ABNT 02-115 29-048 2005 - Tintas para construção civil - Det
2 pág.

ABNT 02-115 29-048 2005 - Tintas para construção civil - Det


DisciplinaPropriedades Materiais Acabamento/ Construções15 materiais18 seguidores
Pré-visualização1 página
Sede: 
Rio de Janeiro 
Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar 
CEP 20031-901 \u2013Rio de Janeiro \u2013 RJ 
Tel.: PABX (21) 3947-2300 
Fax: (21) 2220-1762 
Endereço eletrônico: www.abnt.org.br 
ABNT \u2013 Associação 
Brasileira de 
Normas Técnicas
Copyright © 2005, 
ABNT - Associação Brasileira 
de Normas Técnicas 
Printed in Brazil/ 
Impresso no Brasil 
Todos os direitos reservados 
 JUL/2005 Projeto 02:115.29-048 
 
Tintas para construção civil- Método de ensaio 
de tintas para edificações não industriais -
Determinação do teor de sólidos 
 
Origem: 02:115.29-048 : 2005 
ABNT/CB- 02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil 
CE- 02:115.29 - Comissão de Estudo de Tintas para Contrução Civil 
Paints for buildings - Method for testing paints for non industrial buildings. Determination of 
Solids Content 
Descriptors: Paints for building. Solids Content 
 
 
Palavra(s)-chave: Tinta para contrução civil, teor de sólidos. 2 páginas 
 
Sumário 
Prefácio 
1 Objetivo 
2 Referências Normativas 
3 Definição 
4 Materiais 
5 Procedimento 
6 Expressão dos Resultados 
7 Relatório de Ensaio 
 
Prefácio 
A ABNT \u2013 Associação Brasileira de Normas Técnicas \u2013 é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo 
conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial 
(ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas 
fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). 
Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS circulam para Consulta Pública entre 
os associados da ABNT e demais interessados. 
1 Objetivo 
Esta Norma descreve o método para determinação do teor de sólidos em tintas, vernizes e seus complementos, 
classificados conforme NBR 11702. 
NOTA - Esta norma não descreve os possíveis problemas de segurança, saúde e higiene do trabalho associados a seu uso. É 
responsabilidade do usuário estabelecer as condições adequadas de trabalho para a execução do ensaio respectivo sem qualquer tipo de 
risco.Recomenda-se que o executor deste ensaio tenha treinamento básico adequado. 
A confiabilidade dos resultados obtidos na execução deste ensaio depende das boas práticas experimentais principalmente no que se 
refere ao treinamento do usuário, ao bom estado dos equipamentos e à calibração dos padrões utilizados. 
2 Referências normativas 
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta 
Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, 
recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições 
mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. 
 Projeto 02:115.29-048:2005 
 
2 
NBR 11702:1992 \u2013 Tintas para edificações não industriais \u2013 Classificação 
NBR 12554:1992 \u2013 Tintas para edificações não industriais \u2013 Terminologia 
3 Definição 
Para os efeitos desta norma aplicam-se as definições constantes da NBR 12554. 
4 Materiais 
4.1 Recipiente de metal, vidro ou cerâmica de fundo plano, de aproximadamente 75 mm de diâmetro; 
1 Nota: Utilizar a tampa no caso de material muito volátil; 
4.2 Arame de metal para uniformizar a película de tinta no fundo do recipiente; 
4.3 Estufa com circulação de ar, capaz de manter a temperatura de (105 ± 5) ºC; 
4.4 Balança Analítica com precisão mínima de 0,01 ; 
4.5 Dessecador. 
5 Procedimento 
5.1 Secar o recipiente vazio e o arame em estufa à (105 ± 5) ºC; 
5.2 Resfriar o conjunto até temperatura ambiente em dessecador; 
5.3 Pesar o recipiente vazio mais o arame ( M0 ); 
5.4 Pesar (2 ± 0,20)g da amostra no recipiente com o arame ( M1 ); 
 2 Nota: Utilizar a tampa no caso de material muito volátil. 
5.5 Espalhar a amostra pesada com o arame sobre a superfície do recipiente ; 
5.6 Colocar o recipiente e o arame na estufa à (105 ± 5) ºC até terminar o tempo de secagem de 3 horas; 
5.7 Retirar o recipiente da estufa, colocar no dessecador, deixar resfriar até temperatura ambiente e pesar até peso 
constante( M2 ); 
5.9 Executar o ensaio em triplicata. 
6. Expressão dos resultados 
6.1 Calcular o teor de sólidos em porcentagem 
% Sólidos = [ M2 - M0 ] / [ M1 - M0 ] X 100 
Onde : 
M0 = Massa do recipiente vazio em g; 
M1 = Massa do recipiente com amostra antes da secagem, em g; 
M2 = Massa do recipiente com amostra após secagem, em g. 
6.2 Calcular a média dos resultados obtidos; desconsiderar o resultado que esteja diferente de 2% da média. Neste caso, 
considerar a média dos outros dois resultados. 
6.3 No caso de um dos dois resultados ainda ser diferente da nova média, num valor superior a 2% desconsiderar este 
ensaio e realizar outro. 
7. Relatório de ensaio 
O relatório deve conter as seguintes informações: 
7.1 Identificação dos produtos utilizados; 
7.2 Valores individuais e a média, expressos com uma casa decimal; 
 
________________________