A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
234 pág.
LEGISLAÇÃO FISCAL, TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA (86)

Pré-visualização | Página 50 de 50

A partir do estudo desta unidade o acadêmico estará apto a identificar que: 
• A Previdência Social encontra amparo na CRFB/88, na Lei nº 8.212/91, denominada Lei de 
Custeio (LCP), na Lei nº 8.213/91 – Lei de Benefícios Previdenciários – LBP e no Decreto 
nº 3.048/99, no Regulamento da Previdência Social – RPS.
• A seguridade social é o gênero que possui as seguintes espécies: Previdência Social, 
Assistência Social e Saúde, ainda que apenas a primeira possui o caráter contributivo. 
• Os segurados obrigatórios, como sendo o empregado, empregado doméstico, avulsos, 
contribuintes individuais e segurados especiais. Existindo ainda a possibilidade de 
contribuirmos para a Previdência Social como segurados facultativos. 
• Os segurados facultativos podem contribuir para a Previdência se quiserem perceber uma 
remuneração superior a um salário mínimo, mas que, por ora, exige-se somente que ele 
comprove que labora no meio rural para ser considerado filiado à Previdência Social – esta 
é a contribuição deste segurado. 
• Os dependentes dos segurados são divididos em classes, sendo a primeira de dependência 
presumida e as demais devendo ser comprovada a dependência econômica. 
• Além da empresa, os segurados também precisam contribuir. Entretanto, estes possuem 
um limite na contribuição, até porque este é o limite do benefício que receberão, e aqueles 
contribuem sobre a remuneração do trabalhador, independentemente de seu valor. 
UNIDADE 3 TÓPICO 2 191
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
AUT
OAT
IVID
ADE �
1 Relacione os segurados obrigatórios da Previdência Social.
2 Relacione os dependentes reconhecidos pela Previdência Social.
UNIDADE 3TÓPICO 2192
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS
1 INTRODUÇÃO
TÓPICO 3
Os benefícios previdenciários são devidos apenas aos segurados obrigatórios ou 
facultativos da Previdência Social, ou seja, para ter direito é preciso ter contribuído por um 
tempo mínimo exigido legalmente (período de carência). 
O segurado especial é o único que ainda não paga efetivamente à previdência, 
justamente para que possa permanecer na terra/atividade rural e ser amparado pelos benefícios, 
às vezes, até recolhe, mas o valor é ínfimo sobre a nota do produtor. 
Neste sentido, podemos analisar o Art. 26 do Regulamento da Previdência Social 
(Decreto nº 3.048/99) e seu parágrafo 1º, que estabelece: 
UNIDADE 3
Art. 26 Período de carência é o tempo correspondente ao número mínimo de contribuições 
mensais indispensáveis para que o beneficiário faça jus ao benefício, consideradas a partir 
do transcurso do primeiro dia dos meses de suas competências.
§ 1º Para o segurado especial considera-se período de carência o tempo mínimo de 
efetivo exercício de atividade rural, ainda que de forma descontínua, igual ao número de 
meses necessário à concessão do benefício requerido (grifos nossos).
[...]
FONTE: Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3048.htm>. Acesso em: 30 set. 
2014.
O Art. 18 da Lei nº 8.213/91 – Lei de Benefícios Previdenciários traz a seguinte divisão 
quanto aos benefícios que passaremos a estudar:
UNIDADE 3TÓPICO 3194
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
I - QUANTO AO SEGURADO:
a) aposentadoria por invalidez;
b) aposentadoria por idade;
c) aposentadoria por tempo de contribuição; 
d) aposentadoria especial;
e) auxílio-doença;
f) salário-família;
g) salário-maternidade;
h) auxílio-acidente. 
II - QUANTO AO DEPENDENTE:
a) pensão por morte; 
b) auxílio-reclusão.
[...]
FONTE: Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm>. Acesso em: 30 
set. 2014.
De acordo com Tavares (2011, p. 131), os benefícios “são prestações pecuniárias, 
devidas pelo Regime Geral da Previdência Social, destinadas a prover-lhes a subsistência, nas 
eventualidades que os impossibilitem de, por seu esforço, auferir recursos para isso”. Pode 
ser ainda o valor que reforçará os ganhos para “enfrentar encargos de família, ou amparar, em 
caso de morte ou prisão, os que dele dependiam economicamente”. 
Iniciaremos o estudo com quadro esquemático no final de cada benefício. 
2 APOSENTADORIA
2.1 APOSENTADORIA POR INVALIDEZ
Com previsão nos Artigos 42 a 47 da LBP, Lei nº 8.213/91, e entre os Artigos 43 a 50 
do RPS (Decreto nº 3.048/99), trata-se da única aposentadoria reversível, válida enquanto o 
segurado estiver incapacitado e insuscetível de reabilitação para o trabalho (Art. 42 LBP, Lei 
nº 8.213/91). Dependerá ainda de prévia verificação por perícia médica, sendo facultado ao 
trabalhador se fazer acompanhar de médico de sua confiança (§ 1º Art. 42 da Lei nº 8.213/91).
UNIDADE 3 TÓPICO 3 195
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
O Art. 45 da LBP (Lei nº 8.213/91) traz a previsão de que o valor do benefício pode 
ser acrescido em 25% caso haja necessidade do segurado precisar de acompanhamento 
permanente de outra pessoa. 
Parágrafo único. O acréscimo de que trata este artigo:
a) será devido ainda que o valor da aposentadoria atinja o limite máximo legal;
b) será recalculado quando o benefício que lhe deu origem for reajustado;
c) cessará com a morte do aposentado, não sendo incorporável ao valor da pensão.
FONTE: Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213compilado.htm>. Acesso em: 30 set. 
2014.
Quando o segurado retornar às suas atividades ou puder ser reabilitado, cessará o 
benefício (Art. 46, Lei nº 8.213/91).
SEGURADOS COM 
DIREITO
MOTIVO DA CONCESSÃO CARÊNCIA RENDA MENSAL
TODOS OS 
SEGURADOS
I n c a p a c i d a d e p a r a 
a t i v i d a d e l a b o r a l 
insuscetível de reabilitação 
atestada por médico perito. 
12 meses no caso de 
ter sido conversão 
do benefício auxílio-
doença, sem carência 
s e o b e n e f í c i o 
for decorrente de 
acidente de trabalho. 
100% do salário 
de benefício.
 
FONTE: As autoras
2.2 APOSENTADORIA POR IDADE
A aposentadoria por idade encontra amparo no Art. 201, parágrafo 7º da CRFB/88, tendo 
passado pela reforma previdenciária da EC 20/98, com previsão na LBP (Lei nº 8.213/91) entre 
os Artigos 48 e 51 e no RPS (decreto nº 3.048/99), Artigos 51 a 54.
Para o trabalhador urbano se aposentar:
•	 Homem: 65 anos de idade. 
•	 Mulher: 60 anos de idade. 
Para o trabalhador rural a idade exigida é de: 
UNIDADE 3TÓPICO 3196
L
E
G
I
S
L
A
Ç
Ã
O
T
R
A
B
A
L
H
I
S
T
A
E
P
R
E
V
I
D
E
N
C
I
Á
R
I
A
•	 Homem: 60 anos de idade. 
•	 Mulher: 55 anos de idade. 
O período de carência é de 180 meses, conforme o Art. 142 da LBP (Lei nº 8.213/91). 
E o Art. 48, parágrafo 2º do mesmo texto legal estabelece que o:
 
Trabalhador rural deve comprovar o efetivo exercício de atividade rural, ainda que de 
forma descontínua, no período imediatamente anterior ao requerimento do benefício, por tempo 
igual ao número de meses de contribuição correspondente à carência do benefício pretendido.
O Art. 52 do RPS (Decreto nº 3.048/99) estabelece que todos os segurados terão direito 
a este benefício, e será devida: 
I - ao segurado empregado, inclusive o doméstico:
a) a partir da data do desligamento do emprego, quando requerida até noventa dias depois 
dela; ou
b) a partir da data do requerimento, quando não houver desligamento do emprego ou quando 
for requerida após o prazo da alínea "a"; e
II - para os demais segurados, a partir da