A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
TRABALHO 6 SEMESTRE

Pré-visualização | Página 2 de 4

de um lado com o outro se não estiver em igualdade, significa que há erros contabilidade da entidade. 
2.1.1 A ANÁLISE VERTICAL E HORIZONTAL.
2.1 Analise vertical é uma das importantes ferramentas nos âmbitos administrativo e imprescindível, pois esta ferramenta que ajuda tanto no momento presente são técnicas contábeis que vai oferecer diagnostico real sobre as quantas andam situação da empresa no âmbito financeiro, isso através de relatórios e informações necessárias a analise vertical permite que o administrador possa visualizar do lado passivo a parcela de participação de cada fonte de recursos, ou seja, o capital de terceiros e próprios. Podemos aqui perceber que nos anos de 2013 e 2014 houve um aumento significativo do ativo circulante quando se comparado ao ano de 2012, diminuição do ativo não circulante na participação do ativo total. 
Houve Aumento no passivo circulante em 2013 na participação do passivo total e patrimônio líquido. Percebemos a diminuição do passivo não circulante em 20 12 e 2013 na participação do passivo total e patrimônio líquido. Tivemos um aumento do patrimônio liquido no ano de 2012 e no ano 2013 tivemos uma diminuição que nos colocou na margem 2012 na participação do passivo total e patrimônio líquido. 
Na demonstração do resultado do exercício houve aumento dos custos dos bens e serviços vendidos, diminuição das despesas operacionais nos anos de 2012 e 2013 no que se refere ao ano de 2012. Aumento das receitas financeiras em 2012 e 2013 e também aumento das despesas financeiras em 2012 e2013 e o resultado liquido do exercício teve uma evolução a partir do ano de 2013 
2.1.1.1 ANALISE HORIZONTAL
Já na analise horizontal e um tipo de analise que faz com que possa ser denotado o crescimento de itens relacionados do balanço patrimonial e também da DRE demonstrações de resultado isso através de períodos que buscam caracterizar tendências O ativo total teve um aumento de 11,6 % em 2013 e de 5% em 2013. No Ativo circulante tivemos [um aumento na variação da conta em 2011 de 25,5 % e de 1,2% em 2013;
 No Ativo não circulante houve aumento de 5% em 2012 e de 6,6% em 2013; tivemos uma variação positiva pelo que podemos analisar em seu passivo total de 11% em 2012 e uma variação positiva de 5% em 2013. O passivo circulante teve variação de 10% em 2013 e de 27% em 2013. O não circulante teve variação positiva de 82,9% em 2013 e de 89% em 2013 No patrimônio liquido tivemos variações positivas de 18% em 2013 e em 2013 ficaram 99,19% em comparação a 2012. Tivemos variação positiva na receita de vendas de 7,9% em 2013 e de 9% em 2013, Houve também variação nos Custos dos bens e serviços vendidos de 8,9 em 2012 e 12% em 2013. O resultado bruto teve variação positiva de 7,4% em 2011 e de 8% em 2013. tivemos variação positiva na conta resultado antes dos juros e não operacional de 12,8% em 2012 e de 3% em 2013. Variaram positivamente as receitas financeiras 39,8 % em 2012 e 25,8 em 2013, despesas financeiras variaram negativamente em 60% em 2011 e 6% em 2013 o resultado antes IR/CSSL e deduções teve aumento de 8% em 2012 e 4% em 2013 e a Provisão para IR e CSLL teve aumento de 5,9% em 2013 e diminuição (positiva) de 81.6% O resultado líquido das operações continuadas teve variação de 8,9% em 2012 e 8,8 em 2013. Resultado líquido do exercício teve variação positiva de 8,9% em 2012 e 8,8 em 2013.
3. PLANEJAMENTOS TRIBUTÁRIOS
 Para tratar de Contabilidade Tributária, antes de qualquer coisa se faz necessário o entendimento do termo tributo. Conforme Fabretti (2009), tributo pode ser entendido como um pagamento compulsório em moeda, que não constitua sanção por ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. 
Dentre as várias ramificações que a Contabilidade pode tomar uma delas, conforme Fabretti (2003) refere-se a Contabilidade Tributária, que cuida dos aspectos envolvendo desde a emissão de documentos fiscais e sua escrituração, até a geração de informações necessárias ao controle e acompanhamento das obrigações impostas pela legislação fiscal aplicável. 
 
3.1SENDO O DIRETOR DA EMPRESA. EDIFICA 
O planejamento tributário é a escolha de alternativas de ações ou emissões licitas que possibilita a redução da carga tributaria da empresa trazendo um resultado melhor financeiro para a empresa visando melhor resultado. De uma empresa ou cooporação Um planejamento tributários não e tão simples quanto alguns empresários interpretam com a margem de lucro cada vez mais enxutas em decorrência da forte concorrência em todos os segmentos, um bom planejamento tributário certamente fara a diferença em uma negociação.
 Planejamento tributário ou Elisão Fiscal é a forma legitima e lícita de alcançar a redução da carga tributaria feita de acordo com o ordenamento jurídico e constitucional que todo contribuinte possuem direitos de gerir seus negócios com liberdade em favor de seus interesses, ainda que limitado às obrigações correspondentes. 
Planejar tributos é um direito tão Essencial quanto planejar o fluxo de caixa ou fazer investimentos podemos dizer que hoje temos vários tributos regime tributário refere-se a um conjunto de leis que rege a forma de tributação de um país.
O enquadramento de cada um destes regimes depende basicamente do faturamento da empresa, e cada um possui suas vantagens peculiares que devem ser administradas para que a carga tributária seja a menor possível. No Brasil, são três os regimes Simples Nacionais: De acordo com a Secretaria da Receita Federal, o Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte SIMPLES um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 14.12.200, aplicável às Microempresas e às Empresas de Pequeno Porte, a partir de 01.07.2007.
Consideram-se Microempresas (ME) para efeito de Simples Nacional, o empresário, a pessoa jurídica, ou a ela equiparada, que aufira em cada ano calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 240.000,00. Já as Empresa s de Pequeno Porte (EPP) são empresários, pessoas jurídicas, ou a elas equiparadas,13 que venham auferir em cada ano -calendário receita bruta superior a R$ 240.000,00e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00.Lucro Presumido. Neste tipo de regime tributário, o montante a ser tributado é determinado com base na receita bruta, através da aplicação de alíquotas variáveis em função da atividade geradora da receita.
 Podem optar pelo lucro p resumido as pessoas jurídica, cuja receita bruta total no ano calendário anterior tenha sido iguala ou inferior a R$ 48.000.000,00 ou ao limite proporcional de R$ 4.000.000,00 multiplicados pelo número de meses de atividade no ano, se esse for inferior a 12meses. Lucro Real: É aí que deve aparecer a figura do planejamento tributário, o qual deverá exercer conscientemente a redução da carga tributária visando a melhor opção para a empresa, seja a través do lucro real ou presumido. “Lucro Real é o lucro líquido do período, apurado com observância das normas das legislações comercial e societária, ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas pela legislação do Imposto de Renda.” (SILVA, 2006, p.01).desta forma avaliamos alguns aspectos para que uma empresa na area administrativa da empresa edificaContrataria um especialista, pois é importante ter uma visão externa do contexto da empresa para avaliar e fazer o melhor diagnóstico já que a empresa EDIFICA esta incerida em todo o pais .
 Realizava uma pesquisa de satisfação com os clientes antigos e também com os novos para ajudar a identificar o que está acontecendo e como que os clientes estão vendo a sua empresa. E também ouvir os funcionários, pois a visão deles pode ser valiosa para encontrar uma saída para o problema, já que os empregados costumam discutir muitos assuntos empresariais e têm uma preceptiva diferente do responsável pelo empreendimento.
 É necessário evidenciar todos os planos da organização,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.