_artigo_sono
9 pág.

_artigo_sono


DisciplinaPsicologia Comparada55 materiais120 seguidores
Pré-visualização5 páginas
175Rev Neurocienc 2013;21(2):175-183
o
ri
g
in
al
RESUMO
Introdução. O cronotipo, ou seja, a preferência de acordar e dormir e 
as atividades diárias podem influenciar as atividades acadêmicas. Ob-
jetivo. Investigar relação do ritmo circadiano (relógio biológico), o 
turno escolar e o rendimento escolar de adolescentes de escolas pú-
blicas do município de Farroupilha/RS. Método. Foi aplicada Escala 
Matutino/Vespertino (M/V) na sala de aula para estudantes de 6° ano 
ao 9° ano do Ensino Fundamental e foi utilizado o rendimento escolar 
curricular dos mesmos. Resultados. A amostra constituiu 478 alunos 
de cinco escolas públicas do Ensino Fundamental (três municipais e 
duas estaduais), com média de idade de 12,52; 60% dos alunos eram 
matutinos e 40% eram vespertinos. Os matutinos que estudavam no 
turno da manhã apresentaram nota superior aos matutinos que estu-
davam no turno da tarde em quatro disciplinas, e os vespertinos que 
estudavam no turno da manhã apresentaram nota superiores em duas 
das nove disciplinas comparados com os que estudavam no turno da 
tarde. Conclusão. Os alunos matutinos que estudavam no turno da 
manhã apresentaram um rendimento escolar superior que os matu-
tinos do turno da tarde, como também os vespertinos em ambos os 
turnos.
Unitermos. Ritmo Circadiano, Turno, Rendimento.
Citação. Finimundi M, Rico EP, Souza DO. Relação Entre Ritmo 
Circadiano, Turno e Rendimento Escolar de Alunos do Ensino Fun-
damental.
ABSTRACT
Introduction. The cronotype or the preference that the hours of wak-
ing and sleeping and the daily activities can affect academics activities. 
Objective. To investigate the relationship of the circadian rhythm 
(biological clock), the starting time to school and school performance 
of adolescents from the city of Farroupilha/RS. Method. We ap-
plied Scale Circadian Rhythm-sleep/wake cycle for adolescents (Scale 
Morning/Evening - M/E) in the classroom for students from 6th to 
9th grades of Elementary school. Results. The sample comprised 478 
students from five public schools with a mean age of 12.52, 60% stu-
dents were morning and 40% were evening. The morning students 
that studied in the morning showed higher grades than the morn-
ing students that studied in the afternoon in four disciplines. The af-
ternoon students that studied in the morning showed higher grades 
in two of nine disciplines compared with those that studied in the 
afternoon. Conclusions. Students who study in the morning had a 
school performance that morning than the afternoon shift as well as 
the evening in both rounds.
Keywords. Circadian Rhythm, After-Hours Care, Performace Tests.
Citation. Finimundi M, Rico EP, Souza DO. Relationship Among 
Circadian Rhythm, Starting Time To School, And School Perfor-
mance In Elementary Public School.
Relação Entre Ritmo Circadiano, Turno e 
Rendimento Escolar de Alunos do
Ensino Fundamental
Relationship Among Circadian Rhythm, Starting Time To School,
And School Performance In Elementary Public School
Márcia Finimundi1, Eduardo Pacheco Rico2, Diogo Onofre Souza3
Endereço para correspondência:
Diogo Onofre Souza
Departamento de Bioquímica, ICBS, UFRGS
Rua Ramiro Barcelos, 2600 \u2013 anexo
CEP 90035-003, Porto Alegre-RS, Brasil.
E-mail: marciafinimundi@gmail.com;
diogo@ufrgs.br
Original
Recebido em: 01/06/12
Aceito em: 18/03/13
Conflito de interesses: não
Trabalho realizado no Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: 
Química da Vida e Saúde - Universidade Federal do Rio Grande do Sul 
(UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
1.Matemática, Doutora em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde; 
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Professora do Ensino 
Fundamental da Rede Municipal de Ensino de Farroupilha-RS, Brasil.
2.Biólogo, Doutor em Bioquímica; Universidade Federal do Rio Grande do 
Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
3.Médico, Doutor em Ciências (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Pro-
fessor Titular do Departamento de Bioquímica, ICBS, Universidade Federal do 
Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
doi: 10.4181/RNC.2013.21.805.9p
Rev Neurocienc 2013;21(2):175-183
o
ri
g
in
al
176
INTRODUÇÃO
O sono tem grande importância para nossa saúde 
física e mental. Cada ser humano possui sua própria regu-
laridade de acordar e dormir, seu tempo biológico inter-
no. Vários processos são regidos por ritmos estáveis e pe-
riódicos, como a luz do dia e da noite, a rotação da Terra, 
as fases da lua ou das marés. Também é assim com o ciclo 
vigília/sono, a temperatura corporal, a respiração, os ba-
timentos cardíacos, etc. O estudo destes processos se de-
nomina de Cronobiologia que, além de estudar os ritmos 
biológicos, possibilita o conhecimento das características 
dos relógios internos que controlam o tempo biológico 
de cada ser1-3. A Cronobiologia estuda a organização dos 
seres vivos no tempo, os mecanismos que a controlam e 
as alterações possíveis que a perturbam4. Além disso, in-
vestiga também quando devemos estar mais ativos ou em 
repouso, quando devemos tirar férias, quando devemos 
comer, quando é a melhor hora de aprender, entre outras 
atividades. Todas as comunicações entre os sistemas ner-
voso, cardiovascular, muscular e endócrino ocorrem de 
forma periódica e rítmica5,6.
Os seres vivos recebem inúmeras informações do 
meio em que vivem e muitas destas mensagens são rítmi-
cas. São os horários de nossa vida em comunidade (hora 
de levantar, hora de ir para a escola ou trabalho, hora de 
lazer, hora de deitar, etc.) ligados a outras periodicidades 
do meio que afetam o nosso ritmo circadiano. Um forte 
sincronizador dos ritmos circadianos do ser humano é a 
sua rotina: escola ou trabalho, comida, sono, etc. Além 
disso, o ritmo vigília/sono é um fundamental modulador 
dos ritmos biológicos. A hora de acordar e a de dormir 
constituem referências temporais, para saber como o ser 
humano está sincronizado. A manutenção desta organi-
zação temporal parece ser de grande importância para a 
preservação da saúde2,6,7.
O cérebro precisa de sono, precisa dormir para 
aprender. O sono é indispensável para o bom andamento 
da vida cotidiana8. Sua privação pode causar irritabilida-
de, mau humor, baixa tolerância e pode aumentar a im-
pulsividade e sensação de tristeza. Isto pode influenciar 
o comportamento agressivo e sexual, o uso de álcool e 
drogas2. Os seres humanos dependem da interação de vá-
rios processos distintos, incluindo o desenvolvimento e 
maturação, comportamentais e intrínsecos, como o sono 
e mecanismos circadianos, cada um desempenhando um 
papel importante durante a passagem da infância à vida 
adulta9.
A preferência em acordar ou dormir é denominada 
cronotipo, que pode ser: matutino ou vespertino, o qual 
é herdado e pode ser forçado a ceder aos hábitos diários10. 
O cronotipo se modifica durante o desenvolvimento. Na 
adolescência tende a ser menos matutino (e mais vesper-
tino) e na velhice, mais matutino (e menos vespertino).
O estudo realizado11 na cidade de Santo André \u2013 
SP (Brasil) demonstrou que os alunos com menos queixas 
de sono demonstraram melhor desempenho escolar nas 
recordações de palavras, e que possivelmente, o período 
de estudo e os hábitos de sono estão interligados e podem 
influenciar no desempenho escolar de adolescentes esco-
lares. Além disso, a irregularidade do ciclo sono/vigília 
devido aos horários escolares contribui para o aumento 
do estado de ansiedade12. A privação ou a má qualidade 
do sono reflete principalmente no desempenho escolar. A 
criança irritada, agressiva, agitada, tem mais dificuldade 
na atenção e fixação de informações e, um professor cons-
ciente da importância do sono, reagirá totalmente dife-
rente de outro que desconhece a dimensão do problema 
do ciclo sono/vigília13.
Considerando o contexto sócio