A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
APOSTILA QUESTÕES OAB FGV

Pré-visualização | Página 15 de 50

de segurança coletivo, nos termos da Lei nº. 12.016/2009, não induz litispendência 
para as ações individuais, mas os efeitos da coisa julgada só beneficiarão o impetrante a título 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
individual se for requerida a desistência de seu mandado de segurança individual, no prazo de 
30 dias a contar da ciência da impetração do mandado de segurança coletivo. 
D) em uma ação civil pública, o Ministério Público somente poderá atuar como parte, tutelando 
os interesses transindividuais nas hipóteses previstas no Parágrafo único do artigo 1o, da Lei nº. 
7.347/85, ou seja, ações de natureza pevidenciária, tributária, ou relativas ao FGTS. 
 
46. (III EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCESSO COLETIVO) A ação popular é um importante 
instrumento para a promoção da tutela coletiva de direitos. Acerca da coisa julgada formada 
pelas sentenças de mérito proferidas em tais ações, é correto afirmar que 
(A)só se forma coisa julgada em ações populares julgadas procedentes, após a aplicação do 
duplo grau de jurisdição, medida que tem por objetivo preservar os interesses da Fazenda 
Pública eventualmente condenada. 
(B) a produção de efeitos erga omnes não ocorre se o pedido for julgado improcedente por 
insuficiência de provas. 
(C) produz efeitos erga omnes, exclusivamente nos casos de procedência meritória, ficando seus 
efeitos, em todos os casos de improcedência, limitados às partes do processo. 
(D) produz, como regra, efeitos inter partes, cabendo aos interessados em se beneficiarem de 
eventual procedência na ação requererem sua habilitação até a prolação da sentença. 
 
47. (VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS) A Lei Civil afirma que, a 
despeito de a personalidade civil da pessoa começar com o nascimento com vida, ao nascituro 
serão assegurados os seus direitos desde a concepção. Para tanto, é correto afirmar que, na 
ação de posse em nome de nascituro, 
(A) a nomeação de médico pelo juiz para que emita laudo que comprove o estado de gravidez 
da requerente, assim previsto na lei processual civil, não poderá ser dispensado em qualquer 
hipótese. 
(B) por se tratar de mera expectativa de nascimento com vida, portanto, não tendo o nascituro 
personalidade civil, fica dispensada a intervenção do Ministério Público na causa. 
(C) reconhecida a gravidez, a sentença declarará que seja a requerente investida na posse dos 
direitos que assistam ao nascituro; não cabendo àquela o exercício do pátrio poder, o juiz 
nomeará curador. 
(D) são documentos indispensáveis à ação o laudo comprobatório do estado gestacional 
emitido pelo médico nomeado pelo juiz e a certidão de óbito da pessoa de quem o nascituro é 
sucessor. 
 
48. (VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS/USUCAPIÃO) Fábio, que 
ocupa há mais de vinte anos um terreno em uma valorizada área urbana e preenche os 
requisitos para usucapir o referido bem, decidiu, em 2011, ajuizar uma ação de usucapião. Com 
base nas disposições sobre a ação de usucapião, é correto afirmar que 
(A) as Fazendas Públicas municipal, estadual e federal serão intimadas para manifestar interesse 
na causa e o Ministério Público se manifestará se identificar hipótese de sua intervenção no feito. 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
(B) a planta do imóvel acompanhará a petição inicial, para que se individualize o imóvel que se 
pretende usucapir. 
(C) o autor requererá a citação por edital daquele em cujo nome estiver o imóvel usucapiendo. 
(D) a usucapião não poderá ser alegada como matéria de defesa em outros procedimentos. 
 
49. (V EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAS/REINTEGRAÇÃO DE POSSE) 
Numa ação de reintegração de posse em que o esbulho ocorreu há menos de 1 ano e 1 dia, ao 
examinar o pedido de liminar constante da petição inicial, o juiz 
(A) deve sempre realizar a inspeção judicial no local, sendo tal diligência requisito para a 
concessão da liminar. 
(B) deve deferir de plano, sem ouvir o réu, se a petição inicial estiver devidamente instruída e 
sendo a ação entre particulares. 
(C) deve sempre designar audiência prévia ou de justificação, citando o réu, para, então, 
avaliar o pedido liminar. 
(D) pode deferir a liminar de plano, sem ouvir o réu, desde que haja parecer favorável do 
Ministério Público. 
 
50. (IV EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS/AÇÕES POSSESSÓRIAS) A 
respeito das ações possessórias, assinale a alternativa correta. 
(A) A propositura da ação de reintegração de posse, quando cabível manutenção de posse, 
torna impossível o acolhimento do pedido, impondo a extinção sem resolução do mérito. 
(B) Quando for ordenada a justificação prévia, o prazo para contestar contar-se-á da intimação 
do despacho que deferir ou não a medida liminar. 
(C) É vedada a cumulação de pedidos com o pedido possessório. 
(D) O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de esbulho e reintegrado no de 
turbação. 
 
51. (II EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS/LEI 9.099/95) A Lei n. 
9.099/95 disciplina os chamados Juizados Especiais Cíveis no âmbito Estadual. Nela é possível 
encontrar diversas regras especiais, que diferenciam o procedimento dos Juizados do 
procedimento comum do CPC. Segundo a Lei n. 9.099/95, assinale a alternativa que indique uma 
dessas regras específicas. 
(A) Não é cabível nenhuma forma de intervenção de terceiros nem de assistência. 
(B) É vedado o litisconsórcio. 
(C) Nas ações propostas por microempresas, admite-se a reconvenção. 
(D) Se o pedido formulado for genérico, admite-se, excepcionalmente, sentença ilíquida. 
 
52. (IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS) Primavera do Leste 
Arrendamento Mercantil S.A. ajuizou ação de reintegração de posse de bem arrendado à 
sociedade empresária Vila Bela Distribuidora de Jornais e Revistas Ltda., em face do não 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
pagamento das prestações nos vencimentos. O contrato de arrendamento mercantil prevê 
resolução de pleno direito em caso de qualquer inadimplemento da arrendatária. O juiz 
extinguiu o processo sem resolução de mérito porque 
A) no contrato de arrendamento mercantil, ainda que haja cláusula resolutiva expressa, é 
necessária a notificação prévia do arrendatário para constituí-lo em mora. 
B) nos contratos de arrendamento mercantil celebrados entre a arrendadora e as sociedades 
empresárias é vedada a aposição de cláusula resolutiva expressa. 
C) a ação cabível para a retomada do bem em poder do arrendatário pela arrendadora é a 
ação de depósito, com pedido de liminar de reintegração de posse. 
D) como no contrato de arrendamento mercantil há opção de compra pela arrendatária, a 
propriedade da arrendadora é resolúvel, sendo incabível ação possessória. 
 
53. (IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO/FGV/PROCEDIMENTOS ESPECIAIS/LEI Nº 
12.153/2009/JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA) Os Juizados Especiais da Fazenda 
Pública, órgãos da Justiça comum e integrantes do Sistema dos Juizados Especiais, foram 
instituídos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.