A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
AD1 - Unidade I e II - Gestão de Pessoas no Setor Público - Fernando Rambolt

Pré-visualização | Página 1 de 2

Gestão de Pessoas no Setor Público 
 
Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2018 Polo: Campo Grande 
Nome: Fernando do Carmo Rambolt Matrícula: 17113110433 
1) A Unidade I apresentou a história da gestão de pessoas nas organizações. Após a 
leitura do conceito “patrimonialista liberal clássico”, apresentado nesta unidade, 
pesquise este conceito em outros materiais e faça um resumo de suas características 
com suas próprias palavras. 
R: Levando em conta este modelo, percebemos que o aparelho estatal é uma extensão de 
poder soberano. Não é determina o que separa o patrimônio do soberano do patrimônio 
público. É um modelo centralizado, podendo considerá-lo totalitário, já que não havia a 
participação popular. Percebe-se que não havia preocupação em gerir pessoas no setor 
público, como também, não havia preocupação com o bem-estar dos cidadãos, seja dentro 
ou fora da organização pública 
2) A experiência de Hawthorne, em Chicago, desenvolvida pelo psicólogo americano 
Elton Mayo foi fundamental na evolução da Gestão de Pessoas nas organizações. 
Após pesquisa, apresente de forma resumida e sistematizada o que consistiu esta 
experiência e seus principais achados. 
R: Elton Mayo e sua equipe de pesquisadores, realizaram na fábrica da Western Eletric 
Company, em Hawthorne, Califórnia – EUA, mais precisamente no ano de 1924, um 
estudo na qual deveriam investigar a influência das condições físicas de trabalho na 
produtividade e na eficiência dos trabalhadores. De início, eles achavam que o que 
influenciariam seriam os fatores físicos e econômicos, porém eles puderam concluir que 
o nível de produção é intensamente determinado pela expectativa do grupo, pelos 
benefícios, pela atenção que recebem da organização, e pela interação com seu grupo 
informal. Este estudo ficou conhecido como o início do movimento de Relações 
Humanas, o que representou a quebra de paradigma do foco na produção, priorizando as 
relações pessoais nas organizações. 
3) Na década de 1930, mais especificamente a partir de 1937, tem início o primeiro 
grande esforço de inovação do sistema público do País. De acordo com Ferreira et 
al. (2005) nesse período tem início o Estado intervencionista e que, após a 
Constituição de 1934, predominou o modelo clássico baseado em uma burocracia 
que Marcelino (2003) chama de modelo weberiano, em alusão a Weber. Nesse 
período foi criado o Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP), que 
foi fundamental para o processo de modernização da Gestão de Pessoas no setor 
pública Brasileiro. 
Após pesquisa, apresente de forma resumida e sistematizada quais eram os 
principais objetivos do DASP e a transformação que ele iniciou na administração 
pública brasileira. 
 R: Os principais objetivos do DASP foram: 
Centralizar e reorganizar a administração pública; definir política para a gestão de 
pessoal; racionalizar métodos, procedimentos e processos administrativos em geral; 
combater práticas patrimonialistas de gestão, de forma geral; modernizar a administração 
pública. 
A reforma administrativa do Estado Novo foi o primeiro esforço sistemático de superação 
ao patrimonialismo. Este esforço agiu no sentido da burocratização do Estado, por meio 
da inserção de aspectos como a centralização, a impessoalidade, a hierarquia, o sistema 
de mérito e a separação entre o público e o privado. 
4) A partir da segunda metade da década de 1950, começou a configurar-se um 
projeto nacional de desenvolvimento, o Plano de Metas do governo Juscelino 
Kubitschek. Iniciou-se, então a multiplicação de órgãos de Administração Pública 
Indireta (fundações, autarquias etc.). Quais foram as vantagens que estas fundações 
e autarquias trouxeram para a Administração Pública? 
R: Com Oliveira e Medeiros (2009), Marcelino (2003, p.644) afirmam, essas 
organizações traziam maior agilidade e flexibilidade, melhor atendimento às demandas 
da sociedade e do Estado, facilidade de aporte e de recursos e, naturalmente, facilidade 
de recrutamento, seleção e remuneração de pessoal. 
5) Uma das etapas de um planejamento estratégico de pessoas para o setor público 
é definir os principais aspectos que uma política de recursos humanos deve 
contemplar. Apresente de forma resumida os seis aspectos apresentados no livro. 
R: Os principais aspectos que uma política de recursos humanos deve contemplar são: 
Recrutamento- deve ser eficiente e rigoroso para que as pessoas contratadas possuam o 
perfil desejado; Estrutura de carreira- desenvolvimento profissional que estimule o 
servidor a buscar a sua capacitação e a melhorar seu desempenho; Uma estratégia de 
capacitação que possibilite o aprimoramento constante da força de trabalho de forma tal 
que os novos servidores atinjam o perfil desejado; Uma estrutura de incentivos com 
remuneração, benefícios, prêmios pecuniários que estimulem o servidor e reforcem a 
possibilidade d a organização cobrar um desempenho adequado; Estrutura de Avaliação: 
Possibilita verificar o desempenho, identificar as necessidades de capacitação; Uma 
estratégia de realocação e redistribuição de servidores que possibilite o alcance do perfil 
e o quantitativo desejado para cada área organizacional. 
UNIDADE II 
6) Um mesmo cargo, de acordo com o sistema de remuneração que a organização 
adota, pode ter ocupantes diferentes aos quais são atribuídos grupos de tarefas 
diferentes. Essa distribuição de funções e de tarefas pode ser mais ou menos flexível 
de acordo com o modelo de desenho de cargos que predomina na organização. Com 
se caracteriza esta flexibilização no setor público? Quais as consequências desta 
característica? 
R: A flexibilização é menor no Setor Público por conta da grande especialização dos 
cargos, algo característico do setor. Por conta disto, quanto mais segmentado e 
especializado, mais fácil de ser descrito em lei e de apresentar subjetividade. Isto interfere 
e compromete o bom funcionamento das estruturas administrativas nos dias de hoje, de 
permanentes mudanças. 
 
7) Conceitue e apresente as diferenças entre cargo, função e tarefa. 
R: Cargo: Conjunto de funções substancialmente idênticas quanto à natureza das tarefas 
e às especificações exigidas dos ocupantes. 
Função: É o agregado de tarefas atribuídas a cada indivíduo na organização. 
Tarefa: É a atividade executada por um indivíduo na organização. Ex.: atender a clientes 
externos, arquivar documentos, etc. 
8) Ainda de acordo com Bergue (2007) a especificação dos cargos públicos abrange 
4 áreas. Após leitura desta seção no livro, apresente de forma resumida estas quatro 
áreas. 
R: Intelectual: além da instrução formal, deve conter conhecimento específico e 
experiência na área, especialmente técnica. Isso deve ser fixado pela administração, 
considerando a complexidade das tarefas e os graus de iniciativa e liderança exigidos. 
 
Autoridade e responsabilidade: nos cargos públicos, os principais vetores de análise para 
essa especificação são: a extensão do poder de atuação, a esfera e a amplitude de 
autoridade e o nível de responsabilidade do servidor ocupante do cargo. 
 
Física e motora: os parâmetros de delimitação de habilidades física e motora observam: 
força, resistência, estatura, destreza e habilidades específicas. 
 
Ambiente de trabalho: essa especificação é importante, uma vez que irá determinar 
concessões de adicional de insalubridade, de periculosidade, dentre outros previstos em 
lei. Sua análise é baseada em níveis de risco, desgaste físico ou mental associados ao 
desenvolvimento das atividades do cargo. 
 
9) Três conceitos importantes para a compreensão das carreiras públicas são: níveis,