ABNT 02-115 29-043 2005 - Tintas para construção civil - Det
4 pág.

ABNT 02-115 29-043 2005 - Tintas para construção civil - Det


DisciplinaPropriedades Materiais Acabamento/ Construções15 materiais18 seguidores
Pré-visualização1 página
Sede: 
Rio de Janeiro 
Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar 
CEP 20031-901 \u2013Rio de Janeiro \u2013 RJ 
Tel.: PABX (21) 3974-2300 
Fax: (21) 2220-6436 
Endereço eletrônico: www.abnt.org.br 
ABNT \u2013 Associação 
Brasileira de 
Normas Técnicas 
Copyright © 2005, 
ABNT \u2013 Associação Brasileira de 
Normas Técnicas 
Printed in Brazil/ 
Impresso no Brasil 
Todos os direitos reservados 
 JUL 2005 Projeto 02:115.29-043 
 
Tintas para construção civil \u2013 Método para 
avaliação de desempenho de tintas para 
edificações não industriais \u2013 Determinação 
do poder de cobertura em película de tinta 
seca obtida por extensão 
 
 
Origem: Projeto 02:115.29-043:2005 
ABNT/CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil 
CE-02:115.29 \u2013 Comissão de Estudo de Tintas para Construção Civil 
02:115.29-043:2005 - Paints for buildings \u2013 Method for performance evaluation for 
non industrial buildings \u2013 Determination of dry paint film hiding power by draw-down 
method. 
Descriptors: Paints for buildings.Dry paint film. Draw-down film. Hiding power 
 
Palavra(s)-chave: Tinta para construção civil, cobertura 
seca, extensão. 
 4 páginas 
 
 
 
Sumário 
Prefácio 
1 Objetivo 
2 Referências normativas 
3 Definições 
4 Aparelhagem e materiais 
5 Preparação dos corpos-de-prova 
6 Procedimento 
7 Expressão dos resultados 
8 Relatório de ensaio 
Prefácio 
A ABNT \u2013 Associação Brasileira de Normas Técnicas \u2013 é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas 
Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de 
Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (ABNT/CE), formadas por 
representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros 
(universidades, laboratórios e outros). 
Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ONS circulam para Consulta 
Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. 
1 Objetivo 
Esta Norma prescreve o método para determinar o poder de cobertura de uma película seca de tinta 
obtida por extensão por medida instrumental, visando avaliar o desempenho de tintas para construção 
civil classificadas conforme NBR 11702. 
 
 
 Projeto 02:115.29-043:2005 2 
NOTA - Este método não descreve os possíveis problemas de segurança, saúde e higiene do trabalho associada à 
sua execução. É responsabilidade do usuário estabelecer as condições adequadas de trabalho para a execução do 
teste respectivo sem qualquer tipo de risco. 
Recomenda-se que o executor deste ensaio tenha treinamento básico adequado. 
A confiabilidade dos resultados obtidos na execução deste ensaio depende das boas práticas experimentais 
principalmente no que se refere ao treinamento do usuário, ao bom estado dos equipamentos e à calibração dos 
padrões utilizados. 
 
2 Referências normativas 
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem 
prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. 
Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que 
verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT 
possui a informação das normas em vigor em um dado momento. 
NBR 12554:1992 \u2013 Tintas para edificações não industriais \u2013 Terminologia 
NBR 11702:1992 \u2013 Tintas para edificações não industriais \u2013 Classificação 
3 Definições 
Para os efeitos desta Norma aplicam-se as definições constantes da NBR 12554 e as seguintes: 
3.1 Poder de cobertura de uma película seca de tinta é a razão de contraste determinada numa extensão de tinta 
após sua secagem total. 
3.2 Razão de contraste entre duas superfícies ou em duas partes de uma mesma superfície submetidas a 
uma mesma luz incidente: Quociente entre as respectivas intensidades da luz refletida, levando-se em conta 
sempre o menor valor sobre o maior valor das intensidades, expresso em percentagem. 
4 Aparelhagem e materiais 
4.1 Aparelhagem 
4.1.1 Espectrofotômetro computadorizado com programa para o cálculo das equações de Kubelka-Munk. 
4.1.2 Aplicador eletromotorizado com sistema de vácuo e suporte para o extensor1 (ver figura 1). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
(1) Extensor de barra com abertura de 75 µm; 
(2) Suporte para o extensor; 
(3) Cartela Leneta tipo Form 3B; 
(4) Sistema de vácuo; e 
(5) Sistema guia do extensor. 
Figura 1 \u2013 Aplicador eletromotorizado com sistema de vácuo e suporte para o extensor 
 
1Aplicador eletromotorizado com sistema de vácuo e suporte para o extensor modelo BYK Gardner \u2013 PAG 3860 é um 
exemplo adequado de um equipamento comercialmente disponível. Esta informação é dada para facilitar aos usuários 
na utilização desta Norma e não significa uma recomendação do equipamento citado por parte da ABNT. Podem ser 
utilizados equipamentos equivalentes, desde que conduzam a resultados iguais. 
 
Projeto 02:115.29-043:2005 3
4.1.3 Extensor de barra com abertura de 75 µm; 
NOTA: Outras aberturas do extensor poderão ser acordadas entre as partes interessadas. 
4.2 Materiais 
4.2.1 Cartela branca e preta1. 
4.2.2 Pano macio e absorvente. 
4.2.3 Álcool para limpeza. 
4.2.4 Fita adesiva tipo crepe; 
4.2.5 Espátula 
 
5 Preparação dos corpos-de-prova 
5.1 Limpar as cartelas com pano umedecido em álcool; 
5.2 Homogeneizar o produto com auxílio da espátula; 
5.3 Posicionar a cartela sobre o aplicador eletromotorizado (Figura 1) e estender uma película de tinta (Figura 2) em 
ambiente com troca de ar à temperatura de (25 ± 2) 0C e umidade relativa do ar de (60 ± 5) %; 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 2 \u2013 Extensão da película de tinta 
 
5.4 Secar a película de tinta em posição horizontal em ambiente com troca de ar à temperatura de (25 ± 2) 0C e 
umidade relativa do ar de (60 ± 5) %, por 24 horas ± 30 minutos; 
Nota: Outras condições de secagem poderão ser acordadas entre as partes interessadas. 
6 Procedimento 
6.1 Posicionar o espectrofotômetro com o orifício de emissão de luz sobre cada uma das partes da cartela (branca e 
preta), efetuar a leitura da razão de contraste em três pontos distintos e anotar o valor médio; 
6.2 Executar o ensaio em triplicata. 
 
1 Cartela tipo Leneta 3B é um exemplo adequado de um material comercialmente disponível. Esta informação é dada 
para facilitar aos usuários na utilização desta Norma e não significa uma recomendação do material citado por parte 
da ABNT. Podem ser utilizados materiais equivalentes, desde que conduzam a resultados iguais. 
 Projeto 02:115.29-043:2005 4 
7 Expressão dos resultados 
7.1 Cálculo da razão de contraste: 
Para os casos onde não se possui o programa para o cálculo, utilizar a expressão abaixo: 
RC (%) = (Vp / Vb) x 100 
onde : 
RC - Razão de contraste em porcentagem 
Vp - valor médio de refletância obtido sobre a parte preta da cartela 
Vb - valor médio de refletância obtido sobre a parte branca da cartela 
 
8 Relatório de ensaio 
O relatório deve conter as seguintes informações: 
8.1 Identificação dos produtos utilizados; 
8.2 Resultados individuais e o valor médio das leituras; 
8.3 Condições diferentes de secagem devem ser descritas; 
8.4 Referência a esta Norma. 
 
 
___________________________