A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
atividade 4 direito empresarial

Pré-visualização | Página 1 de 2

Bloco 2 - DIR05093 DIREITO EMPRESARIAL PNA (ON) - 201910.4.01
Pergunta 1
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	“A solidariedade tem previsão expressa no Código Civil entre os arts. 265 e 266, caracterizando-se pela existência de uma pluralidade de credores e/ou devedores vinculados a uma obrigação inteira, originada de previsão legal ou pela simples vontade das partes. De maneira semelhante, o direito tributário também comportará o instituto da solidariedade nos arts. 124 e 125 do Código Tributário Nacional, designando suas espécies, características e efeitos”.
NOVAIS, R.  Direito Tributário . 3ª edição. São Paulo: Editora Método. 2018, p. 62.
 
De acordo com a obrigação, os efeitos da solidariedade são: 
 
I.  o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais. 
II. a interrupção da prescrição, em favor ou contra um dos obrigados, favorece ou prejudica aos demais.
III. a isenção ou remissão de crédito não exonera os demais, mesmo salvo outorgado pessoalmente a um deles.
 
É correto apenas o que se afirma em
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
I e II, apenas.
	Resposta Correta:
	 
I e II, apenas.
	Feedback da resposta:
	Resposta correta. Conforme artigo 125, CTN salvo disposição de lei em contrário, os efeitos da solidariedade são: I - o pagamento efetuado por um dos obrigados aproveita aos demais; II - a isenção ou remissão de crédito exonera todos os obrigados, salvo se outorgada pessoalmente a um deles, subsistindo, nesse caso, a solidariedade quanto aos demais pelo saldo; III - a interrupção da prescrição, em favor ou contra um dos obrigados, favorece ou prejudica aos demais.
	
	
	
Pergunta 2
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	A partir da Carta Política de 1988, o princípio da capacidade contributiva foi introduzido ao sistema tributário brasileiro, instrumento este que essencial para a igualdade de arrecadação. Pois os tributos diretos são os únicos aptos a promover a distribuição justa da carga tributária.
 
Em relação a aquisição e alienação da propriedade, o imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana –IPTU:
 
I.  trata-se de um impostor extrafiscal, competência da União, tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de imóvel. 
II. trata-se de um imposto de natureza fiscal, de competência dos Municípios, tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel.
III. a base de cálculo é o valor venal do imóvel, não se considera o valor dos bens móveis mantidos em caráter permanente ou temporário para utilização, exploração, aformoseamento ou comodidade.
 
É correto apenas o que se afirma em
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
II e III, apenas.
	Resposta Correta:
	 
II e III, apenas.
	Feedback da resposta:
	Resposta correta. O imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana –IPTU trata-se de um imposto de natureza fiscal, de competência dos Municípios, tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel. A sua base de cálculo é o valor venal do imóvel, não se considera o valor dos bens móveis mantidos em caráter permanente ou temporário para utilização, exploração, aformoseamento ou comodidade. E o Imposto sobre Propriedade Territorial Rural – ITR é que trata-se de um impostor extrafiscal, competência da União, tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de imóvel.
	
	
	
Pergunta 3
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	O ato de tributar em si não possui poder de ilimitado, pois encontra regras e princípios que asseguram os direitos e conquistas históricas dos cidadãos. “Os princípios veiculados pelo art. 150 da Constituição coexistem com as demais garantias constitucionais e devem ser considerados e apreciados de forma integrada, com o objetivo maior de conferir ao Sistema Tributário Nacional um mínimo de justiça e razoabilidade”.
CAPARROZ, R.  Direito tributário Esquematizado . 2ª edição. São Paulo: Editora Saraiva. 2018, p. 202.
 
Dentre os princípios apresentados, é correto o que se afirma em:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	
princípio da irretroatividade, não há tributo sem lei anterior que o crie, por isso a regra do Direito Tributário é da irretroatividade da norma.
	Resposta Correta:
	
princípio da irretroatividade, não há tributo sem lei anterior que o crie, por isso a regra do Direito Tributário é da irretroatividade da norma.
	Feedback da resposta:
	Resposta correta. Dentre os princípios apresentados, é correto o que se afirma no Princípio da Irretroatividade, onde não há tributo sem lei anterior que o crie, por isso a regra do Direito Tributário é da irretroatividade da norma, já o princípio da legalidade, pressupõe que não há tributo que necessite sem lei anterior que o preveja; Princípio do não-confisco, a carga tributária deve se manter no limite do razoável, de forma que preserve o patrimônio do contribuinte; Princípio da capacidade contributiva, busca preservar a harmonia das cobranças, buscando de acordo com a capacidade de contribuição de cada contribuinte e no Princípio da igualdade/isonomia, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente.
	
	
	
Pergunta 4
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) também de competência da União, possui finalidade extrafiscal no que tange a atuação do poder público no cenário econômico do país com ações de estímulo ou proteção das atividades financeiras. 
 
O Imposto sobre Operações Financeiras possui em seu fato gerador, EXCETO:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	
quanto às operações estrangeiras no desembaraço aduaneiro, na saída do produto industrializado dos estabelecimentos industriais ou equiparados e na arrematação em leilão.
	Resposta Correta:
	
quanto às operações estrangeiras no desembaraço aduaneiro, na saída do produto industrializado dos estabelecimentos industriais ou equiparados e na arrematação em leilão.
	Feedback da resposta:
	Resposta correta. O Imposto sobre Operações Financeiras possui em seu fato gerador quanto às operações relativas a títulos e valores mobiliários, a emissão, transmissão, pagamento ou resgate destes, na forma da lei aplicável; quanto às operações de seguro, a sua efetivação pela emissão da apólice ou do documento equivalente, ou recebimento do prêmio, na forma da lei aplicável;  quanto às operações de crédito, a sua efetivação pela entrega total ou parcial do montante ou do valor que constitua o objeto da obrigação, ou sua colocação à disposição do interessado; quanto às operações de câmbio, a sua efetivação pela entrega de moeda nacional ou estrangeira, ou de documento que a represente, ou sua colocação à disposição do interessado. É característico do IPI às operações estrangeiras no desembaraço aduaneiro, na saída do produto industrializado dos estabelecimentos industriais ou equiparados e na arrematação em leilão.
	
	
	
Pergunta 5
0,25 em 0,25 pontos
	
	
	
	A extinção dos créditos tributários corresponde ao último elemento da relação jurídica, em que refere-se as hipóteses sua extinção, seu fim e seu término.
 
Conforme disposto no artigo 156 do Código Tributário Nacional, correspondem a essa hipótese, EXCETO:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 
compulsão.
	Resposta Correta:
	 
compulsão.
	Feedback da resposta:
	Resposta correta. O Código Tributário Brasileiro (CTN) no seu artigo 156 traz como hipóteses que extinguem o crédito tributário: I – o pagamento; II – a compensação; III – a transação; IV – remissão; V – a prescrição e a decadência; VI – a conversão de depósito em renda; VII – o pagamento antecipado e a homologação do lançamento nos termos do disposto no artigo 150 e seus §§ 1º e 4º; VIII – a consignação em pagamento, nos termos do disposto no § 2º do artigo 164; IX – a decisão administrativa irreformável, assim entendida a definitiva na órbita

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.