A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Michael Lind

Pré-visualização | Página 11 de 11

de 1964, que promovia empregos e treinamento para os pobres, Johnson 
disse: "Isso não é de forma alguma uma proposta cínica para explorar os pobres com a 
promessa de uma apoio ou uma doação. Nós sabemos - e aprendemos a muito tempo - que 
essa resposta é sem resposta... Não estamos contentes em aceitar o crescimento interminável 
de manobras de socorro ou de assistências sociais." Quando a conta estava sendo elaborada, 
Johnson ordenou a um assistente, Lester Thurow, que removesse qualquer programa de apoio 
financeiro e disse a outro colaborador, Bill Moyers: "Você conta a [Sargent] Shriver, sem 
doleiros". 
O CAPITALISMO UTILITÁRIO E CLASSE MÉDIA DE MASSA 
 
Em 8 de novembro de 1954, em uma carta ao seu irmão Edgar, o presidente Dwight 
Eisenhower reagiu bem irritado às críticas de que sua administração prosseguia as políticas 
de seus predecessores Franklin Roosevelt and Harry Truman: “Agora, é verdade que eu 
acredito que este país está seguindo um caminho perigoso quando permite um nível tão 
grande de centralização das funções de governo. Eu sou contrário a isso - em alguns casos a 
luta é um meio bastante desesperador. Mas para atingir qualquer sucesso é bem evidente que 
o governo federal não pode evitar ou escapar das responsabilidades que a massa de pessoas, 
que inequivocamente acredita que deva ser assumida por ele… Se algum partido político 
abolir a seguridade social, seguro-desemprego, e eliminar leis trabalhistas e programas rurais, 
você não ouviria novamente o nome daquele partido na nossa história política. Há um grupo 
pequeno e fragmentado, de fato, que acredita que você pode fazer essas coisas. Entre eles há 
 
H. L. Hunt (vocês possivelmente conhecem seus antecedentes), uns poucos milionários do 
petróleo do Texas, e um eventual político ou empregadores de determinadas áreas. A 
quantidade deles é desprezível e eles são estúpidos.” 
No começo da Depressão, o governo federal quase não executou uma lei para proteger 
estadunidenses das dificuldades econômicas; por volta dos anos 1950, o programa federal de 
seguridade social e o estado federal de desemprego e programas de bem estar social criaram 
uma rede moderna de segurança para a sociedade urbana e industrial. Antes da Depressão, 
corporações tinha tudo, mas extinguiram todo o sindicalismo nos Estados Unidos; no meio da 
década de 1950, seguindo o New Deal, um entre três estadunidenses era sindicalizado. 
Quando a bolsa de valores quebrou em 1929, muitas empresas dos EUA estavam controladas 
pelos poderosos bancos de investimentos; seguindo a Segunda Guerra Mundial, gestores 
eram poderosos e o seu poderoso setor financeiro estava reduzido ao status de utilidade 
firmemente regulada. A "​class market​" para automóveis, rádios, refrigeradores, e outras 
invenções da 2ª Revolução Industrial, se tornou o mercado de massa na era Eisenhower. 
O liberal sistema de New Deal de ajuda, as exigências econômicas triunfaram em criar uma 
classe média de massa que também era um mercado de massas para produtos das indústrias e 
fazendas dos EUA. Graças ao New Deal, trabalhadores estadunidenses tinham garantido uma 
renda básica, através de leis do salário mínimo e seguro desemprego, quando aposentam era 
garantido uma renda mínima de aposentadoria com a seguridade social. A adesão de 
sindicatos acrescentaram um salário adicional de bonificação para os cidadãos em indústrias 
organizadas. Essas rendas garantiram benefícios aos negócios dos Estados Unidos de duas 
formas. Removendo a possibilidade que competidores usassem os salários miseráveis em sua 
vantagem, eles permitiriam que todos os negociantes competissem com bases de preço e 
qualidade, em vez de triunfarem sobre trabalhadores em condições de miséria. E eles 
resolveram o problema anterior ao New Deal da má-distribuição de renda e do baixo 
consumo ao disponibilizarem níveis suficientes de consumo de massa com preços adequados 
aos trabalhadores e aposentados. 
A Economia dos EUA entre às décadas de 1940 e 1970 foi a versão da economia 
associacionista imaginada pelos progressivistas dos primeiros anos do século XX, e 
incorporado com êxito nas agências de mobilização econômica da Primeira Guerra Mundial, 
o associacionismo promovido por Hebert Hoover, enquanto secretário do comércio na década 
de 1920, e com a NIRA de Franklin Roosevelt e as pequenas NIRAs que foram recriadas 
 
pouco a pouco. Os historiadores Jonathan Hughes e Louis P. Cain salientam a dimensão que 
o New Deal recriou instituições da Primeira Guerra Mundial: "O ​WIB repetiria em 1933 
como a ​National Recovery Administration (NRA). A ​United States Grain Corporation 
reapareceria nos anos 1930 como a ​Commodity Credit Corporation ​. Às atividades planejadas 
da ​Food Administration ressurgiria nas duas ​Agricultural Adjustment Acts ​. A ​Emergency 
Fleet Corporation voltaria como a ​National Maritime Administration. A ​Federal Housing 
Administration​, da década de 1930, nasceu primeiro como a ​United States Housing 
Corporation dos tempos de guerra. A ​Fuel Administration sob a ​Lever Act reapareceu, 
também na década de 1930, como a ​Bituminous Coal Division in the Interior Department​." 
Portanto, há um caminho de retorno da mobilização econômica da Primeira Guerra Mundial 
para a NIRA, além da forte regulamentação e interferência na economia dos Estados Unidos 
no Período Dourado do capitalismo estadunidense, nos meados do século XX. 
No caso Schechter de 1935, no qual a Suprema Corte derrubou o NIRA, o "frango doente" 
matou a Águia Azul. Mas a Água Azul renasceu como uma fênix. Antes dos esforços de 
desregulamentação de Jimmy Carter e a campanha de um governo federal quebrado de 
Ronald Reagan na década de 1970 e 1980, os Estados Unidos era governado por um sistema 
virtual do NIRA, caracterizado pelo oligopólio e sindicalismo nas principais indústrias de 
massa e cartéis reguladores nas em indústrias de energia, transporte e de serviços públicos, 
principalmente. A visão do Fordismo foi realizada, com altos salários para trabalhadores, 
transformados em demanda elevada por produtos de indústrias estadunidenses, numa 
economia nacional pouco afetada por investimentos e comércio estrangeiros. O New Dew 
transformou uma parte das principais indústrias, incluindo finanças, em serviços de utilidade 
pública regulados. 
A partir dos anos 1990, os democratas e republicanos neoliberais reverteram esse processo. 
Correlação não prova causalidade, mas o registro histórico é sugestivo. A classe média 
estadunidense desfrutou de seu apogeu sob um sistema de capitalismo altamente regulado, 
parcialmente cartelizado, e sofreu sob o capitalismo menos regulado que o precedeu e seguiu.