A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Controle Microbiano - micro

Pré-visualização | Página 1 de 1

Controle Microbiano 
Introdução: 
As bactérias possuem níveis variáveis de virulência e 
patogenicidade. Sua patogenicidade é a medida pela 
qual ela tem o poder de causar doença naquele 
individuo. Já sua virulência, é medida pela força que ele 
infecta o individuo, Com o controle microbiano, será 
estudado formas de evitar que exista uma 
patogenicidade muito grande das bactérias nos meios 
tanto odontológicos, como do dia a dia. 
Principais meios de controle: 
→ Esterilização: destruição de todas as formas 
de vida microbiana.. 
→ Esterilização comercial: destruição dos 
endósporos de Clostridium Botulinum. 
→ Desinfecção: mata tudo, menos os 
endósporos. Reduz a contaminação na 
superfície de objetos inanimados. 
→ Antissepsia e degerminação: termo dirigido a 
tecidos vivos. Geralmente remoção mecânica 
→ Sanitizante : redução de contagem de 
microrganismos a níveis considerados seguros. 
Taxa de morte microbiana 
Ela acontece de forma exponencial, indo de milhões até 1 ou 
0. De acordo com a tabela abaixo, a velocidade é de 90% 
das bactérias a cada 1 minuto. Ou seja, em 6 minutos têm se 
a morte de 999.999 mil bactérias. 
 
Fatores que influenciam no controle 
→ Número de micróbios 
→ Tempo de exposição 
→ Influências ambientais 
→ Características microbianas 
Formas de controles: 
São divididas em duas formas de controle 
 Físicas 
 Químicas 
Físicas 
 Calor : utilizado na indústria alimentícia e em 
laboratórios. 
• Calor úmido 
 Autoclave – indústria – vapor d’agua 
sob pressão 121º por 15 minutos. 
(suspenção de esporos). 
 Fervura – alimentícia – 100ºC por 10 
minutos. 
 Pasteurização – alimentícia 
• Calor seco 
 Chama direta – mata por efeito de 
oxidação. 
 Incineração – lixo hospitalar – 
esterilização 
 Esterilização com ar quente: 
instrumentos cirúrgicos. 
 Radiação 
• Ionizante – destruição de DNA – 
odontológicos. - esterilização 
• Não-ionizante – alteração de DNA. – 
microbiostatico ; microbicida 
Entre outras formas: filtração, frio, alta pressão, 
pressão osmótica, dissecação. 
Químicos 
Parede celular e membranas 
• Alvo: LPS | PEPTIDEOS GLICANOS | 
CAMADA DE FOSFOLIPIDEOS | PROTEINAS. 
• Ação: Afeta na permeabilidade, síntese e 
rompimento da membrana, induzindo a lise 
celular. 
• Causa: afeta o crescimento celular e pode 
levar a morte do microrganismo. 
Proteínas 
• Alvo: proteínas em geral 
• Ação: rompimento de pontes de hidrogênio 
• Causa: desnaturação proteica e/ou inativação 
DNA e/ou RNA 
• Alvo: DNA | RNA 
• Ação: Degradação 
• Causa: ligar no ribossomo e parar tradução. 
Parar também a transdução ao ligar no dna. 
Resuminho 
Principais alvos letais: 
 Permeabilidade da membrana 
 Metabolismo inibido 
 Inibição as síntese de ac. Nucleicos 
 Desnaturação proteica 
Agentes químicos. 
 Normalmente não mata todos os 
microrganismos (esterilização), apenas reduz o 
número de microrganismos 
 Pode ser testado por método de disco-difusão 
 
Tipos de desinfetante 
Fenol 
• Uso para controle de infecção em mesa 
cirúrgica 
• Age na membrana plasmática: ocasionando o 
vazamento do conteúdo celular – apoptose. 
• Estável e não afetado por compostos 
orgânicos. – Desinfecção de saliva, pus e fezes. 
• Raramente usados como antissépticos e 
desinfetantes. - irritante para pele e odor. 
Halogênios 
• Iodo: solução de álcool aquoso. – uso para 
tratamentos de feridas 
• Cloro: atua como agente oxidante impedindo a 
maquinaria celular 
Álcoois 
• Causa desnaturação de proteínas e 
rompimento de membranas. 
• Não devem ser aplicados em feridas, devido 
sua capacidade de induzir a coagulação, 
prendendo os microrganismos abaixo do 
sangue solido. 
• Álcool puro é o menos efetivo - fixa a bactéria, 
atua apenas na membrana externa. 
• Não mata os endósporos. (células dormentes 
com uma camada dura e resistente a certas 
formas de controle) 
• Usado para aumentar a eficiência de outros 
agentes químicos 
• São recomendados álcoois de 60% até 90% 
como forma de controle de crescimento. 
 
Agentes de superfície 
 
• Pode romper a membrana plasmática 
• Baixo valor antisséptico 
• Pode ser usado como emulsificante secreções 
oleosas da pele facilitando a remoção de 
microrganismos. 
• Importante aliado para a remoção mecânica. 
 
Sabões 
São agentes surfactantes 
• Utilizados como auxiliar para remoção mecânica 
de microrganismos 
• Emulsionam as camadas de lipídeos da pele, 
onde os micróbios ficam retidos 
• Remoção dos micróbios se dá pela água. 
Detergentes: 
Aniônicos: tem ação parecida com os sabões. Usado 
como forma de limpeza do dia a dia, não é considerado 
desinfetante. – podem causar lise em pneumococos e 
alguns vírus com camadas lipídicas. 
Catiônicos: Possuem moléculas carregadas 
positivamente. Provoca a lise de membranas 
citoplasmática e também a desnaturação de proteínas. 
– pouco tóxicos, usado em hospitais e desinfetantes 
domésticos e antissépticos.