TRABALHO SICKO- FORMAÇÃO INTEGRAL EM SAUDE (corrigido)
10 pág.

TRABALHO SICKO- FORMAÇÃO INTEGRAL EM SAUDE (corrigido)


DisciplinaFormação Integral à Saúde189 materiais1.493 seguidores
Pré-visualização2 páginas
FACULDADE ANHANGUERA DE VALPARAÍSO - GO 
ENFERMAGEM 1° SEMESTRE 
 
 
AMANDA NATHALY MIRANDA CEZARIO 
 
 
 
 
 
 
COMPARAÇÃO ENTRE O SUS E OS SISTEMAS DE 
SAÚDE DE OUTROS PAÍSES APRESENTADOS NO 
SICKO 
 
 
 
 
 
 
 
 
VALPARAISO- GO 
2019 
1 
 
AMANDA NATHALY MIRANDA CEZARIO 
 
 
 
 
 
 
COMPARAÇÃO ENTRE O SUS E O SISTEMA DE SAÚDE DE OUTROS 
PAÍSES APRESENTADOS NO SICKO 
 
 
 
Trabalho apresentado na Faculdade 
Anhanguera de Valparaíso- Go, no 
curso de Bacharelado em Enfermagem, 
na disciplina de Formação Integral em 
Saúde, com requisito à obtenção parcial 
de nota. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VALPARAISO 
2019 
2 
 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
 
INTRODUÇÃO 3 
COMPARAÇÃO ENTRE O SUS E O SISTEMA DE SAÚDE DE OUTROS PAÍSES 
APRESENTADOS NO SICKO 4 
CONCLUSÃO 7 
REFERENCIAS 9 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
INTRODUÇÃO 
 
Sicko é um documentário produzido por Michael Moore (2007) que 
relata os problemas na saúde vividos pela população do Estados Unidos, que por não 
possuir um sistema universal de saúde, o que predomina são as empresas de planos 
de saúde. Para que um cidadão estadunidense possa adquirir um plano de saúde nos 
EUA, é necessário se enquadrar nos requisitos das empresas, por exemplo são 
utilizados fatores como: faixa etária, peso, sexo, e o mais inusitado: o cliente não pode 
possuir nenhum tipo de doença. Além disso, os planos de saúde no EUA não cobre 
todos os problemas de saúde que o cliente pode adquirir com o tempo, pois visam 
apenas o benefício das empresas e do próprio governo. O Documentário além de 
mostrar como as pessoas que não conseguem pagar um plano de saúde nos EUA 
lidam com os seus problemas de saúde, também relata histórias de pessoas que não 
tiveram cobertura de suas despesas pelo plano de saúde que pagavam, e por não 
terem a quem pedir socorro ficaram submetidas a essas doenças. Michael Moore 
viajou por vários países como: Canadá, Inglaterra, França e Cuba para mostrar como 
os serviços de saúde são oferecidos pelo governo aos seus habitantes nesses países, 
a fim de compará-los com os serviços prestados no EUA. Contudo, foi proposto a 
elaboração de uma comparação entre o Sistema Único de Saúde (SUS) com os 
Sistemas de saúde dos países apresentados neste documentário. Portanto, o presente 
trabalho abordará o tema proposto, comparando os Sistemas desses países com o 
Sistema de Saúde Brasileiro. 
 
4 
 
COMPARAÇÃO ENTRE O SUS E O SISTEMA DE SAÚDE DE OUTROS 
PAÍSES APRESENTADOS NO SICKO 
 
Comparando o sistema de saúde Brasileiro (SUS) com o sistema 
de saúde dos Estados Unidos, nota-se que a diferença entre eles é que os serviços de 
saúde oferecidos pelo SUS abrange desde o simples atendimento para avaliação da 
pressão arterial, por meio da Atenção Básica, até o transplante de órgãos, garantindo 
acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país inclusive 
estrangeiros (BRASIL, 2019). Já nos Estados unidos, como apresentado anteriormente, 
não existe um sistema universal gratuito de saúde, ou seja a população tem de pagar 
por todos os atendimentos, até mesmo os estrangeiros que visitam ou moram no 
país.(SICKO, 2007). 
Porém assim como ocorre no EUA, no Brasil, pessoas vão embora 
para suas casas sem possuir atendimento, não por não ter dinheiro suficiente para 
serem atendidas, já que o sistema é gratuito, mas pelo má organização nos hospitais, 
falta de equipamentos funcionantes, pela má distribuição do Governo, e a falta de 
profissionais capacitados o que acaba superlotando os hospitais, e fazendo com que o 
SUS seja visto com maus olhos pela população. Devido a esses fatores muitos 
brasileiros preferem recorrer ao atendimento particular, e pagam por planos de saúde. 
Por outro lado, comparando o SUS com os Sistema de Saúde dos 
países Canadá, Cuba, França e Inglaterra, vê-se que ambos dispõe de um sistema 
gratuito e eficaz a população, pois possuem como base a solidariedade. Segundo o 
Ministério da Saúde, são princípios do SUS: Universalização, Equidade, Integralidade, o 
que garante a promoção da saúde a todos os indivíduos sem qualquer discriminação, 
dando mais a aqueles que precisam de mais e menos a quem menos precisa, 
garantindo assim a equidade no atendimento, para que a prestação de serviços de 
saúde seja integral abrangendo desde uma simples consulta a até mesmo uma cirurgia 
5 
 
complexa. Assim como no Brasil, os Sistemas de Saúde desses 4 países abrangem um 
mesmo princípio a Universalidade, mas possuem suas especificidades e diferenças. 
Por exemplo, no Canadá o Sistema é baseado em Planos de 
Saúde, ou seja as dez províncias e os três territórios do país compõem treze planos de 
saúde distintos, mas ligados pelos princípios orientadores ditados pelo governo federal, 
garantindo, assim, mais semelhanças do que diferenças entre os planos (Conill, 2000). 
Mas, diferente do EUA onde os Planos de Saúde fazem acepção de pessoas utilizando 
vários requisitos para que esta possa ser assegurada,- como mostra o documentário 
SICKO- o sistema de saúde do canadá tem como princípio a \u201cacessibilidade\u201d que 
assegura que todos os residentes de uma província ou território devem ter acesso aos 
serviços hospitalares, médicos e cirúrgico-dentários e não podem ter seu atendimento 
impedido por nenhum tipo de barreira, como pagamento de taxas, discriminação de 
raça, idade, sexo, estado de saúde ou qualquer outra circunstância (SANTOS;MELO, 
2018). Igualmente no Brasil o SUS tem como um de seus princípios, que assemelha-se 
com o princípio de Acessibilidade do Canadá, a Universalidade que assegura a 
promoção de Saúde a qualquer indivíduo sem qualquer forma de discriminação. 
Na inglaterra o sistema de Saúde pública é o NHS, que é mantido 
pelos impostos pagos pelos habitantes do país. As partes financeiras e administrativas 
são tratadas pelas organizações envolvidas, e nenhuma contribuição pessoal pelo paciente 
é exigida. Imigrantes legais também podem usufruir do serviço, e além disso como visto no 
documentário SICKO, pessoas com mais de 60 anos ou menos de 16 não pagam por 
medicamentos, e aqueles que precisam pagar não não lesados financeiramente de 
nenhuma forma pois os preços são acessíveis (2007). 
 No Brasil, também há distribuição gratuita de medicamentos, pois a 
Política Nacional de Medicamentos do Brasil (Ministério da Saúde, 2001), aprovada pela Lei 
nº 3.916/98, assegura o acesso gratuito à medicação necessária a pacientes atendidos no 
SUS, em todos os níveis de atenção. Conforme o art. 6º da Lei nº 8.080/90, o fornecimento 
6 
 
de medicamentos atende ao princípio da integralidade da assistência, pois o medicamento 
não é concebido isoladamente, mas faz parte do tratamento. No Brasil também há a 
disponibilização de medicamentos a baixo custo por meio do Programa Farmácia Popular 
do Brasil a pacientes atendidos na rede privada de Saúde. (SANTOS;MELLO, 2018) 
O Sistema de Saúde da França por sua vez, possui três principais 
princípios: a solidariedade, o pluralismo e a medicina liberal. É um sistema cujas 
origens eram de seguro público, transformando-se agora em universal, onde a 
normatização é feita pelo Estado. O seguro de saúde público, foi primeiramente 
destinado à população que possuía uma atividade profissional, assim como no Brasil 
antes da CF-88, mas, assim como na Inglaterra, passou a adotar o princípio da 
existência de um nível de vida mínimo que fosse equilibrado e igual a toda população. 
Assim, o seguro de saúde pública francês passou a agregar aos