A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
OSTEOLOGIA

Pré-visualização | Página 2 de 3

toda a coluna vertebral, garantindo a esta, a máxima resistência aos traumas.
Entre uma vértebra e outra existem os discos intervertebrais. Articulações que servem para aumentar a elasticidade do conjunto e atenuar os efeitos de eventuais pressões.
As vértebras são em número de 24* e não são todas iguais.
7 são cervicais.
A primeira se chama Atlas.
A segunda se chama Áxis.
E a sétima é denominada vértebra proeminente.
Sendo estas 3, as únicas vértebras com nomes próprios.
Em continuação das cervicais estão 12 vértebras torácicas. Que se continuam através das costelas e se unem ao osso esterno. Fechando a caixa torácica mediante as cartilagens costais, e protegendo os órgãos contidos no tórax.
A coluna vertebral continua com as 5 vértebras lombares que têm maior tamanho porque devem ser mais resistentes para realizar a sustentação do tronco.
*A estas, seguem-se outras 5 vértebras soldadas entre si, que formam o osso sacro e, por último, as 3 ou 4 vértebras rudimentares, quase sempre soldadas entre si, que compõe o osso cóccix.
Alguns autores contabilizam também as vértebras do sacro e do cóccix, situação em que teremos, então, 33 vértebras na coluna vertebral.
As vértebras são geralmente referidas como:
Cervicais.
Da C1 até a C7. Sendo a C1 chamada de atlas. A C2 chamada de áxis.
e a C7 chamada de vértebra proeminente.
Torácicas. Da T1 até a T 12.
Lombares. Da L1 até a L5.
Sacrais. Da S1 até a S5.
Coccígeas. Da Co1 até a Co4.
As costelas, classificadas como ossos alongados, são ossos bilaterais, geralmente, em número de doze pares:
Sete pares são denominadas costelas verdadeiras.
e Cinco pares são costelas falsas.
São chamadas de costelas falsas pelo fato de não se articularem,diretamente, com o osso esterno.
Três pares destas costelas (falsas) são unidas ao esterno através da cartilagem costal.e os Dois últimos pares são chamados de costelas flutuantes, pelo fato de terem uma extremidade livre (anterior ou ventral), sem ligação com o osso esterno ou com a cartilagem costal.
ESQUELETO APENDICULAR
Os ossos dos membros superiores começam com o ombro, formado pelo Cíngulo do membro superior,
que é composto pela Escápula, osso de forma triangular, classificado como osso plano e pela Clavícula, osso alongado e curvado, situado anteriormente à escápula (osso plano).
A articulação do ombro é bastante móvel, o que permite mover o braço em quase todas as direções.
Esta articulação junto com a do quadril é uma das mais móveis e importantes do corpo humano.
O osso do braço é o Úmero, osso longo e robusto;
O antebraço é formado pelos ossos longos. Rádio e Ulna.
O Rádio tem a cabeça de forma circular, lembrando um botão redondo, como os dos aparelhos radiofônicos antigos.
A Ulna  tem o formato de uma chave de boca ou, ainda, a forma da letra U em sua epífise proximal. A cabeça do rádio é proximal enquanto a da ulna é distal.
Com os dois ossos do antebraço (rádio e ulna), se articula na sua parte inferior a mão, que é formada proximalmente por Oito Ossos carpais. São os que formam o Carpo (punho):
Fileira proximal: Escafóide - Semilunar - Piramidal - Pisiforme.
Fileira distal: Trapézio - Trapezóide - Capitato - Hamato.
Cinco ossos metacarpais. Região conhecida como Metacarpo e que corresponde à superfície dorso-palmar da mão. E são denominados:
I - (primeiro) metacarpal.
II - (segundo) metacarpal.
III - (terceiro) metacarpal.
IV - (quarto) metacarpal.
V - (quinto) metacarpal.
E, finalmente, Catorze ossos formam os dedos da mão. São conhecidos como falanges:
Proximais. médias e distais.
O polegar tem apenas duas falanges, a proximal e a distal.
Totalizando, assim, 27 ossos componentes da mão humana completa.Excluindo-se os ossos extranumerários, denominados Intratendíneos.
Os membros inferiores estão unidos ao tronco por meio do Cíngulo do membro inferior.
Formado pelos ossos do quadril, fixados pelo osso sacro. 
Antes dos quinze anos de idade, o osso do quadril é formado por de três ossos:
Ílio.
Ísquio
Púbis.
Após essa idade, os três ossos mencionados fundem-se formando o Osso do Quadril  propriamente dito.
O osso do quadril articula-se com o fêmur, osso da coxa, o mais longo e  forte de todo o corpo.
Na sua parte inferior o fêmur se une à tíbia (longo)e esta, à fíbula (longo), que são os dois ossos da perna.
Esta união tem lugar na articulação do joelho, do qual toma parte, também, o osso patela (curto sesamóide).
Por último, os ossos da perna se articulam com os do pé.
O pé é formado pelos Ossos tarsais:
Tálus.
Calcâneo.
Navicular.
Cubóide.
Cuneiformes: lateral, intermédio e medial.
Além dos ossos metatarsais(ossos longos):
I - (primeiro) metatarsal.
II - (segundo) metatarsal.
III - (terceiro) metatarsal.
IV - (quarto) metatarsal.
V - (quinto) metatarsal.
E das Falanges (ossos longos
Órgãos do sistema respiratório
O nariz (externo e interno), formado por ossos e cartilagens, apresenta duas aberturas anteriores: as narinas (que permitem a entrada do ar) e duas posteriores: os cóanos (que comunicam a cavidade nasal com a faringe)
Nas narinas encontramos as vibrissas (pêlos que ajudam a filtrar o ar inspirado). O muco nasal (popularmente: ranho) é um poderoso adesivo que prende partículas e microorganismos, evitando que eles penetrem nos pulmões. O nariz é também o órgão do olfato e participa do sentido do paladar ( quando estamos resfriados ou gripados a comida fica sem gosto). 
A cavidade nasal é o espaço situado posteriormente ao nariz e é dividida medianamente pelo septo nasal. As paredes laterais da cavidade nasal apresentam saliências: as conchas nasais, que aumentam a superfície de contato entre o ar e a mucosa da cavidade nasal. Esta mucosa filtra, aquece e umedifica o ar inspirado.
Os seios paranasais são cavidades existentes em alguns ossos do crânio e que se abrem na cavidade nasal, através de óstios. Seu revestimento é contínuo e idêntico ao da cavidade nasal. Além de reduzirem o peso do crânio, apresentam as mesmas funções da cavidade nasal.
A faringe apresenta três partes: nasal, oral e laríngea. Destas três, a parte nasal da faringe é, exclusivamente, via aérea. A parte laríngea da faringe é somente via digestória e a parte oral da faringe é um caminho comum ao ar e aos alimentos. Da parte oral o ar inspirado vai para a laringe.
A laringe, atua como passagem de ar e ajuda a evitar, através do reflexo da tosse, que corpos estranhos penetrem na traquéia. Além disto ela contem as pregas vocais (errôneae popularmente chamadas de cordas vocais), saliências músculo-ligamentares em sua luz, que produzem os sons básicos da fala, por vibrarem com a passagem do ar durante a expiração. A movimentação das pregas vocais as leva a maior ou menor tensão ( o que regula se os sons serão mais ou menos agudos) e a uma maior ou menor aproximação mediana (o que produz sons mais ou menos intensos).
A traquéia além de servir de passagem de ar também ajuda a aquecê-lo e a umedificá-lo. Termina dividindo-se em brônquios principais direito e esquerdo.
Os brônquios se ramificam progressivamente, formando a árvore bronquial, que leva o ar da traquéia aos alvéolos pulmonares. Os pulmões são formados pelo conjunto dos alvéolos, da maior parte da árvore bronquial e de tecidos de sustentação.
Inspiração e expiração
A inspiração (entrada do ar) e a expiração (saída do ar) são acompanhadas de alterações dos diâmetros da caixa torácica.
Para que a inspiração ocorra é necessário que o tórax se expanda, reduzindo assim a pressão dentro dele, o que vai permitir a expansão dos tecidos pulmonares e a sucção do ar do meio ambiente. Esta expansão do tórax ocorre no diâmetro crânio-podálico as custas da contração e consequênte abaixamento (em direção ao abdome) do músculo diafragma, constituindo o principal movimento inspiratório. Os diâmetros látero-lateral e ântero-posterior aumentam devido movimentos das costelas (mm. acessórios da respiração).
A expiração, ao contrário