AULA DA 1 A 5 MARKETING
10 pág.

AULA DA 1 A 5 MARKETING


DisciplinaAdministração de Markenting595 materiais444 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Administração de marketing - Aula 2: A evolução do conceito de marketing
INTRODUÇÃO Nesta aula serão apresentadas as orientações de cada fase da evolução do conceito de marketing: produção, produto, vendas, marketing e o desdobramento para o chamado marketing de relacionamento.
OBJETIVOS - Descrever as orientações de cada fase da evolução do conceito de marketing. Entender as orientações de cada fase da evolução do conceito de marketing. Identicar no texto \u201cMiopia em Marketing\u201d, proposto como suporte, os problemas encontrados na gestão de empresas que deniram, de maneira equivocada, seus negócios ou áreas de atuação.
A evolução do conceito de marketing Como dissemos na introdução da disciplina, a atividade de marketing é extremamente complexa e vai muito além daquilo que geralmente é percebido pela maioria das pessoas. É uma disciplina que recebe contribuições de outras áreas, como Economia, Psicologia, Estatística, Antropologia, entre outras. Através do estudo da evolução de marketing vamos compreender um pouco mais sobre a disciplina. Já sabemos que marketing é muito mais que um simples anúncio ou uma promoção de vendas.
A sua importância é tamanha que suas ações afetam até mesmo as estratégias da organização, e sua utilização e foco estão evoluindo ao longo dos anos.
Há 50 anos, na maior parte das empresas, o marketing ocupava apenas um lugar modesto no organograma, uma função menor do que recursos humanos, nanças e produção. O setor de marketing, ou simplesmente departamento comercial, era composto por alguns vendedores e empregados, e muitas vezes estava subordinado ao diretor de produção ou diretor administrativo. Porém, aos poucos, com o recrudescimento da concorrência, o aumento da oferta de produtos e serviços  e, principalmente, as mudanças no comportamento dos consumidores essa função foi-se alargando progressivamente e colocada no mesmo patamar das outras direções de produção, nanceira e de recursos humanos, atuando como uma espécie de intérprete dos anseios dos consumidores, uma função capaz de adaptar as empresas a mercados orientados para os clientes.
Para que possamos entender um pouco mais sobre o assunto, podemos dividir a história do marketing em cinco \u201cfases\u201d ou eras: orientação para produção, produto, venda, marketing e valor.
Orientação para produção Desde a Revolução Industrial até meados de 1925, havia uma demanda praticamente certa para tudo o que as empresas produziam. Não havia preocupação com maiores esforços de venda, pois tudo o que era produzido, era vendido. 
O lema dessa época era \u201cProduzir para Vender\u201d e o maior trabalho da administração era tornar mais ecientes os meios de produção. Na orientação para a produção, a preocupação era buscar informar aos clientes sobre produtos ou serviços os quais já tinham sido produzidos, na intenção de atrair o cliente até o produto; sendo que o trabalho do marketing se resumiria a entregar produtos em locais onde eles pudessem ser comprados. 
Nessa época, o marketing não gozava do status dos dias de hoje e era considerado uma atividade acessória, de pouca relevância, onde o engenheiro ou o homem das nanças estava muito acima do gestor comercial. Como nessa época a procura era maior que a oferta e os consumidores estavam ávidos por produtos e serviços, este modelo sobreviveu por um bom tempo.
Produto Essa fase foi caracterizada pelo foco demasiado no produto, deixando de lado fatores como as reais necessidades do cliente. 
A premissa básica era de que os consumidores seriam atraídos pelos produtos de \u201cmelhor desempenho\u201d, sem levar em conta os desejos e necessidades dos clientes.Theodore Levitt, em seu conceituado artigo \u201cMiopia em Marketing\u201d, publicado em 1960, explicou sobre essa falta de visão, visão curta ou obstruída das empresas, impedindo a adequada denição das reais possibilidades de mercado. Essa fase cou marcada por uma frase proferida por Henry Ford: \u201cO consumidor pode ter qualquer carro, desde que seja o modelo T na cor preta\u201d. Esse era o pensamento de marketing da época.
Venda Na fase da venda, entre 1925 e início dos anos 50, houve um aumento da produção, e a preocupação passou a ser escoar o excedente de mercadorias produzidas em larga escala ou massa. A orientação nesta fase indicava que o propósito da empresa era vender o que fabricava e não vender o que o mercado (o cliente) desejava, ou seja, a preocupação com o curto prazo, não se interessando se o cliente cou ou não satisfeito. 
Marketing Após a Segunda Guerra Mundial, os consumidores norte-americanos atingiram um padrão de vida bastante elevado. A volta dos soldados dos campos de batalha fez com que o índice de natalidade aumentasse, principalmente nos EUA. Um fato animador para o mercado de fraldas, alimentos infantis, medicamentos, roupas, brinquedos etc. 
Em seguida, houve uma outra explosão no mercado consumidor, a dos adolescentes ávidos por consumir roupas, comida e uma diversidade de produtos e serviços. Os consumidores tornaram-se mais exigentes e a venda e a propaganda já não eram os instrumentos únicos e sucientes para fazer com que as pessoas comprassem. A concorrência aumentou a oferta de produtos e serviços, possibilitando a maximização da escolha. Era o início da fase do marketing, onde tornou-se necessário saber o que os consumidores precisavam ou desejavam para, então, oferecer-lhe produtos/serviços/ideias de qualidade e valor, para que os consumidores pudessem voltar a comprar e falar bem da empresa e de seus produtos.
Valor Hoje vivemos a era do one-to-one marketing, do marketing de relacionamento, do marketing digital que, catapultada pelo recrudescimento da internet, mudou os hábitos de comunicação e consumo. Compra-se praticamente tudo por meio do computador. Diante disso, as empresas e o marketing tiveram que acompanhar essa mudança de hábito, voltando sua atenção para novos modelos de negócios como o e-commerce. 
Nesta nova era em que vivemos, o importante é a orientação para o valor, onde o que interessa é identicar diferenciais nos clientes, concorrentes e ambientes nos quais possam agregar valores, que vão além dos aspectos físicos do produto, levando em consideração a colaboração de outros públicos (stakeholders) para fazer a diferença.
Administração de marketing Aula 3: Os fundamentos do marketing
 INTRODUÇÃO Nesta aula serão apresentados os elementos do composto de marketing ou marketing  mix , o modelo dos 4 Ps, além de outros modelos como os dos 4 As e dos 4 Cs.
OBJETIVOS - Distinguir os elementos do marketing que promovem a adaptação da empresa a seus mercados. Identicar os principais modelos de marketing e suas contribuições no inter-relacionamento de uma empresa com seus mercados.
Os fundamentos do marketing Na aula de hoje apresentaremos a vocês como os prossionais de marketing usam os 4 Ps para estabelecer um plano de marketing e como ele deve reetir a melhor proposta de valor para os consumidores de um mercado-alvo bem denido.
Temos como objetivo  deste encontro também demonstrar que a administração de marketing é a aplicação prática deste processo e como os elementos do marketing mix ajudam a promover ajustes entre a demanda e a oferta, tornando-se o principal elemento do processo facilitador de trocas entre as instituições e seus clientes. Falaremos também dos outros modelos de marketing como os 4 Cs e os 4 As. O marketing procura levar o produto (ou serviço) certo, ao preço certo, no momento e no lugar certo, ao consumidor certo e, por isso, é considerado hoje como uma atividade central das instituições modernas. Para conseguir este objetivo, ele se vale de algumas ferramentas que se destinam a promover ajustes entre a demanda e a oferta, tornandose o principal elemento do processo facilitador de trocas entre as instituições e seus clientes. Ao conjunto de atividades desenvolvidas para alcançar este objetivo chamamos de sistemas de mark eting. Um destes sistemas mais conhecidos, e também mais aplicados pelos prossionais de marketing, é o modelo proposto na década de 60 pelo professor Jerome McCarthy,