor de juros é somada ao valor emprestado se chama capitalização. Em uma situação simples, o cálculo dos juros é direto: toma o recurso emprestado e, no vencimento, paga o principal mais os juros, segundo o princípio da capitalização simples.
Porcentagem
\u201cUma taxa pode ser expressa em forma unitária, mas e\u301 expressa geralmente em porcentagem.
A palavra porcentagem, ou percentagem (per + cento + agem), corresponde a uma fração de cem (cento) de qualquer coisa mensurável. Por exemplo, um valor que representa \u201cdez por cento\u201d de um número qualquer pode ser escrito da seguinte forma: 10%. Na forma fracionaria, seria expressa como: 10/100. A fração mostra que o número 10 esta\u301 sendo dividido por 100 e o resultado em forma unitária e\u301 0,1. Logo, 100%, que pode ser escrito 100/100, e\u301 igual a 1.
Os cálculos devem ser feitos com a taxa de juro em forma unitária, isto e\u301, com a taxa expressa em percentual dividida por 100. O resultado de um cálculo, em forma unitária, deve ser multiplicado por 100, para retorna-lo a\u300 sua forma original e expressa- lo em \u201cpor cento\u201d. Podemos afirmar que 0,10 = 10% ou 1 = 100%. \u201d
Taxa de juro comercial e taxa de juro exato
Juro comercial: e\u301 calculado com base em ano comercial de 360 dias. Ao ano: (a.a) \u2013 360 dias
Ao semestre: (a.s) \u2013 180 dias Ao mês: (a.m) \u2013 30 dias
Juro Exato: e\u301 calculado com base em ano civil de 365 dias (ou 366 dias em anos bis\u2022 sextos).
Capitalização Simples ou Juros Simples
A capitalização Simples, o valor de juros a ser pago é calculado sempre sobre o principal emprestado.
Por exemplo: Uma empresa toma $ 1.000,00 emprestado, para pagar dali a um mês, com juros de 5% ao mês.
PV = 1.000,00
n = 1 mês FV = ?
i = 5% a.m. => 5/100= 0,05 PV = 1.000,00
J=PV.i.n
J= 1.000,00x0,05x1 J= 50,00
FV=PV(1+i.n)
FV= 1.000,00(1+0,05x1) FV= 1.000,00(1,05)
FV = 1.050,00
O tomador do empréstimo vai pagar: Juros= 50,00 e Montante no vencimento= 1.050,00
Sempre que você estiver em face de um problema de valor do dinheiro no tempo, siga:
Desenhe a linha do tempo
Identifique as variáveis que você já conhece, lembre-se de que as taxas vêm expressas em percentual e devem ser transformadas em decimal.
Identifique qual é a sua dúvida, ou que você precisa calcular.
Capitalização Composta ou Juros Compostos
As operações financeiras realizadas no regime de capitalização composta são as mais usuais no ambiente dos negócios. O empréstimo é realizado por determinado número de períodos, e os juros de cada período vão sendo incorporados ao principal emprestado.
Por exemplo: A empresa contraiu um empréstimo de $ 20.000,00 para quitar dali a dois meses, pagando juros de 3% ao mês, no regime de capitalização composta.
PV = 20.000,00
n= 2 meses
i= 3% a.m. => 0,03 ao mês
FV=PV(1+i)n
FV = 20.000,00(1+0,03)2
FV = 20.000,00(1,03)2
FV = 20.000,00(1,0609)
FV = 21.218,00
Série de Pagamentos
Quando ocorrerem mais de uma entrada e/ou mais de uma saída de recursos, durante a operação, temos uma série de pagamentos.
VALOR ATUAL DE UMA RENDA IMEDIATA (postecipada) ( 0 + n)
O primeiro pagamento será dado no final do primeiro período VALOR ATUAL (Valor à vista, Valor Presente).
Por exemplo: João comprou um carro que irá pagar em quatro prestações mensais de R$ 2.626,24 sem entrada. As prestações serão pagas a partir do mês seguinte ao da compra e o vendedor afirmou estar cobrando uma taxa de juros compostos de 2% a.m. Qual o preço do carro à vista?
PMT = 2.626,24	POSTECIPADA
i = 2% am n = 4 meses PV = ?
POSTECIPADA
PV = PMT x [(1 + i)n \u2013 1/(1 + i)n x i]
PV = 2.626,24 x [(1+ 0,02)4 \u2013 1/ (1+ 0,02)4 x0,02]
PV = 2.626,24 (1,02) 4 \u2013 1
(1,02) 4 x0,02
PV = 2.626,24 x 1,08243216 \u2013 1
0,02164864
PV = 2.626,24 x	0,08243216
0,02164864
PV = 2.626,24 x 3,80772926
PV = 10.000,00
VALOR ATUAL DE UMA RENDA ANTECIPADA (1 + n-1)
O primeiro pagamento dado no início do período.
Por exemplo: Uma dona de casa compra um televisor em cores em 24 prestações de 630,64, sendo que a 1a. prestação é dada como entrada. Sabendo - se que a taxa de mercado é de 4 % a.m. Qual seria o valor do T.V. à vista ?
n = 24	PMT = 630,64	ANTECIPADA	i = 4% a.m.	PV = ?
PV = PMT x [(1+i)n \u2013 1/ (1+i)n¯¹ x i]
PV = 630,64 (1+0,04) 24 - 1
(1+0,04) 24-1 x 0,04
PV = 630,64 (1,04) 24 - 1
(1,04) 23 x 0,04
PV = 630,64 x 2,563304 - 1
2,464716 x 0,04