A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
267 pág.
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye

Pré-visualização | Página 28 de 50

e psiquiatras, em particular, estão cien-
tes de que 75% das mulheres obtêm pouco ou nenhum prazer 
no ato sexual." 
Wallin e Clark... distribuíram questionários a 417 mulheres, 
a maioria das quais estava casada entre dezessete e dezenove 
anos. Quase todas tinham filhos, e, aparentemente levavam 
uma vida normal. Eles queriam saber se essas mulheres 
experimantavam certas reações normais no ato amoroso, 
mesmo que não pudessem dizer que gozavam de um orgasmo 
pleno. 
Das mulheres que diziam nunca terem tido orgasmos ou o 
experimentarem raramente, metade delas respondeu que apre-
ciava "muito" as relações sexuais. 
Das mulheres que relataram terem tido alguns orgasmos, 
dois terços responderam que tinham "muito" prazer em suas 
relações sexuais.2 
109 
Nesses anos de aconselhamento matrimonial, principal-
mente de casais crentes, já observei que os homens e mulheres 
crentes experimantam o prazer orgásmico em grau mais 
elevado que os não crentes. Isso foi confirmado pelo Dr. 
Herbert J. Miles, que é conselheiro matrimonial há mais de 
quarenta anos e que efetuou uma pesquisa detalhada entre 
151 casais cristãos. Tendo sido essa uma pesquisa bem contro-
lada, já que os objetos dela eram: (1) casais jovens; (2) casais que 
haviam feito cursos de um a quatro anos em universidades 
evangélicas, e (3) casais que haviam recebido instrução pré-
nupcial do Dr. Miles, o resultado revelou que 96,1% das 
esposas experimentam o "orgasmo de forma indubitável".3 
Isso demonstra que existe uma notável diferença entre eles e a 
média dos casais não crentes. 
Nossa pesquisa, levada a efeito por 1700 casais que 
freqüentaram nossos seminários Family Life, e se mostraram 
dispostos a fazer o teste, não obteve resultados tão favoráveis 
quanto a dele. Devemos lembrar, porém, que nossa pesquisa 
abordou um raio maior de idades e cobriu vários estágios de 
desenvolvimento cristão. Além disso, foi realizada entre pes-
soas que tinham recebido pouco ou nenhum aconselhamento 
pré-nupcial. Apesar disso, 89% das mulheres pesquisadas 
responderam ter tido experiências orgásmicas. 
Ê seguro afirmar, então, que, a não ser pelas esposas 
crentes, a maioria das mulheres não atinge o orgasmo regular-
mente, no ato sexual. Na verdade, muitas nem sabem como ele 
é. 
O QUE É O ORGASMO? 
A maioria dos atuais compêndios de educação sexual é 
escrito por homens. Conseqüentemente são menos acurados, 
quando tratam de descrever o orgasmo feminino. A Dr.a 
Marie Robinson é uma psiquiatra, casada, cuja clientela é 
predominantemente feminina. Ela descreveu o orgasmo femi-
nino nos seguintes termos: 
O orgasmo é a reação fisiológica, que culmina o ato sexual, 
um clímax belo e natural... Nos instantes que precedem o 
orgasmo, a tensão muscular eleva-se a um ponto em que, se 
não fosse pela operação do instinto sexual, ela se tornaria 
fisicamente insuportável. Os movimentos pélvicos do homem e 
a movimentação do pênis, para diante e para trás, no interior 
110 
da vagina, crescem em rapidez e intensidade. Os movimentos 
pelvicos da mulher também se intensificam e todo o seu corpo 
procura, a cada movimento, aumentar a maravilhosa sensação 
que experimenta no interior da vagina. Segundo inúmeras 
mulheres com quem já debati essa experiência, o prazer é 
causado mais pela sensação de ter a vagina ocupada ou pela 
pressão e fricção na superfície posterior. 
No momento de maior tensão muscular, todas as sensações 
parecem receber um impulso para cima. A mulher experi-
menta esta tensão em um grau tão elevado que lhe parece ser 
impossível mantê-la por mais tempo. E realmente o é, pois aí 
então ela é dominada por uma série de espasmos musculares. 
Esses espasmos ocorrem no interior da vagina, produzindo 
nela ondas de intenso prazer. Essas ondas se transmitem para 
o corpo todo, simultaneamente: no tronco, rosto, braços e 
pernas — e até na planta dos pés. 
Esses espasmos que sacodem todo o corpo convergindo na 
vagina, representam e constituem o verdadeiro orgasmo. 
Nesse momento, a cabeça se encurva para trás e a extremidade 
pélvica como que se volta para diante e para o alto, numa 
tentativa de obter a maior penetração possível do pênis. Esses 
espasmos duram alguns segundos, na maioria das mulheres, 
embora essa duração varie de pessoa para pessoa, e em 
algumas delas possam chegar a um minuto ou mais, conquanto 
vão decrescendo de intensidade. 
Muitas mulheres conseguem repetir isso duas ou três vezes 
antes que o companheiro atinja o orgasmo. Neurológica e 
psicologicamente, está aberto o caminho para outro orgasmo, 
e se o marido continuar com a ativação, ela poderá reagir 
adequadamente. Já ouvi de algumas mulheres que o último 
orgasmo, por vezes, é mais intenso e satisfatório que o 
primeiro. 
Assim que a esposa se satisfaz nessa experiência orgásmica, 
ela relaxa a tensão muscular e neurológica acumulada durante 
o período de preparação. Quando alcança satisfação completa, 
sua movimentação cessa, e pouco depois a pressão sangüínea, 
e pulsação, a secreção glandular, a tensão muscular e todas as 
modificações físicas que ocorrem e que caracterizam o excita-
mento sexual, voltam às condições normais, ou até subnormais. 
Tem havido estudos detalhados das reações físicas tanto 
dos homens quanto das mulheres durante o ato sexual. Creio 
ser importante entender que, até nos menores detalhes, inclu-
sive no orgasmo, as reações e a experiência subjetiva do prazer 
são paralelas nos dois sexos. As diferenças dignas de nota são 
que a mulher reage mais lentamente que o homem ao estímulo 
111 
externo, e o orgasmo masculino é caracterizado pela ejacula-
ção do líquido seminal no interior da vagina. 
A plena satisfação sexual é seguida de um estado de calma 
total. O corpo sente-se absolutamente sereno. Psicologicamen-
te a pessoa se sente completamente satisfeita, em paz com o 
mundo e com tudo que há nele. A mulher, em particular, 
sente-se mais amorosa para com o companheiro que lhe 
proporcionou tanto gozo, e lhe deu esse arrebatamento de 
êxtase. Muitas vezes, ela deseja abraçá-lo durante algum 
tempo, e permanecer um pouco mais ao "clarão" que vai-se 
apagando. 
Como o leitor pode ver por essa descrição, o orgasmo é uma 
experiência fortíssima. Não existe outra experiência fisiológica 
ou psicológica que se compare à sua intensidade extasiante ou 
ao tremendo prazer que proporciona, É uma experiência 
singular. 4 
FRIGIDEZ OU INCAPACIDADE ORGÁSMICA? 
Muitas mulheres, erroneamente, chegam à mesma conclu-
são a que chegou uma senhora com quem falei. Diane 
pensava que era frigida. Entretanto, não o era. Estava casada 
havia talvez quinze anos quando me disse: "Embora eu 
aprecie o ato amoroso, não obtenho muita vantagem dele, a 
não ser a proximidade de meu marido." 
Grande parte da literatura que estuda o assunto tacha de 
frígidas todas as mulheres que têm dificuldades em atingir o 
orgasmo, mas isso não é correto. A Dr. a Robinson definiu a 
questão de forma excelente: 
A frigidez sexual é a incapacidade de desfrutar do amor 
físico até os limites da sua potencialidade. A mulher frigida, 
em grau maior ou menor, é aquela que bloqueou sua capaci-
dade sexual. Geralmente, ela não consegue experimentar o 
orgasmo. Quando chega a ter um, ele é fraco e insatisfatório. 
Muitas mulheres frígidas, porém, não apenas não experimen-
tam o orgasmo, mas também não possuem a capacidade de 
sentir o menor excitamento sexual. Para algumas delas, o ato 
sexual é doloroso.5 
Podemos, portanto, definir a frigidez como a ausência 
total do desejo de praticar ou desfrutar do ato sexual. 
O Dr. David Reuben, autor de três best-sellers sobre a 
sexualidade reluta em tachar de frigidez a esta condição, e 
assim cunhou a expressão incapacidade orgásmica. 
112 
Muitas das mulheres que foram diagnosticadas como 
sendo frígidas, são, na realidade,