A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
AULA 7 UTI

Pré-visualização | Página 1 de 1

FISIOTERAPIA EM UTI
Aula 07: Mecânica ventilatória
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
TEMA: COMPORTAMENTO DAS PRESSÕES DURANTE A RESPIRAÇÃO; 
Comportamento elástico e resistivo do sistema respiratório.
OBJETIVOS:
Descrever a fisiologia respiratória durante a respiração espontânea e controlada;
Dissociar os componentes elásticos e resistivos do sistema respiratório;
Identificar a curva pressão X volume;
Explicar o conceito de AUTO-PEEP.
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
A respiração tem por objetivo fornecer oxigênio aos tecidos e remover o dióxido de carbono. Considerando-se esta função, a respiração pode ser dividida em quatro eventos principais: 
Ventilação pulmonar, que se refere à entrada e à saída de ar entre a atmosfera e os alvéolos pulmonares;
Difusão de oxigênio e de dióxido de carbono entre os alvéolos e o sangue;
Transporte de oxigênio e de dióxido de carbono no sangue e nos líquidos corporais, para e das células; 
Regulação da ventilação e de outros aspectos da respiração.
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
3
Os pulmões podem sofrer expansão e retração por duas maneiras: 
Pelos movimentos do diafragma para baixo e para cima, a fim de aumentar ou diminuir a altura da cavidade torácica; 
Pela elevação e abaixamento das costelas para aumentar e diminuir o diâmetro anteroposterior da cavidade torácica. 
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
4
Comportamento das pressões durante a respiração
A respiração normal e tranquila é efetuada quase inteiramente pelo primeiro desses dois métodos, isto é, pelo movimento do diafragma. 
Durante a inspiração, a contração do diafragma traciona as superfícies inferiores dos pulmões para baixo. A seguir, durante a expiração, o diafragma simplesmente se relaxa, e é a retração elástica dos pulmões, da parede torácica e das estruturas abdominais que comprime os pulmões. Todavia, durante a respiração intensa, as forças elásticas não são poderosas o suficiente para causar a expiração rápida necessária, de modo que a força adicional necessária é obtida principalmente pela contração dos músculos abdominais, que força o conteúdo abdominal para cima, contra a parte inferior do diafragma.
O segundo método para expandir os pulmões é efetuado pela elevação da caixa torácica. Esse processo determina a expansão dos pulmões, visto que, na posição natural de repouso, as costelas estão voltadas para baixo, permitindo ao esterno inclinar-se para trás, em direção à coluna vertebral. Todavia, quando a caixa torácica é elevada, as costelas se projetam quase diretamente para a frente, de modo que o esterno também passa a se mover para frente, afastando-se da coluna; em consequência, a espessura anteroposterior do tórax passa a ser cerca de 20% maior durante a inspiração máxima do que durante a expiração. 
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
5
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
6
Comportamento das pressões durante a respiração
Ventilação e Perfusão
 O processo de respiração é medido pela ventilação (frequência X profundidade da respiração). 
- Ar inspirado e gás expirado
 A perfusão pulmonar é o débito cardíaco (frequência cardíaca X débito sistólico do ventrículo direito).
- Diferença entre sangue venoso misto e artéria sistêmica;
- Reabastecer o suprimento de oxigênio no sangue que foi depletado pela produção de energia oxidativa;
- Remover o dióxido de carbono do sangue venoso que retorna.
A eficiência pulmonar depende de quão próxima a ventilação alveolar se iguala 
à perfusão.
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
7
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
8
Transporte gasoso pelo sangue
Pulmão > O² > Coração “E” > Artérias Sistêmicas;
Veias Sistêmicas > CO² > Coração “D” > Pulmão.
Comportamento das pressões durante a respiração
Para o transporte convectivo de O² pelo sangue, a concentração de O² é a variável importante. Como o oxigênio é apenas pouco solúvel em água, deve-se saber como a hemoglobina transporta o oxigênio nos eritrócitos.
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
9
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
10
Comportamento das pressões durante a respiração
Sistema respiratório
Vias aéreas superiores, médias e inferiores
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
11
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
12
Comportamento das pressões durante a respiração
Cavidade torácica
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
13
Comportamento das pressões durante a respiração
Vias aéreas superiores
 Zona de transporte
 Cavidades nasais e orais
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
14
Vias aéreas superiores
 Zona de transporte
 Condução
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
15
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
16
Vias aéreas médias
Zona de transporte
 Transição
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
17
Vias aéreas inferiores
 Zona de transporte
 Zona respiratória 
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
18
Estrutura alveolar
Os alvéolos são compostos de células do tipo I para as trocas gasosas e do tipo II para a produção de surfactante.
 Os macrófagos alveolares “neutralizam” material estranho que atinja os alvéolos.
Comportamento das pressões durante a respiração
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI
19
AVANCE PARA FINALIZAR A APRESENTAÇÃO.
VAMOS AOS PRÓXIMOS PASSOS?
Mecânica Ventilatória;
Dissociar os componentes elásticos e resistivos do sistema respiratório;
Conhecer e entender a curva pressão X volume;
Conceito da AUTO-PEEP. 
AULA 07: MECÂNICA VENTILATÓRIA
Fisioterapia em UTI
AULA 06: AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA DO PACIENTE CRÍTICO
Fisioterapia em UTI