Alfabetização e Letramento - Slides de Aula Unidade I
68 pág.

Alfabetização e Letramento - Slides de Aula Unidade I


DisciplinaAlfabetização e Letramento7.131 materiais56.292 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Unidade I
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Profa. Eliana Delchiaro
Para começar a reflexão...
Qual a relação entre alfabetização e cidadania?
\uf0a7 Freire (2008, p.150) diz que a alfabetização só tem sentido 
quando é decorrente de uma reflexão do homem sobre 
sua capacidade de refletir no mundo e sobre o mundo. 
Objetivos da disciplina
\uf0a7 Elaborar, executar e avaliar os planos de ação pedagógica.
\uf0a7 Saber articular os resultados das investigações com a prática, 
visando ressignificá-la, assim como desenvolver metodologia 
e materiais pedagógicos adequados às diferentes 
práticas educativas.
\uf0a7 Analisar as recentes contribuições das teorias educacionais 
para a aquisição da língua escrita sob a perspectiva 
do alfabetizar letrando.
Conteúdo da disciplina
\uf0a7 A teoria construtivista: principais contribuições
e possibilidades de trabalho pedagógico. 
\uf0a7 Conceito de alfabetização: história e evolução. 
\uf0a7 Propostas para aquisição da língua escrita.
\uf0a7 Oralidade e comunicação. 
\uf0a7 O ensino da escrita. O trabalho com leitura e escrita. O papel 
do professor na construção da escrita.
\uf0a7 Alfabetização e Letramento e práticas de ensino na Educação 
Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental. 
Perspectiva histórica: as marcas do caminho
\uf0a7 O homem pré-histórico já lia os sinais da natureza e os 
tentava reproduzir em mensagens nas pedras e rochas. 
Isso deu origem aos primeiros pictogramas. Sua principal 
intenção era a de se comunicar. 
Disponível em: <http://vanessa-fase3.arteblog.com.br/134490/Arte-Primitiva>
Perspectiva histórica
\uf0a7 A escrita era usada para narrar fatos cotidianos, enviar cartas 
para outras pessoas, escrever contratos, editar leis, além 
do registro da própria história.
Disponível em: <http://blogdogutemberg.blogspot.com.br/2011/06/as-origens-dos-quadrinhos-1.html>
Perspectiva histórica
\uf0a7 A representação das palavras por desenhos numa certa 
ordem, criando um significado para cada desenho, foi a 
tentativa de representar o mundo por diferentes povos \u2013
os sumérios, os chineses, os egípcios \u2013, que chegaram 
a criar uma escrita com seiscentos pictogramas.
Disponível em: <http://blogdogutemberg.blogspot.com.br/2011/06/as-origens-dos-quadrinhos-1.html>
Perspectiva histórica
\uf0a7 Com o tempo as representações foram perdendo a analogia 
com o objeto que representavam e evoluíram. Assim, os 
sumérios chegaram à escrita cuneiforme, totalmente 
convencional, em que o significante não se assemelha 
à coisa representada.
Lista de deuses feita pelos sumérios a partir da escrita 
cuneiforme no século 24 a.C.
Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Suméria>
Perspectiva histórica
\uf0a7 Os sumérios conseguiram evoluir para o mesmo estágio que 
temos hoje na escrita da nossa língua: eles criaram a 
fonetização (o uso de signos representativos de uma 
palavra para representar outra palavra).
\uf0a7 Portanto, eles já tinham percebido que a fonetização fazia 
crescer a possibilidade de representação do mundo em volta 
deles, ou seja, com o uso de signos representativos de 
palavras no intuito de representar outras, inclusive ideias 
abstratas. Exemplos: o banco (de sentar) e o banco 
(de guardar dinheiro).
Perspectiva histórica
\u201cO homem percorreu um caminho: do desenho das cavernas, 
passou pela sofisticação da combinação de gestos e sinais 
de pictogramas, até desenvolver os símbolos arbitrários, 
totalmente convencionais, que passaram de geração 
em geração como herança cultural.\u201d 
(CÓCCO; HAILLER, 1996, p.17)
A criança, ao desenhar, escreve e representa o mundo
\uf0a7 A criança percorre, no seu desenvolvimento, dentro de seu 
ambiente cultural, o mesmo caminho percorrido pela 
humanidade na organização do conhecimento:
\u201cO ser humano partiu do pictórico e construiu uma simbologia 
(alfabeto); de maneira similar a criança inicia a representação 
do mundo por meio do gesto e do desenho e chega ao símbolo 
e às regras sistemáticas reconstruindo o código linguístico
usado em sua comunidade.\u201d 
(CÓCCO; HAILLER, 1996, p.19)
Será assim tão simples uma mera 
transcrição da fala para a escrita?
\u201cA alfabetização é um longo processo circunscrito entre duas 
vertentes indissociáveis: a aquisição do sistema de escrita 
e a sua efetiva possibilidade de uso no contexto social. Mais 
do que conhecer as letras, as regras ortográficas, sintáticas ou 
gramaticais, o ensino da língua escrita requer a assimilação das 
práticas sociais de uso, contribuindo assim para a conquista 
de um novo status na sociedade.\u201d 
(SOARES, 2008). 
Má interpretação das teorias
\uf0a7 Atualmente, não temos mais dúvidas de como escrever, 
apesar de sabermos que toda língua é viva e sofre 
modificações com o tempo. Nos últimos anos, as discussões 
sobre o conhecimento das crianças têm se multiplicado. 
\uf0a7 As críticas da sociedade em relação ao que é ensinado na 
alfabetização das crianças estão presentes, principalmente 
quando muitos jovens não conseguem se expressar por meio 
de um texto escrito ou entender uma escrita quando leem.
Ler e escrever \u2013 ser cidadão
Vamos entender o que isso significou e significa politicamente?
Alfabetização \u2013 letramento e cidadania
\u201cA alfabetização é uma prática ideológica cujo valor e 
importância depende diretamente dos usos e funções 
atribuídas no contexto social.\u201d
(SOARES, 2008, p.58)
Interatividade
O homem pré-histórico já lia os sinais da natureza e os 
interpretava, assim como tentava reproduzir mensagens 
nas pedras e rochas. Isso deu origem aos primeiros pictogramas 
com intenção de se comunicar. Esta colocação relaciona-se 
com o seguinte fato:
a) A criança percorre, no seu desenvolvimento, dentro de 
seu ambiente cultural, o mesmo caminho percorrido pela 
humanidade na organização dos símbolos, da linguagem 
e do conhecimento.
b) As crianças pré-históricas já tinham capacidade de desenhar, 
embora a escrita ainda não tivesse sido inventada.
c) O homem pré-histórico tinha a mesma capacidade linguística
das crianças de quatro anos.
d) A escrita é um processo natural na vida da criança.
e) A comunicação é uma necessidade do ser humano.
Atenção aos questionamentos
O que é uma pessoa alfabetizada?
Quando podemos dizer que uma pessoa está alfabetizada?
Quais seriam as melhores práticas escolares
para a alfabetização?
Alfabetizar é...
\uf0a7 Aprender a ler e a escrever significa adquirir uma tecnologia: 
a de codificar em língua escrita (escrever) e de 
decodificar a língua escrita (ler). 
\uf0a7 Porém, somente adquirir não é o suficiente, é necessário 
se apropriar dela, o que significa fazer uso das práticas 
sociais de leitura e de escrita, articulando-as ou 
dissociando-as das práticas de interação oral, 
dependendo de cada situação vivida. 
Em outras palavras...
\uf0a7 Não basta uma criança saber ler as palavras, ela precisa 
entender o contexto na qual elas estão escritas. Isso quer 
dizer que não basta uma criança ser alfabetizada, ela 
precisa se tornar letrada, precisa saber dar significado 
àquela palavra que lê.
Como se faz isso? Essa sempre foi a preocupação 
dos educadores?
Letramento
\uf0a7 Letramento: capacidade de fazer uso adequado da leitura 
e da escrita socialmente utilizadas, conjugando-as com
as práticas orais.
\uf0a7 A escola precisa considerar a língua como um processo 
de interação entre os sujeitos construtores de sentidos 
e significados. 
\uf0a7 Entender que os sentidos e significados se constituem 
segundo as relações que cada um mantém com a língua, 
com o tema sobre o qual fala ou escreve, ouve ou vê,
com seus conhecimentos prévios, atitudes e conceitos, 
segundo a situação específica em que interagem e o 
contexto social em que ocorre a tal comunicação.