GESTÃO ADMI_Prova-A01-Tipo-005
20 pág.

GESTÃO ADMI_Prova-A01-Tipo-005


DisciplinaAdministração Gerencial53 materiais781 seguidores
Pré-visualização12 páginas
Analista de Gestão Administrativa
N do CadernooN de Inscriçãoo
ASSINATURA DO CANDIDATO
N do Documentoo
Nome do Candidato
Conhecimentos Gerais
Conhecimentos EspecíficosP R O V A
Concurso Público para Preenchimento de Vagas de
Quando autorizado pelo fiscal
de sala, transcreva a frase
ao lado, com sua caligrafia
usual, no espaço apropriado
na Folha de Respostas.
INSTRUÇÕES
Foque atenção e esforços positivos para atingir o que almeja.
A C D E
- Verifique se este caderno:
- corresponde a sua opção de cargo.
- contém 80 questões, numeradas de 1 a 80.
Caso contrário, solicite imediatamente ao fiscal da sala a substituição do caderno.
Não serão aceitas reclamações posteriores.
- Para cada questão existe apenas UMAresposta certa.
- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.
- Essa resposta deve ser marcada na FOLHADE RESPOSTAS que você recebeu.
- Procurar, na FOLHADE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.
- Verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.
- Marcar essa letra na FOLHADE RESPOSTAS, conforme o exemplo:
- Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul. Não será permitido o uso de
lápis, lapiseira, marca texto ou borracha.
- Marque apenas uma letra para cada questão. Será anulada a questão em que mais de uma letra estiver assinalada.
- Os prejuízos advindos de marcações feitas incorretamente na Folha de Respostas serão de inteira responsabilidade do can-
didato.
- Responda a todas as questões.
- Não será permitida qualquer espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem a utilização de livros, códigos,
manuais, impressos ou quaisquer anotações.
- Aduração da prova é de 4 horas, para responder a todas as questões objetivas e preencher a Folha de Respostas.
- Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.
- É proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.
VOCÊ DEVE
ATENÇÃO
Janeiro/2019
Colégio Sala Ordem
SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO
E GESTÃO DE PESSOAS
Caderno de Prova \u2019A01\u2019, Tipo 005 MODELO
0000000000000000
TIPO\u2212005
00001 0001 0001
 
2 PMREC-Conhecimentos Gerais1 
 
CONHECIMENTOS GERAIS 
Língua Portuguesa 
 
Atenção: Para responder às questões de números 1 a 6, baseie-se no texto abaixo. 
 
 
Quem não gosta de samba 
 
\u201cComo se dá que ritmos e melodias, embora tão somente sons, se assemelhem a estados da alma?\u201d, pergunta Aristóteles. Há 
pessoas que não suportam a música; mas há também uma venerável linhagem de moralistas que não suporta a ideia do que a música 
é capaz de suscitar nos ouvintes. Platão condenou certas escalas e ritmos musicais e propôs que fossem banidos da cidade ideal. 
Santo Agostinho confessou-se vulnerável aos \u201cprazeres do ouvido\u201d e se penitenciou por sua irrefreável propensão ao \u201cpecado da 
lascívia musical\u201d. Calvino alerta os fiéis contra os perigos do caos, volúpia e emefinação que ela provoca. Descartes temia que a 
música pudesse superexcitar a imaginação. 
O que todo esse medo da música \u2013 ou de certos tipos de música \u2013 sugere? O vigor e o tom dos ataques traem o melindre. Eles 
revelam não só aquilo que afirmam \u2013 a crença num suposto perigo moral da música \u2212, mas também o que deixam transparecer. O 
pavor pressupõe uma viva percepção da ameaça. Será exagero, portanto, detectar nesses ataques um índice da especial força da 
sensualidade justamente naqueles que tanto se empenharam em preveni-la e erradicá-la nos outros? 
O que mais violentamente repudiamos está em nós mesmos. Por vias oblíquas ou com plena ciência do fato, nossos 
respeitáveis moralistas sabiam muito bem do que estavam falando. 
(Adaptado de: GIANETTI, Eduardo. Trópicos utópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 23-24) 
 
 
1. Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento do texto em: 
 
(A) pressupõe uma viva percepção (2o parágrafo) = pressente uma sensorial intuição. 
(B) se empenharam em preveni-la e erradicá-la (2o parágrafo) = se habilitaram a provê-la e externá-la. 
(C) uma venerável linhagem de moralistas (1o parágrafo) = uma notória cúpula de mentores. 
(D) é capaz de suscitar nos ouvintes (1o parágrafo) = está apta a dissuadir os que a ouvem. 
(E) se penitenciou por sua irrefreável propensão (1o parágrafo) = expiou sua irreprimível inclinação. 
 
 
2. Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto 
 
(A) Por mais que se sintam ameaçados pelos mágicos poderes da música, há também os que muito a veneram por causa de 
sua força contagiante. 
 
(B) Além dos que a acolhem por amor, há também quem lhes ame os poderes, sendo a música uma força contagiante de 
encantamento e magia. 
 
(C) A força contagiante da música não se impõe apenas aos que a amam e acolhem; surge como atraente ameaça para os 
que temem seus mágicos poderes. 
 
(D) Os mágicos poderes da música são temíveis para alguns, embora menos para quem a ame sobretudo por força da magia 
em que os contagiam. 
 
(E) Muitos se deixam impor pelo poder da música, cuja força contagiante, todavia, também desperta os temores nos que os 
alimentam diante dela. 
 
 
3. O que une as posições que uma venerável linhagem de moralistas manifestou é, segundo as convicções do autor do texto, 
 
(A) o repúdio ao que há justamente de prazeroso e encantatório na música, o que revela que também eles são sensíveis aos 
efeitos dessa arte. 
 
(B) a crítica que fazem todos ao culto do ócio e da improdutividade, vícios que esses moralistas acusam a arte musical de 
disseminar entre todos nós. 
 
(C) a aversão que todos eles demonstram pelo poder democrático que a música em especial, dentre todas as artes, expande 
nas mais diversas culturas. 
 
(D) a incapacidade que todos manifestam de se sentirem de algum modo tocados pelos elementos da música que julgam 
nocivos à moralidade. 
 
(E) o reconhecimento comum de que a música, ao propiciar momentos tão agradáveis, distrai os homens de suas 
responsabilidades profissionais. 
 
 
4. A frase O vigor e o tom dos ataques traem o melindre contém um argumento semelhante ao que está nesta outra frase: 
 
(A) O que todo esse medo da música [...] sugere? (2o parágrafo) 
(B) O que mais violentamente repudiamos está em nós mesmos. (3o parágrafo) 
(C) nossos respeitáveis moralistas sabiam muito bem do que estavam falando. (3o parágrafo) 
(D) Há pessoas que não suportam a música... (1o parágrafo) 
(E) Platão condenou certas escalas e ritmos musicais... (1o parágrafo) 
Caderno de Prova \u2019A01\u2019, Tipo 005
 
PMREC-Conhecimentos Gerais1 3 
5. O verbo indicado entre parênteses deverá ser flexionado de modo a concordar com o elemento sublinhado na frase: 
 
(A) Está no texto a convicção, contra a qual a poucos (ocorrer) de se levantar, de que são irreprimíveis os efeitos gerados 
pelo ritmo musical. 
 
(B) A música, independentemente dos que nela (ter) a atenção concentrada, acaba contagiando o ambiente em que se a 
promova. 
 
(C) A Aristóteles, Platão e a outros pensadores (impressionar) vivamente a magia encantatória dos ritmos e das melodias 
musicais. 
 
(D) Crê o autor do texto que àquele a quem mais (abalar) os efeitos da música é também quem mais conhece as razões para 
temê-la. 
 
(E) Todos os ataques que contra a música se (promover) costumam partir dos que são extremamente sensíveis aos seus 
poderes. 
 
 
6. A exclusão da vírgula alterará o sentido da seguinte frase: 
 
(A) Nem todos temem a música, porque nem todos reconhecem seus mágicos poderes. 
(B) Aos que gostam da música, garante-se uma inesgotável fonte de prazer e de sensualidade. 
(C) Ao longo da História, muitos pensadores manifestaram seu temor pelos poderes da música.