Buscar

Apostila Guarda Municipal de Belo Horizonte - 2019

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 299 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 299 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 299 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

ÍNDICE
BELO HORIZONTE
PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE 
DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Guarda municipal
036MR-19
EDITAL Nº 001/2019
ÍNDICE
Língua Portuguesa 
1. Semântica: denotação e conotação, figuras de linguagem (metáfora, metonímia, ironia, antítese, paradoxo) e funções de lingua-
gem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01 
2. Leitura e interpretação de textos: informações implícitas e explícitas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06 
3. Tipologia textual e gêneros de circulação social: estrutura composicional; objetivos discursivos do texto; contexto de circulação; 
aspectos linguísticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 
4. Texto e Textualidade: coesão, coerência e outros fatores de textualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 
5. Variação linguística. Heterogeneidade linguística: aspectos culturais, históricos, sociais e regionais no uso da Língua Portuguesa. 19 
6. Fonética e fonologia: ortografia e acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 
7. Sinais de pontuação como fatores de coesão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
8. Colocação Pronominal: Sintaxe de colocação dos pronomes oblíquos átonos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 
9. Morfossintaxe: noções básicas de estrutura de palavras; classes de palavras; funções sintáticas do período simples. . . . . . . . . . 31 
10. Sintaxe do período composto: processos de coordenação e subordinação; mecanismos de sequenciação; relações discursivo-argu-
mentativas; relações lógico-semânticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 
11. Concordância Verbal e Nominal aplicadas ao texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 
12. Regência Verbal e Nominal aplicadas ao texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 
13. Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 
14. Conhecimento gramatical de acordo com o padrão culto da língua. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 
15. Ortografia oficial – Novo Acordo Ortográfico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Testes e Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Legislação 
1. Constituição da República Federativa do Brasil - 1988: 1.1. Título I; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
1.2. Título II/Capítulo I; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
1.3. Título V/Capítulo III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
2. Declaração Universal dos Direitos Humanos; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Lei Federal n° 8.069, de 13/07/1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente ECA; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
4. Lei Orgânica do Município - 1990: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.1. Título I; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.2. Título II; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
4.3. Título III/Capítulo I, II, III, IV e V; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5. Lei Municipal n° 8.616, de 14/07/2003 - Código de Posturas Municipais; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
5.1. Título III/Capítulos I, II e IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
6. Lei nº 11.065, de 1º de agosto de 2017. Estabelece a estrutura orgânica da administração pública do Poder Executivo e dá outras 
providências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.1. Capítulos I e III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
7. Decreto Municipal n° 11.566, de 19/12/2003 - Designa Patrono da Guarda Municipal o Embaixador Sérgio Vieira de Melo; . . . 64
8. Lei Municipal 9.319, de 19 de janeiro de 2007- Estatuto da Guarda Municipal de Belo Horizonte; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
9. Lei Federal 13.022/2014; Estatuto Geral das Guardas Municipais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
10. Lei Municipal 11.154/2019 - Plano de Carreira da Guarda Civil Municipal; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
11. Lei Federal 10.826/2003 – Estatuto do Desarmamento. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e mu-
nição, sobre o Sistema Nacional de Armas (Sinarm), define crimes e dá outras providências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
11.1. Capítulos I, II e III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
12. Decreto Federal nº 5.123/2004. Regulamenta a Lei no 10.826, de 22 de dezembro de 2003, que dispõe sobre registro, posse e 
comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas - SINARM e define crimes. . . . . . . . . . . . . . . . . 96
12.1 Capítulo I 12.1 Capítulo III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
13. LEI Nº 13.675, DE 11 DE JUNHO DE 2018. Disciplina a organização e o funcionamento dos órgãos responsáveis pela segurança 
pública, nos termos do § 7º do art. 144 da Constituição Federal; cria a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS); 
institui o Sistema Único de Segurança Pública (Susp); altera a Lei Complementar nº 79, de 7 de janeiro de 1994, a Lei nº 10.201, de 14 
de fevereiro de 2001, e a Lei nº 11.530, de 24 de outubro de 2007; e revoga dispositivos da Lei nº 12.681, de 4 de julho de 2012. 100
13.1. Capítulos II e III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
14. Lei 4898/65- Lei de Abuso e Autoridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
15. Lei nº 2.848/1940 - Código Penal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
15.1. Parte Geral, Títulos, I, II, III e IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
15.2. Parte Especial, Título XI - Dos Crimes Praticados por Funcionário Público Contra a Administração em Geral, art. 312 ao 327, inci-
sos, parágrafos e suas atualizações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
Noções de Informática 
1. Conhecimento do sistema operacional Microsoft Windows 7: arquivos, pastas (diretórios) e operações com arquivos; segurança, 
antivírus e atualização (Windows Update). Utilização do Windows Explorer: copiar, mover e excluir arquivos; criar pastas e subpastas 
no Windows 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01 
2. Conhecimento do editor de textos Microsoft Word 2007: criar, salvar, editar e apagar documentos; sumário e índice; formatação e 
impressão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09 
3. Microsoft Excel 2007: Elaboração de planilhas e gráficos (criar, salvar, editar e apagar), cálculos, fórmulas, manipulação de planilhas 
e impressão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 
4. Conhecimento de Internet e do Internet Explorer 11 para Windows 7; 5. Operações de correio eletrônico no Microsoft Office Out-
look 2007: receber e enviar mensagens; anexos; catálogo de endereços; organização das mensagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Noções de Geografia Urbana 
1. O Município de Belo Horizonte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
1.1. Concepção urbanística: traçado e características principais das vias e seus nomes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
1.2. Características físicas e espaciais: dimensão territorial, a topografia e suas restrições e influências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. A Metrópole mineira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.1. A expansão da cidade além dos limites da Av. do Contorno e periferização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.2. O surgimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH): municípios limítrofes e conturbação. . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.3. As principais rodovias (federais e estaduais) de acesso aos municípios da RMBH. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3. Belo Horizonte e sua gestão territorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.1. As Regiões Administrativas da Prefeitura de Belo Horizonte: localização geográfica e principais bairros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.2. Novo Plano Diretor: características gerais, diretrizes norteadoras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.2.1. Capítulo III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4. Belo Horizonte e principais problemas ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.1. Enchentes: principais áreas de inundações; causas e consequências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.2. Áreas de risco geológico e medidas de prevenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
5. A violência urbana em Belo Horizonte e municípios circunvizinhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5.1. A concentração espacial da violência: características e fatores relacionados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5.2. Atividades criminosas: gangues juvenis e atuação de grupos armados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6. Principais problemas sociais da Metrópole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
6.1. Exclusão social: aspectos gerais, fatores, dinâmicas e interfaces. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
6.2. Mobilidade urbana: características dos movimentos espaciais diários da população (pendularidade) congestionamento das vias 
públicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
6.3. População em situação de rua: características gerais e suas principais reivindicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7. O turismo na capital mineira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
7.1. Principais pontos turísticos e monumentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
7.2. Grandes eventos culturais e locais de realização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
7.3. Os bairros boêmios de Belo Horizonte: concentração espacial e principais vias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
História de Belo Horizonte 
1 Formação da Cidade de Belo Horizonte 1.1. Ideias republicanas e a experiência urbanística de Belo Horizonte 1.2. A Capital planejada 
da República 1.3. Mecanismos de controle social e desafios da modernização capitalista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2 Modernidade em Belo Horizonte 2.1. Modernização Urbana no Governo de JK. 2.2. A Cidade Moderna. 2.3. Cultura e Artes em Belo 
Horizonte. 2.4. O lugar de Belo Horizonte entre as capitais brasileiras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3 Belo Horizonte Contemporânea 3.1. Favelas numa Capital Planejada e Urbanização em Belo Horizonte. 3.2. Desafios da Segurança 
Pública Municipal 3.3. Patrimônio Cultural de Belo Horizonte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
DICA
Como passar em um concurso público?
Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro 
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa 
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação .
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução 
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!
Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!
- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai 
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando 
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você 
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo 
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter 
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o 
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado . 
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios . Quando 
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame .
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma 
menor energia e um cérebro cansado . É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é 
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer,renovando as energias e evitando o estresse.
Se prepare para o concurso público!
O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se 
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora 
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua 
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA
Vida Social!
Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante 
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você, 
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante 
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.
Motivação!
A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele 
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir 
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para 
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta, 
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua 
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu 
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas 
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br 
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Semântica: denotação e conotação, figuras de linguagem (metáfora, metonímia, ironia, antítese, paradoxo) e funções de linguagem. 01 
2. Leitura e interpretação de textos: informações implícitas e explícitas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06 
3. Tipologia textual e gêneros de circulação social: estrutura composicional; objetivos discursivos do texto; contexto de circulação; aspec-
tos linguísticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 
4. Texto e Textualidade: coesão, coerência e outros fatores de textualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 
5. Variação linguística. Heterogeneidade linguística: aspectos culturais, históricos, sociais e regionais no uso da Língua Portuguesa. . . . 19 
6. Fonética e fonologia: ortografia e acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 
7. Sinais de pontuação como fatores de coesão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
8. Colocação Pronominal: Sintaxe de colocação dos pronomes oblíquos átonos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 
9. Morfossintaxe: noções básicas de estrutura de palavras; classes de palavras; funções sintáticas do período simples. . . . . . . . . . . . . . . 31 
10. Sintaxe do período composto: processos de coordenação e subordinação; mecanismos de sequenciação; relações discursivo-argumen-
tativas; relações lógico-semânticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 
11. Concordância Verbal e Nominal aplicadas ao texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 
12. Regência Verbal e Nominal aplicadas ao texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 
13. Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 
14. Conhecimento gramatical de acordo com o padrão culto da língua. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 
15. Ortografia oficial – Novo Acordo Ortográfico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Testes e Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
LÍNGUA PORTUGUESA
1
1. SEMÂNTICA: DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO, FIGURASDE LINGUAGEM (METÁFORA, METONÍMIA, IRONIA, AN-
TÍTESE, PARADOXO) E FUNÇÕES DE LINGUAGEM. 
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que 
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as pa-
lavras estabelecem entre si.
Sinônimos e antônimos
Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido. 
Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O fato 
linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, palavra 
que também designa o emprego de sinônimos.
Antônimos: palavras de sentido oposto. 
Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido 
oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regredir, 
ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico. 
Homônimos
Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas 
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som 
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas (som 
diferente, escrita igual, significado diferente).
O contexto é quem vai determinar a significação dos homôni-
mos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considerada 
uma deficiência dos idiomas.
Homônimos
rio (curso de água) e rio (verbo rir);
caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
Homófonos
cem (número) e sem (indica falta)
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
Homógrafos
colher (talher) e colher (apanhar);
acerto (correção) e acerto (verbo acertar);
Parônimos
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de forma 
parecida, mas que apresentam significados diferentes. 
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), 
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), 
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, di-
vergir, adiar), 
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), 
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso 
(congestionado: rosto vultuoso) .
Polissemia
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar 
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em que 
ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.:
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan-
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
Denotação e conotação
Denotação indica a capacidade de as palavras apresentarem 
um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica a capa-
cidade de as palavras apresentarem um sentido figurado e sim-
bólico.
Exemplos com sentido denotativo:
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio).
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado).
Exemplos com sentido conotativo:
Comprei uma correntinha de ouro .
Fulano nadava em ouro .
Hiperonímia e hiponímia
Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das palavras 
estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um hiperôni-
mo, palavra superior com um sentido mais abrangente, engloba 
um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restrito.
Fruta é hiperônimo de banana.
Banana é hipônimo de fruta.
QUESTÕES
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC 
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele 
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta 
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em 
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil 
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante 
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços 
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apetecida 
decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era, 
com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos 
de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento 
daquela caqueirada humana – do mesmo passo angulhenta e si-
nistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num 
longo enxurro de carcaças e molambos...
LÍNGUA PORTUGUESA
2
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma 
arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu-
lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve-
lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei-
radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos 
encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi-
lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de 
crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos 
opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar 
cambaleante.
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edição Espe-
cial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-
mos? 
A) Armistício – destruição 
B) Claudicante – manco 
C) Reveses – infortúnios 
D) Fealdade – feiura 
E) Opilados – desnutridos
02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e 
Mecânico – 2016 - Instituto Excelência 
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de 
exemplos de parônimos:
A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta).
D) Nenhuma das alternativas.
03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 
- UFMT 
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no 
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, 
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen-
ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes, 
denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em 
que todas as palavras se encontram nesse caso.
A) taxa, cesta, assento
B) conserto, pleito, ótico
C) cheque, descrição, manga
D) serrar, ratificar, emergir
04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
A fuga dos rinocerontes
Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da 
maneira mais radical possível – pelo céu.
Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados 
da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de 
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda res-
tam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma solu-
ção extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A ação 
utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes – com 
1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na província de 
Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transferi-los para a 
província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 quilômetros de 
distância, onde viverão longe dos caçadores. Como o trajeto tem 
áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes tiveram de voar por 
24 quilômetros. Sedados e de olhos vendados (para evitar sustos 
caso acordassem), os rinocerontes foram içados pelos tornozelos 
e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece meio brutal? Os respon-
sáveis pela operação dizem que, além de mais eficiente para levar 
os paquidermes a locais de difícil acesso, o procedimento é mais 
gentil.
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 229, 2011.)
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções, 
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionariza-
do que é mais adequado no contexto acima.
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa.
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual.
D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VUNESP/2016 
O gavião
Gente olhando para o céu:não é mais disco voador. Disco 
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. 
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e 
comovente – o gavião malvado, que mata pombas.
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contem-
plação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o 
partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra 
é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. Os amigos 
deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua 
pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu 
grão de milho.
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas 
e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre 
uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a verda-
de do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode 
também ser a verdade do caçador.
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o 
gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode 
lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no tex-
to – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro 
homem. –, é empregado com sentido
A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador .
C) figurado, equivalendo a ave de rapina .
D) figurado, equivalendo a alimento .
E) figurado, equivalendo a predador .
06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
PESE
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado 
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
A) Estou morta de cansada .
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
bra .
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos .
LÍNGUA PORTUGUESA
3
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
nalmente saiu de casa ontem.
E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
RESPOSTAS
01 A
02 A
03 A
04 C
05 E
06 D
FIGURAS DE LINGUAGEM
As figuras de linguagem são recursos especiais usados por 
quem fala ou escreve, para dar à expressão mais força, intensi-
dade e beleza.
São três tipos:
Figuras de Palavras (tropos);
Figuras de Construção (de sintaxe);
Figuras de Pensamento.
Figuras de Palavra
É a substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego 
figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima (conti-
guidade), seja por uma associação, uma comparação, uma simila-
ridade. São as seguintes as figuras de palavras:
Metáfora: consiste em utilizar uma palavra ou uma expres-
são em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em 
virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e de-
preende entre elas certas semelhanças. Observe o exemplo:
“Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (Fernando Pessoa)
Nesse caso, a metáfora é possível na medida em que o poeta 
estabelece relações de semelhança entre um rio subterrâneo e 
seu pensamento.
Comparação: é a comparação entre dois elementos comuns; 
semelhantes. Normalmente se emprega uma conjunção compa-
rativa: como, tal qual, assim como .
“Sejamos simples e calmos
Como os regatos e as árvores” 
Fernando Pessoa
Metonímia: consiste em empregar um termo no lugar de ou-
tro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de senti-
do. Observe os exemplos abaixo:
 
- autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler Machado 
de Assis. (Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.)
- efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Vivo do meu tra-
balho. (o trabalho é causa e está no lugar do efeito ou resultado).
- continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma caixa 
de bombons. (a palavra caixa, que designa o continente ou aquilo 
que contém, está sendo usada no lugar da palavra bombons).
- abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplos: A gravidez 
deve ser tranquila. (o abstrato gravidez está no lugar do concreto, 
ou seja, mulheres grávidas).
 
- instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Os micro-
fones foram atrás dos jogadores. (Os repórteres foram atrás dos 
jogadores.)
- lugar pelo produto. Exemplo: Fumei um saboroso havana . 
(Fumei um saboroso charuto.).
- símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Não te 
afastes da cruz. (Não te afastes da religião.).
- a parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os desabriga-
dos. (a parte teto está no lugar do todo, “o lar”).
- indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: O homem foi à 
Lua. (Alguns astronautas foram à Lua.).
- singular pelo plural. Exemplo: A mulher foi chamada para ir às 
ruas. (Todas as mulheres foram chamadas, não apenas uma)
- gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Os mortais so-
frem nesse mundo. (Os homens sofrem nesse mundo.)
- matéria pelo objeto. Exemplo: Ela não tem um níquel. (a ma-
téria níquel é usada no lugar da coisa fabricada, que é “moeda”).
Atenção: Os últimos 5 exemplos podem receber também o 
nome de Sinédoque .
Perífrase: substituição de um nome por uma expressão para 
facilitar a identificação. Exemplo: A Cidade Maravilhosa (= Rio de 
Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.
Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome 
de antonomásia .
Exemplos:
O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o 
bem.
O Poeta da Vila (= Noel Rosa) compôs lindas canções.
Sinestesia: Consiste em mesclar, numa mesma expressão, as 
sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. Exemplo: 
No silêncio negro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (si-
lêncio = auditivo; negro = visual)
Catacrese: A catacrese costuma ocorrer quando, por falta de 
um termo específico para designar um conceito, toma-se outro 
“emprestado”. Passamos a empregar algumas palavras fora de seu 
sentido original. Exemplos: “asa da xícara”, “maçã do rosto”, “braço 
da cadeira” .
LÍNGUA PORTUGUESA
4
Figuras de Construção
Ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao 
significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior expres-
sividade que se dá ao sentido. São as mais importantes figuras de 
construção:
Elipse: consiste na omissão de um termo da frase, o qual, no 
entanto, pode ser facilmente identificado. Exemplo: No fim da co-
memoração, sobre as mesas, copos e garrafas vazias. (Omissão do 
verbo haver: No fim da festa comemoração, sobre as mesas, copos 
e garrafas vazias).
Pleonasmo: consiste no emprego de palavras redundantes 
para reforçar uma ideia. Exemplo: Ele vive uma vida feliz.
Deve-se evitar os pleonasmos viciosos, que não têm valor de 
reforço, sendo antes fruto do desconhecimento do sentido das pa-
lavras, como por exemplo, as construções “subir para cima”, “entrar 
para dentro”, etc.
Polissíndeto: repetição enfática do conectivo, geralmente o 
“e”. Exemplo: Felizes, eles riam, e cantavam, e pulavam, e dança-
vam.
Inversão ou Hipérbato: alterar a ordem normal dos termos 
ou orações com o fim de lhes dar destaque:
 “Justo ela diz que é, mas eu não acho não.” (Carlos Drum-
mond de Andrade)
“Por que brigavam no meu interior esses entes de sonho não 
sei.” (Graciliano Ramos)
Observação: o termo deseja realçar é colocado, em geral, no 
início da frase.
Anacoluto: quebra da estrutura sintática da oração. O tipo 
mais comum é aquele em que um termo parece que vai ser o 
sujeito da oração, mas a construção se modifica e ele acaba sem 
função sintática. Essa figura é usada geralmente para pôr em re-
levo a ideia que consideramos mais importante, destacando-a do 
resto. Exemplo: 
O Alexandre, as coisas não lhe estão indo muito bem.
A velha hipocrisia, recordo-me dela com vergonha. (Camilo 
Castelo Branco)
Silepse: concordância de gênero, número ou pessoa é feita 
com ideias ou termos subentendidos na frase e não claramente 
expressos. A silepse pode ser:
- de gênero . Exemplo:Vossa Majestade parece desanimado . 
(o adjetivo desanimado concorda não com o pronome de trata-
mento Vossa Majestade, de forma feminina, mas com a pessoa a 
quem esse pronome se refere – pessoa do sexo masculino).
- de número . Exemplo: O pessoal ficou apavorado e saíram 
correndo. (o verbo sair concordou com a ideia de plural que a 
palavra pessoal sugere).
- de pessoa. Exemplo: Os brasileiros amamos futebol. (o su-
jeito os brasileiros levaria o verbo na 3ª pessoa do plural, mas a 
concordância foi feita com a 1ª pessoa do plural, indicando que a 
pessoa que fala está incluída em os brasileiros).
Onomatopeia: Ocorre quando se tentam reproduzir na for-
ma de palavras os sons da realidade.
Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem.
Miau, miau. (Som emitido pelo gato)
Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar. 
As onomatopeias, como no exemplo abaixo, podem resultar 
da Aliteração (repetição de fonemas nas palavras de uma frase 
ou de um verso).
“Vozes veladas, veludosas vozes,
volúpias dos violões, vozes veladas,
vagam nos velhos vórtices velozes
dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.” 
(Cruz e Sousa)
Repetição: repetir palavras ou orações para enfatizar a afir-
mação ou sugerir insistência, progressão:
 “E o ronco das águas crescia, crescia, vinha pra dentro da 
casona.” (Bernardo Élis)
“O mar foi ficando escuro, escuro, até que a última lâmpada 
se apagou.” (Inácio de Loyola Brandão)
Zeugma: omissão de um ou mais termos anteriormente 
enunciados. Exemplo: Ele gosta de geografia; eu, de português. 
(na segunda oração, faltou o verbo “gostar” = Ele gosta de geogra-
fia; eu gosto de português.).
Assíndeto: quando certas orações ou palavras, que poderiam 
se ligar por um conectivo, vêm apenas justapostas. Exemplo: Vim, 
vi, venci.
Anáfora: repetição de uma palavra ou de um segmento do 
texto com o objetivo de enfatizar uma ideia. É uma figura de cons-
trução muito usada em poesia. Exemplo: Este amor que tudo nos 
toma, este amor que tudo nos dá, este amor que Deus nos inspira, 
e que um dia nos há de salvar
Paranomásia: palavras com sons semelhantes, mas de signi-
ficados diferentes, vulgarmente chamada de trocadilho. Exemplo: 
Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa.
Neologismo: criação de novas palavras. Exemplo: Estou a fim 
do João. (estou interessado). Vou fazer um bico. (trabalho tem-
porário).
Figuras de Pensamento
Utilizadas para produzir maior expressividade à comunica-
ção, as figuras de pensamento trabalham com a combinação de 
ideias, pensamentos.
Antítese: Corresponde à aproximação de palavras contrárias, 
que têm sentidos opostos. Exemplo: O ódio e o amor andam de 
mãos dadas.
Apóstrofe: interrupção do texto para se chamar a atenção de 
alguém ou de coisas personificadas. Sintaticamente, a apóstrofe 
corresponde ao vocativo. Exemplo: Tende piedade, Senhor, de to-
das as mulheres.
LÍNGUA PORTUGUESA
5
Eufemismo: Atenua o sentido das palavras, suavizando as ex-
pressões do discurso Exemplo: Ele foi para o céu. (Neste caso, a 
expressão “para a céu”, ameniza o discurso real: ele morreu.)
Gradação: os termos da frase são fruto de hierarquia (ordem 
crescente ou decrescente). Exemplo: As pessoas chegaram à fes-
ta, sentaram, comeram e dançaram .
Hipérbole: baseada no exagero intencional do locutor, isto é, 
expressa uma ideia de forma exagerada.
Exemplo: Liguei para ele milhões de vezes essa tarde. (Ligou 
várias vezes, mas não literalmente 1 milhão de vezes ou mais).
Ironia: é o emprego de palavras que, na frase, têm o sentido 
oposto ao que querem dizer. É usada geralmente com sentido sar-
cástico. Exemplo: Quem foi o inteligente que usou o computador 
e apagou o que estava gravado?
Paradoxo: Diferente da antítese, que opõem palavras, o pa-
radoxo corresponde ao uso de ideias contrárias, aparentemente 
absurdas. Exemplo: Esse amor me mata e dá vida. (Neste caso, o 
mesmo amor traz alegrias (vida) e tristeza (mata) para a pessoa.)
Personificação ou Prosopopéia ou Animismo: atribuição de 
ações, sentimentos ou qualidades humanas a objetos, seres irra-
cionais ou outras coisas inanimadas. Exemplo: O vento suspirou 
essa manhã. (Nesta frase sabemos que o vento é algo inanimado 
que não suspira, sendo esta uma “qualidade humana”.)
Reticência: suspender o pensamento, deixando-o meio vela-
do. Exemplo:
“De todas, porém, a que me cativou logo foi uma... uma... 
não sei se digo.” (Machado de Assis)
Retificação: consiste em retificar uma afirmação anterior. 
Exemplos: O médico, aliás, uma médica muito gentil não sabia 
qual seria o procedimento.
QUESTÕES
01. IF/PA - Assistente em Administração – 2016 - FUNRIO
“Quero um poema ainda não pensado, / que inquiete as ma-
rés de silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada, / 
que vergue o ferruginoso canto do oceano / e reviva a ruína que 
são as poças d’água. / Quero um poema para vingar minha insô-
nia. ” (Olga Savary, “Insônia”)
Nesses versos finais do poema, encontramos as seguintes fi-
guras de linguagem:
A) silepse e zeugma
B) eufemismo e ironia.
C) prosopopeia e metáfora.
D) aliteração e polissíndeto. 
E) anástrofe e aposiopese.
02. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO
“Eu sou de lá / Onde o Brasil verdeja a alma e o rio é mar / Eu 
sou de lá / Terra morena que eu amo tanto, meu Pará.” (Pe. Fábio 
de Melo, “Eu Sou de Lá”) 
Nesse trecho da canção gravada por Fafá de Belém, encontra-
mos a seguinte figura de linguagem: 
A) antítese . 
B) eufemismo.
C) ironia
D) metáfora
E) silepse.
03. Pref. de Itaquitinga/PE - Técnico em Enfermagem – 2016 
- IDHTEC
MAMÃ NEGRA (Canto de esperança)
Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama 
de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos! 
Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da 
ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia de 
música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras gentes... 
não teus filhos, que estes nascendo alimárias semoventes, coisas 
várias, mais são filhos da desgraça: a enxada é o seu brinquedo 
trabalho escravo - folguedo... Pelos teus olhos, minha Mãe Vejo 
oceanos de dor Claridades de sol-posto, paisagens Roxas paisa-
gens Mas vejo (Oh! se vejo!...) mas vejo também que a luz rou-
bada aos teus [olhos, ora esplende demoniacamente tentadora 
- como a Certeza... cintilantemente firme - como a Esperança... 
em nós outros, teus filhos, gerando, formando, anunciando -o dia 
da humanidade.
(Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império)
O poema, Mamã Negra:
A) É uma metáfora para a pátria sendo referência de um país 
africano que foi colonizado e teve sua população escravizada.
B) É um vocativo e clama pelos efeitos negativos da escraviza-
ção dos povos africanos.
C) É a referência resumida a todo o povo que compõe um país 
libertado depois de séculos de escravidão.
D) É o sofrimento que acometeu todo o povo que ficou na 
terra e teve seus filhos levados pelo colonizador. 
E) É a figura do colonizador que mesmo exercendo o poder 
por meio da opressão foi „ninado‟ pela Mamã Negra.
04. Pref. de Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
PESE
Analise as frases abaixo:
1. ”Calções negros corriam, pulavam durante o jogo.”
2. A mulher conquistou o seu lugar!
3. Todo cais é uma saudade de pedra.
4. Os microfones foram implacáveis com os novos artistas.
Assinale a alternativa que corresponde correta e sequencial-
mente às figuras de linguagem apresentadas:
A) metáfora, metonímia, metáfora, metonímia
B) metonímia, metonímia, metáfora, metáfora
C) metonímia, metonímia, metáfora, metonímia
D) metonímia, metáfora, metonímia, metáfora
E) metáfora, metáfora, metonímia, metáfora
LÍNGUA PORTUGUESA
6
05. COMLURB - Técnico de Segurança do Trabalho – 2016 
- IBFC
Leia o poema abaixoe assinale a alternativa que indica a figu-
ra de linguagem presente no texto:
Amor é fogo que arde sem se ver
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
(Camões)
A) Onomatopeia 
B) Metáfora
C) Personificação 
D) Pleonasmo
06.Pref. de Paulínia/SP - Agente de Fiscalização – 2016 - FGV
Descaso com saneamento deixa rios em estado de alerta
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas 
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e cai-
xas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em 
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios 
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reu-
so. As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e 
cobraram soluções.
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos as-
pectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam es-
paço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os 
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de 
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses cor-
pos de água recebem diariamente.
É como se não precisássemos de cada gota de água desses 
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas 
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha 
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir cen-
tenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades. Para 
completar, todo esse descaso decorrente da falta de saneamento 
se reverte em contaminação e em graves doenças de veiculação 
hídrica.
Dados do monitoramento da qualidade da água – que reali-
zamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e do 
Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta ana-
lisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pon-
tos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e os outros 
59,2% estão em situação regular, o que significa um estado de 
alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22 
de março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 
e fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em 76 
municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
Em termos de linguagem figurada, o fato de a divulgação do 
texto ter sido feita no Dia Mundial da Água funciona como 
A) metáfora. 
B) pleonasmo. 
C) eufemismo. 
D) ironia.
E) hipérbole.
07. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 - 
IOBV
O outro lado
 
só assim o poema se constrói:
quando o desejo tem forma de ilha
e todos os planetas são luas, embriões da magia
então podemos atravessar as chamas
sentir o chão respirar
ver a dança da claridade
ouvir as vozes das cores
fruir a liberdade animal
de estarmos soltos no espaço
ter parte com pedra e vento
seguir os rastros do infinito
entender o que sussurra o vazio
– e tudo isso é tão familiar
para quem conhece
a forma do sonho 
(WILLER, Claudio, Estranhas experiências, 2004, p. 46) 
No poema acima, do poeta paulista Claudio Willer (1940), no 
verso “ouvir as vozes das cores”, entre outros versos, é expressa 
uma figura de linguagem. Esta pode ser assim definida: “Figura que 
consiste na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos”
(CAMPEDELLI, S. Y. e SOUZA, J. B. Literatura, produção de textos & gramá-
tica. São Paulo, Saraiva, 1998, p. 616).
Como é denominada esta figura de linguagem? 
A) Eufemismo. 
B) Hipérbole.
C) Sinestesia. 
D) Antítese.
RESPOSTAS
01 C
02 D
03 A
04 C
05 B
06 D
07 C
2. LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS: INFORMA-
ÇÕES IMPLÍCITAS E EXPLÍCITAS. 
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
Leitura
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, 
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mobi-
lizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, quer 
LÍNGUA PORTUGUESA
7
de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo novos 
significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, supe-
rando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos significados 
a seu universo de conhecimento para melhor entender a realidade 
em que vive.
Compreensão
A compreensão de um texto é a análise e decodificação do 
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. A 
compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o que 
foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e ideias 
presentes no texto.
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de 
leitura: informativa e de reconhecimento.
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias sele-
tas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela ideia 
central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do texto. 
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, 
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as-
sunto.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por 
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo 
deve ser capaz de desvendar o significado das construções textuais, 
com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensagem, 
consequentemente não há a correta compreensão da mesma.
Interpretação
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de 
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultânea 
ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades.
A importância dada às questões de interpretação de textos de-
ve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a compe-
tência de ler texto interfere decididamente no aprendizado em geral, 
já que boa parte do conhecimento mais importante nos chega por 
meio da linguagem escrita. A maior herança que a escola pode legar 
aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, isto é, de 
extrair de um texto os seus significados. 
Num texto, cada uma das partes está combinada com as outras, 
criando um todo que não é mero resultado da soma das partes, mas 
da sua articulação. Assim, a apreensão do significado global resulta 
de várias leituras acompanhadas de várias hipóteses interpretativas, 
levantadas a partir da compreensão de dados e informações inscritos 
no texto lido e do nosso conhecimento do mundo.
A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre ele, 
depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e a reali-
dade. São as conclusões que podemos tirar com base nas ideias do 
autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são relacionadas com 
a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resultado 
acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na com-
preensão de situações do dia-a-dia.
Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio sobre 
o assunto, o elemento de fundamental importância para interpretar 
e compreender corretamente um texto é ter o domínio da língua.
E mesmo dominando a língua é muito importante ter um dicio-
nário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado de todas 
as palavras e é muito difícil interpretar um texto desconhecendo cer-
tos termos.
Dicas para uma boa interpretação de texto:
- Leia todo o texto pausadamente
- Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o sig-
nificado
- Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
- Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o seu 
resumo
- Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
- Questione a forma usada para escrever
- Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as ideias 
do autor.
Lembre-se que para saber compreender e interpretar muito 
bem qualquer tipo de texto,é essencial que se leia muito. Quanto 
mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é fundamen-
tal em qualquer coisa que se faça, desde um concurso, vestibular, 
até a leitura de um anúncio na rua. 
Resumindo: 
Compreensão Interpretação
O que é É a análise do que 
está escrito no texto, a 
compreensão das fra-
ses e ideias presentes.
É o que podemos con-
cluir sobre o que está 
escrito no texto. É o 
modo como interpre-
tamos o conteúdo.
Informação A informação está pre-
sente no texto.
A informação está fora 
do texto, mas tem co-
nexão com ele.
Análise Trabalha com a objeti-
vidadem, com as frases 
e palavras que estão 
escritas no texto.
Trabalha com a sub-
jetividade, com o que 
você entendeu sobre 
o texto.
QUESTÕES
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC
Uma compreensão da História
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em que 
tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que procura 
o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é esboçar um 
sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela do tempo. 
Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, mas procuro 
encontrar um fio comum entre eles. Não se trata de escapar do 
presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a acontecer. E isto 
não é novo, já o afirmava o pensador italiano Benedetto Croce, ao 
escrever: “Toda a História é História contemporânea”. Se tivesse 
que escolher um sinal que marcasse meu norte de vida, seria essa 
frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia 
das Letras, 2010, p. 256)
José Saramago entende que sua função como romancista é 
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sincrô-
nicos predominantes.
LÍNGUA PORTUGUESA
8
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para mantê-
-los vivos em seu passado.
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos 
dispersos em tempos distintos.
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive sobre 
o tempo em que se viveu.
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de 
modo a valorizá-las em si mesmas.
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016 
- IOBV 
Por Jonas Valente*, especial para este blog.
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciberné-
ticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Nele, 
apresenta proposta de diversos projetos de lei com a justificativa 
de combater delitos na rede. Mas o conteúdo dessas proposições 
é explosivo e pode mudar a Internet como a conhecemos hoje no 
Brasil, criando um ambiente de censura na web, ampliando a re-
pressão ao acesso a filmes, séries e outros conteúdos não oficiais, 
retirando direitos dos internautas e transformando redes sociais 
e outros aplicativos em máquinas de vigilância.
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é usa-
do para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da Internet. 
Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as soluções 
buscam criminalizar o máximo possível e transformar a navegação 
em algo controlado, violando o princípio da presunção da inocên-
cia previsto na Constituição Federal. No caso dos crimes contra a 
honra, a solução adotada pode ter um impacto trágico para o de-
bate democrático nas redes sociais – atualmente tão importante 
quanto aquele realizado nas ruas e outros locais da vida off line. 
Além disso, as propostas mutilam o Marco Civil da Internet, lei 
aprovada depois de amplo debate na sociedade e que é referên-
cia internacional.
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016)
Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas: 
I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão 
equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla 
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em to-
dos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo 
cercear o direito à plena execução deste marco.
III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações em 
geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com 
a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados.
IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão 
do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem 
votadas no Congresso Nacional.
V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo 
perversa e manipuladora.
Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas. 
A) I, II, III.
B) II, III, IV.
C) II, III, V.
D) II, IV, V.
03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade – 
2017 - BIO-RIO 
Édipo-rei
 
Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de 
oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus. 
 (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi-
zação discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente nessa 
descrição é:
A) a localização da cena descrita.
B) a identificação dos personagens presentes.
C) a distribuição espacial dos personagens.
D) o processo descritivo das partes para o todo.
E) a descrição de base visual.
04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual – 
2016 - FGV 
Problemas Sociais Urbanos
Brasil escola
 Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a 
questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda 
no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise 
à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado 
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen-
to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os 
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida 
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil 
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande 
maioria da população pobre busque por moradias em regiões ain-
da mais distantes.
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais 
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba-
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so-
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. 
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a 
péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não 
contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam eleva-
dos índices de violência.
 A especulação imobiliária também acentua um problema 
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas 
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por 
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população 
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir 
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se 
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos 
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato 
alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil 
Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas-am-
bientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. 
LÍNGUA PORTUGUESA
9
A estruturação do texto é feita do seguinte modo:
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urbanos 
e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; 
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e expli-
cação de um deles, visto como o mais importante;
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici-
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades; 
D) uma referênciaimediata a um dos problemas sociais ur-
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de 
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.
05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrativa 
– 2016 - FGV
O futuro da medicina
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro-
fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor-
nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui 
é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric Topol, au-
tor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-lo agora), 
está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão, 
mas que terá impactos positivos para os pacientes.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo-
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas 
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível, 
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um 
algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der-
matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o 
que exige medidas adicionais.
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o 
celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan-
do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é 
possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o 
smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti-
cos ainda mais sofisticados.
Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de 
preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor, 
de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo 
que desde Hipócrates assombra a medicina.
Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol, 
mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais 
caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para 
as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte-
ressados nas transformações da medicina.
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman – 17/01/2016. 
Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina: 
A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia; 
C) levará à extinção da profissão de médico;
D) independerá completamente dos médicos; 
E) estará limitado aos meios eletrônicos.
RESPOSTAS
01 C
02 C
03 D
04 B
05 B
 
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL
Chamamos de Linguagem a habilidade de expressar nossas 
ideias, sentimentos e opiniões. Trata-se de um fenômeno comu-
nicativo. Usamos vários tipos de linguagens para comunicação: 
sinais, símbolos, sons, gestos e regras com sinais convencionais. 
A linguagem pode ser:
Verbal: usa as palavras para se comunicar.
Não verbal: usa outros meios de comunicação, que não se-
jam as palavras. Por exemplo: linguagem de sinais, placas e sinais 
de trânsito, linguagem corporal, figura, expressão facial, etc.
Existe também a Linguagem mista, que é o uso simultâneo 
dos dois tipos de linguagem para estabelecer a comunicação. Ela 
ocorre quando por exemplo dizemos que sim e ao mesmo tem-
po balançamos a cabeça. Está também presente em histórias em 
quadrinhos, em charges, em vídeo, etc.
A Língua é um instrumento de comunicação, que possui um 
caráter social: pertence a um conjunto de pessoas, que podem 
LÍNGUA PORTUGUESA
10
agir sobre ela. Cada pessoa pode optar por uma determinada for-
ma de expressão. Porém, não se pode criar uma língua específica 
e querer que outros falantes entendam. 
Língua é diferente de escrita. A escrita é um estágio posterior 
de uma língua. A língua falada é mais espontânea, acompanhada 
pelo tom de voz e algumas vezes por mímicas. A língua escrita é 
um sistema mais rígido, não conta com o jogo fisionômico, mími-
cas e o tom de voz. No Brasil, todos falam a língua portuguesa, 
mas existem usos diferentes da língua por diversos fatores. Den-
tre eles: Fatores Regionais, Fatores Culturais, Fatores Contextuais, 
Fatores Profissionais e Fatores Naturais.
A Fala é o uso oral da língua. Trata-se de um ato individual, 
onde cada um escolhe a forma que melhor se expressa. Assim, há 
vários níveis da fala. Devido ao caráter individual da fala, pode-se 
observar dois níveis:
- Coloquial-Popular: nível da fala mais espontâneo, onde não 
nos preocupamos em saber se falamos de acordo ou não com as 
regras formais .
- Formal-Culto: normalmente utilizado pelas pessoas em si-
tuações formais. É necessário um cuidado maior com o vocabulá-
rio e seguir as regras gramaticais da língua .
Vejamos agora alguns exemplos de textos não verbais:
 
Linguagem intencional: Toda vez que nos depararmos com 
um texto despretensioso ou seja sem nenhum objetivo podemos 
julgar que há algum tipo de pretensão. Para cada tipo de intenção 
existe uma forma distinta de linguagem. Por isso, uma declaração 
de amor é feita de jeito e uma entrevista de emprego de outra. 
Não é difícil distinguir os tipos de linguagens, pois falada ou 
escrita, só pode ser verbal. Sempre que a comunicação precisar 
de uma estrutura gramatical adequada para ser entendida, ela 
será uma linguagem verbal.
Questões
01. Sobre as linguagens verbal e não verbal, estão corretas, 
exceto:
a) a linguagem não verbal é composta por signos sonoros ou 
visuais, como placas, imagens, vídeos etc.
b) a linguagem verbal diz respeito aos signos que são forma-
dos por palavras. Eles podem ser sinais visuais e sonoros.
c) a linguagem verbal, por dispor de elementos linguísticos 
concretos, pode ser considerada superior à linguagem não verbal.
d) linguagem verbal e não verbal são importantes, e o suces-
so na comunicação depende delas, ou seja, quando um interlocu-
tor recebe e compreende uma mensagem adequadamente.
02. Qual o tipo de linguagem utilizada abaixo:
https://www.todamateria.com.br/linguagem-verbal-e-nao-
-verbal/
A) Linguagem verbal
B) Linguagem não verbal
C) Linguagem mista
D) Linguagem conotativa
03. Quando assistimos um jogo de futebol, as linguagens ver-
bal e não verbal estão envolvidas. Qual delas abaixo representa a 
linguagem verbal usadas nas partidas de futebol:
A) Bandeiras de impedimento
B) Cartões vermelho e amarelo
C) Locutor do Futebol
D) O apito do juiz
LÍNGUA PORTUGUESA
11
04. UERJ
Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus 
trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o 
The New York Times
No cartum apresentado, o significado da palavra escrita é 
reforçado pelos elementos visuais, próprios da linguagem não 
verbal. A separação das letras da palavra em balões distintos con-
tribui para expressar principalmente a seguinte ideia:
A) dificuldade de conexão entre as pessoas
B) aceleração da vida na contemporaneidade
C) desconhecimento das possibilidades de diálogo
D) desencontro de pensamentos sobre um assunto
05. Gráficos são exemplos de utilização simultânea das lin-
guagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrên-
cias para a compreensão do texto.
Nos gráficos, os elementos visuais e os elementos textuais 
são fundamentais para o entendimento total da mensagem trans-
mitida. No gráfico em questão, a linguagem verbal e a linguagem 
não verbal têm como intenção mostrar ao leitor que:
A) O número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos 
diminuiu em um período de cinco anos.
B) O número de pessoas acima de 60 anos que estão inseri-
das no mercado de trabalho é proporcionalmente inverso à quan-
tidade de pessoas que se casam nessa faixa etária.
C) Apresenta dados para o leitor que comprovam o aumento 
no número

Outros materiais