MORALIDADE NA EDUCAÇÃO
5 pág.

MORALIDADE NA EDUCAÇÃO


DisciplinaFilosofia da Educação10.961 materiais310.600 seguidores
Pré-visualização2 páginas
INSTITUTO ESPERANÇA DE ENSINO SUPERIOR 
Docente: Ivair da Silva Costa
Discentes: Kemerson Mendes Moutinho
Disciplina: Filosofia da Educação
EDUCAÇÃO E VIDA MORAL
RESUMO
Não importa de qual seja nossa vocação ou que caminho seguimos em nossa vida, como somos educados, isso ajuda a condicionar nossas respostas ao mundo e nossa capacidade de viver de uma maneira boa e significativa.
Um propósito da educação moral é ajudar a tornar as crianças, virtuosas, honestas, responsáveis \u200b\u200be compassivas. Outra é tornar os estudantes maduros informados e reflexivos sobre questões morais importantes e controversas. Ambas as finalidades estão inseridas em um projeto ainda maior - dando sentido à vida. Na maioria dos relatos, a moralidade não é intelectualmente flutuante, uma questão de escolhas pessoais e valores subjetivos. Moralidades estão embutidas em tradições, em concepções do que significa ser humano, em visões de mundo.
Segundo Sócrates, sobre a ética, é refletido na filosofia da educação de John Dewey, essencialmente que a educação é um processo de melhorias da qualidade de vida, através de atividades significativas, conduta, ponderada, comunicativa e interativa com os outros. Para Dewey, a liberdade de ser um indivíduo pensante na sociedade é primordial. Pois, para ele, todas as ideias como morais era a própria possibilidade de conceber e expressar ideias é em si uma questão moral.
PALAVRA CHAVE: Educação; Moralidade; Pedagogia Waldorf.
ABSTRACT
No matter what our vocation is or what path we follow in our lives, how we are educated, it helps to condition our responses to the world and our ability to live in a good and meaningful way.
One purpose of moral education is to help make children virtuous - honest, responsible and compassionate. Another is to make mature students informed and reflective about important and controversial moral issues. Both purposes are embedded in an even larger project - giving meaning to life. In most accounts, morality is not intellectually fluctuating, a matter of personal choices and subjective values. Moralities are embedded in traditions, in conceptions of what it means to be human, in visions of the world.
According to Socrates, on ethics, it is reflected in John Dewey's philosophy of education, essentially that education is a process of improvements in the quality of life, through meaningful activities, conduct, thoughtful, communicative and interactive with others. For Dewey, the freedom to be a thinking individual in society is paramount. For to him all ideas as moral was the very possibility of conceiving and expressing ideas is itself a moral question.
KEYWORD: Education; Morality; Waldorf Pedagogy.
O desafio para a educação
Este é o desafio para a educação, pois reside entre a vida da comunidade e a realização do indivíduo, especialmente, parece, na América. Quando Alexis de Tocqueville escreveu sua descrição da cultura americana em 1830, ele advertiu que as influências espirituais e republicanas no estabelecimento das instituições eram necessárias para a sustentabilidade dessas. Em outras palavras, ele viu que o individualismo excessivo poderia minar a liberdade, mesmo quando Ralph Waldo Emerson começou a exaltar a virtude da autoconfiança.
Com o crescimento da industrialização, a família americana estava perdendo sua antiga intimidade com uma comunidade estável e tornando-se cada vez mais isolada no que mais tarde seria conhecida como \u201ca família nuclear\u201d. Com esse elevado senso de separação, o crescimento do individualismo força cada vez mais os adultos emergentes a ver a comunidade como algo à parte deles, e gradualmente como algo para o qual eles podem não ter muita responsabilidade.
Hoje, o filósofo Alasdair MacIntyre e outros apontam para um colapso da vida comunitária que leva ao desenraizamento do indivíduo. Essa situação de não cooperação entre o indivíduo e a sociedade reflete-se no estreitamento de metas para a educação pública, ou seja, pouca atenção é dada à vida moral ou comunitária.
O filósofo canadense Charles Taylor, embora apontando para os \u201cmalaios\u201d da sociedade moderna, também sugere que há uma vantagem moral em enfatizar o self, que ele chama de \u201cética da autenticidade\u201d. Talvez, diz ele, a auto-realização mascara um ideal moral, o de ser fiel a si mesmo.
Eu gosto de imaginar o indivíduo \u201cautêntico\u201d sentindo uma responsabilidade pelo bem comum da comunidade em que ele vive. A vida moral, então, combinaria com as motivações internas e externas. Dessa forma, entra o x da questão, como podemos educar para essa visão? Quais são as nossas responsabilidades com os outros, com nós mesmos, com a comunidade local e com a sociedade como um todo?
Premissas sobre arte e moralidade
Em sua República, Platão lançou o terreno para um sentimento reverente em relação à arte em seu significado moral, educacional e político. Dentro desse ponto de vista tradicional, há muitos pensadores modernos, incluindo o falecido romancista John Gardner, que afirmava que a arte é essencialmente e principalmente moral e vivificante, tanto em seu processo quanto no que diz:
A arte verdadeira é, por natureza, moral. Nós reconhecemos a verdadeira arte por sua cuidadosa e completamente honesta busca e análise de valores. Não é didático porque, em vez de ensinar com autoridade e força, explora, de mente aberta, para aprender o que deveria se ensinar... A arte moral testa valores e desperta sentimentos confiáveis \u200b\u200bsobre o melhor e o pior na ação humana.
Aqui Gardner ecoa Dewey e prenuncia pensadores como o filósofo educacional John Rethorst. Citando Iris Murdoch, que diz que \u201censinar arte é ensinar a moral\u201d, John Rethorst argumenta que tanto a arte quanto a moral são \u201cboas para a alma\u201d e, além disso, ambas são fundamentalmente empreendimentos da imaginação. É o aluno totalmente engajado e imaginativo que recebe a melhor educação moral, simplesmente assumindo um papel ativo na compreensão e também a responsabilidade pela autoeducação.
A arte e a moral são uma presença dual necessária na educação, e a imaginação é o veículo do trabalho artístico e da apreciação da arte. A partir dos processos imaginativos abertos e da ambiguidade que caracteriza a arte, surge à possibilidade da compreensão paralela da moralidade. O estado de espírito artístico é fundamentalmente moral. Depende de um sentimento profundo da verdade, de um compromisso com a justiça e da confiança nas capacidades interiores de alguém, abrangendo os ideais de pensamento imaginativo, sentimentos estimulados pelo coração e ação moral.
Waldorf: A educação baseada em valores como um processo de autodesenvolvimento
O mesmo compromisso pode ser visto em uma escola Waldorf, a casa de uma educação baseada em valores.
Os principais valores que a Educação Waldorf defende são os de reverência, confiança e fé no desdobramento gradual do ser humano em desenvolvimento. O crescimento moral é tão essencial quanto o crescimento físico e intelectual, e é nutrido em tudo, desde o menor gesto conscientemente formado (observe um professor de jardim de infância cuidadosamente dobrando um pano) até a ideia mais grandiosa elegantemente declarada (ouça um professor de ensino médio descrever o padrão floral). (Formada pelo traçado dos arcos da órbita de Vênus.) O componente moral está na reverência, seja para coisas como panos de brincar ou para verdades científicas.
Para começar a entender o desenvolvimento das crianças é necessário notar o lugar central do amor em seu crescimento, especialmente seu crescimento moral. Quando a criança é muito jovem, ela recebe o mundo e todos os seus presentes de braços abertos. O mundo é bom para a criança pequena, ela se deleita no amor de seus pais, nos cuidados que ela deve receber, incapaz, como ela é para começar a cuidar de si mesma.
À medida que a criança cresce nos primeiros sete anos, uma base para a vida está firmemente assentada, se ela puder ser preenchida com um sentimento de gratidão, como por exemplo, a luz do sol, os frutos da terra ou a luz do