A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
CINCO NOTAS A PROPÓSITO DA QUESTÃO SOCIAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resumo do texto 
CINCO NOTAS A PROPÓSITO DA QUESTÃO SOCIAL
Autor: José Paulo Netto – pag. 41 até 49
Conceito de questão Social.
Relação entre Questão Social e processo de acumulação capitalista.
Criminalização da Questão Social
“Nova” Questão Social
Desafios atuais para o enfrentamento das expressões da Questão Social
Questão 1 - Segundo Netto, aborda a Questão Social como expressão originaria do século XIX, na Europa, diante do processo de industrialização na Inglaterra, que apresentou a instauração do Capitalismo assim como resultou na no fenômeno da pauperização, ou seja, o agravamento da situação da população trabalhadora explorada, trazendo à tona a discussão sobre a questão social. Nessa perspectiva, o autor aborda diversas compreensões acerca da questão social, no entanto, Netto afirma que esta é constitutiva do desenvolvimento do capitalismo, ou seja, segunda a tradição marxista é um termo que está intimamente ligado aos fundamentos da sociedade capitalista, da contradição capital e trabalho, que engendra as desigualdades que segundo o texto se manifestam de diversas maneiras em diferentes estágios mas todas indissociáveis da dinâmica do Capitalismo. 
Questão 2 - No modo de produção capitalista temos de um lado o capitalista e do outro o assalariado. A acumulação de capital é de suma importância para o funcionamento desse modo de produção e traz consequências negativas para os trabalhadores, pois, cria um exército de reserva e a pauperização. 
O desenvolvimento capitalista produz, compulsoriamente, a “questão social”, que está elementarmente determinada pelo traço próprio e peculiar da relação capital/trabalho- a exploração. O caráter explorador do regime capitalista se efetiva no marco das contradições e antagonismos onde se cria a riqueza social.
A questão social “tem a ver, exclusivamente, com a sociabilidade erguida sob o comando do capital” (NETTO, 2011, p. 159). São a consolidação do capitalismo e a lei geral da acumulação do capital que põe sócio historicamente as condições para a emergência e o desenvolvimento da questão social; é na reprodução do capital que se encontra a raiz da questão social, sendo esta insuperável sem a superação daquela
 Questão 3 - A criminalização da questão social acontece devido a negligencia do Estado frente a questão social e suas expressões, vão as encarar como problemas isolados das suas verdadeiras causas, a divisão desigual da riqueza produzida socialmente, configurando uma mudança nas formas de atuação do Estado diante desses problemas, na qual, os casos de política vão ser encarados como casos de polícia, como consequência há o enxugamento das políticas sociais, que se tornam cada vês mais, precárias e seletivas.
Impedem a compreensão dos nexos entre economia e sociedade, a relação entre desenvolvimento capitalista e pauperismo, levando a perda da estrutura história da “Questão Social”, seus significados de origem, sendo constantemente naturalizada.
Para os intelectuais conservadores alindados a ideologia burguesa as expressões da “questão social” como, desigualdade, fome, desemprego, violência entre outras, é vista como algo normal nas sociedade modernas, características inelimináveis de toda e qualquer ordem social. Perspectiva ideológica funcionalista, onde estas expressões são encaradas como anomia, exterior a qualquer relação entre o capital e o trabalho.
Trata-se de combater as manifestações da “questão social” sem tocar nos fundamentos da sociedade burguesa. Uma reformista para conservar.
Questão 4 - As já antes apresentadas expressões da questão social – ensino, trabalho, saúde, etc. – começam a se ramificar e atenuar em relação à abrangência de grupos sociais. As chamadas “Novas Expressões da Questão Social” se tornam um debate no meio acadêmico e profissional quanto aos reflexos dos meios de produção de uma realidade capitalista na vida da sociedade. Esse debate, não tão novo como se denomina, começa a ser estudado a partir dos Anos 70 a 80, quando começam a surgir movimentos sociais, trazendo à tona uma visão mais elaborada da própria sociedade em função das necessidades momentâneas criadas por este sistema. Essas necessidades se subdividem em grupos dependendo do grau de envolvimento, ou seja, em relação ao quanto esse grupo é afetado por determinado fator. Até que chega um ponto em que esses grupos começam a compartilhar essa realidade e se mobilizam em prol da conscientização e em um momento posterior debate com um Estado omisso ao cotidiano dos mesmos. São questões éticas que influem diretamente no questionamento diário da realidade de grupos como: mulheres, moradores de periferia (atenuando quando se trata dos negros), nos que se relacionam a diversidade sexual, que transformam a sociedade após a década de 70.
Questão 5 - Primeiramente precisamos compreender assim como afirma José Paulo Netto que não há uma nova questão social, mas sim novas expressões da mesma. Ademais precisamos compreender que os desafios para seu enfrentamento são os mesmo de toda história do capitalismo, a existência desse sistema econômico. Como José Paulo Netto explicita, não há como suprimir a questão social e suas expressões sem trabalharmos em sua origem, que é a exploração e o sistema de acumulação de capital.
Além disso, a sociedade burguesa, detentora dos meios de produção da propriedade privada, necessita da manutenção da questão social para a manutenção do sistema capitalista, pois a expressões da questão social levam ao desespero que leva o ser a aceitar situações degradantes como trabalhos subservientes.