A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
trabalho gestalt ED (abnt)

Pré-visualização | Página 1 de 3

Universidade Paulista
Susana Garcia Magno da Silva
Ra- D81HBH-0
Gestalt
Manaus-Am
2019
Susana Garcia Magno da Silva
Ra- D81HBH-0
Gestalt
Trabalho de curso apresentado a Universidade Paulista – UNIP, campus de Manaus- Am, como parte dos requisitos necessários para a obtenção de notas para dependência de ED sob orientação Prof.º(ª) Mayara Diefenbach
Manaus- AM
2
2019
sumário
 introdução	 04
A Psicologia da Gestalt	05
A Percepção	06
A Teoria da Forma	07
 Meio Geográfico e Meio Comportamental	08
 Campo Psicológico	10
 Insight	11
A Teoria de Campo de Kurt Lewin 	12
 Conclusão	15
Referências Bibliográficas	16
Introdução
Um dos principais temas trazido pela Gestalt é tornar mais explícito o que está implícito, projetando na cena exterior aquilo que ocorre na cena interior, permitindo assim que todos tenham mais consciência da maneira como se comportam aqui e agora, na fronteira de contato com seu meio. Trata-se de seguir o processo em curso, observando atentamente os “fenômenos de superfície” e não mergulhando nas profundezas obscuras e hipotéticas do inconsciente – que só podem ser exploradas com a ajuda da iluminação artificial da interpretação.
 
A Psicologia da Gestalt
A Psicologia da Gestalt originou-se na Alemanha, entre 1910 e 1912. A tradução da palavra alemã “Gestalt” é complexa e os termos, em português, que mais se aproximam de sua tradução seriam “forma”, “configuração”.  Os três pesquisadores que marcaram essa corrente teórica foram Marx Wertheimer, Kurt Koffka e Wolfgang Köhler. Esses pesquisadores embasaram-se nos estudos psicofísicos – os quais relacionaram a forma e sua percepção. Seus experimentos iniciaram-se com relação à percepção e sensação do movimento. Visavam entender os processos psicológicos envolvidos na ilusão de ótica, quando o estímulo físico percebido pelo sujeito possui uma forma diferente da que corresponde à realidade.
O fundador da Psicologia da Gestalt, Wertheimer, tomou por objeto a análise e compreensão do movimento aparente. Realizou experiências com dois pontos de luz, acendendo e apagando as duas luzes no escuro, em diferentes intervalos de tempo entre o acender de uma lâmpada e o apagar de outra e também em diferentes velocidades nesse intervalo. O pesquisador chegou à conclusão de que o movimento percebido nas luzes se dava na mente do sujeito, através da ilusão de ótica.
A teoria da Gestalt tem como ponto inicial e principal objeto a percepção. De acordo com os gestaltistas, o processo da percepção encontra-se entre os estímulos fornecidos pelo meio e a resposta do indivíduo. De acordo com os gestaltistas, o comportamento deveria ser observado em seus aspectos mais globais e deveria haver a consideração das condições que alteram a percepção do estímulo. É nos fenômenos da percepção que a Gestalt descobre as condições para a compreensão do comportamento do homem. A maneira como se percebe o estímulo provocará o comportamento humano. O conceito de insight é de suma importância para a Gestalt. É definido como um evento cognitivo no qual a relação e a ligação de eventos psicológicos conferem forma à figura e fazem com que o sujeito compreenda a figura formada.
A Percepção
Para os gestaltistas entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do individuo, encontra-se o processo de percepção, assim, o que o individuo percebe e como percebe são dados importantes para compreensão do comportamento humano. A gestalt faz críticas ao Behaviorismo, já que para os gestaltistas o comportamento deve ser estudado nos seus aspectos mais globais, levando em consideração as condições que alteram a percepção do estímulo já que eles se baseiam na teoria do isomorfismo, onde a parte está sempre relacionada ao todo.
 O fenômeno da percepção é norteado pela busca de fechamento, simetria e regularidade dos pontos que compõem uma figura. O campo psicológico é entendido como um campo de força que nos leva a procurar à boa-forma, tem uma tendência que garante a busca da melhor forma possível em situações que não estão muito estruturadas. Para Kurt Lewin a totalidade dos fatos que determinam o comportamento do individuo num certo momento, para ele o campo psicológico era o espaço da vida considerado dinamicamente, onde se levam em contam não somente o individuo e o meio, mas também a totalidade dos fatos coexistentes e mutuamente interdependentes; Lewin criou o conceito de grupo, onde o grupo não é a soma das características de seus membros, mas algo novo resultante de processos que ali ocorrem, transportou o nação de campo psicológico para a psicologia social, criou o conceito de campo social formado pelo grupo e o seu ambiente.  Diferente do associacionismo a psicologia da gestalt vê a aprendizagem como a relação entre o todo e a parte, para o behaviorismo e o associacionismo aprendemos porque estabelecemos relações dos objetos mais simples para os mais complexos, enquanto que para a gestalt o todo tem papel fundamental para a compreensão do objeto, considerava que a aprendizagem e a solução de problemas se relacionam com a estruturação do campo perceptual, deriva da gestalt o termo insight que designa uma compreensão imediata, quanto uma espécie de entendimento interno.
A teoria da Boa Forma
A teoria da forma, a Gestalt, preocupa – se com a indução do individuo a fazer de seu comportamento no estabelecer da boa forma da realidade, fazendo daquilo que o mesmo acredita ser real a partir de sua percepção, isto é, partindo de algo já presumidamente formado e existente em sua consciência no desenrolar da realidade. 
O que o ser percebe e como percebe são dados fundamentais e imprescindíveis para a compreensão, inclusive subjetivamente, do comportamento humano. A percepção, na teoria em questão, tende a tomar-se de uma forma mais global, mais universal, ao passo que levando em consideração as condições que alteram a percepção do estímulo, quando de forma isolada, isenta das manifestações e estímulos exteriores, a mesma pode perder o seu entendimento. Baseada na teoria do isomorfismo, buscando sempre um fechamento, simetria e regularidade dos pontos que compõem uma situação, uma imagem, um movimento etc., em que é de imenso valor a consideração dos estímulos da maneira mais ampla possível.
O nosso comportamento mantém relação estreita com estímulos exteriores. Com base nestes mesmos estímulos, podemos estabelecer determinados comportamentos, e estes quando não relacionados com estímulos externos, podem se constituir de maneiras distintas. Em determinados momentos o nosso comportamento refletirá a estímulos de maneira uniforme e homogenia, e em outros terá uma concepção totalmente equivocada do real.
O individuo tende a buscar a superação da ilusão de ótica a fim de se conseguir a boa forma, a decodificação, por exemplo, de uma imagem ou de uma situação, presente a nossa percepção com diretriz primeira. A interação do meio geográfico, o meio como ele é de fato, e a percepção do individuo, o meio resultante da soma individuo e meio geográfico, ocorre quando, concomitante a interpretação do meio físico, tem-se a reflexão dos estímulos baseados numa percepção anterior do próprio ser; tal percepção regida pelas forças da simetria, da simplicidade, do equilíbrio e da estabilidade. Quando o ser, dominado por força da percepção e sua interação com o meio físico, busca unir os elementos que compõem uma imagem ou uma situação, o mesmo se encontra dominado pela força do campo psicológico. Este, por sua vez, compreende como um campo de força que nos induz a procurar à boa – forma. O campo psicológico busca preencher as lacunas vazias de situações que não se encontram perfeitamente estruturadas para um bom entendimento da realidade. Tal processo, o de preencher as lacunas em branco e distorcido do real, acontece baseado