Dietoterapia (Obesidade e Síndrome Metabólica)
51 pág.

Dietoterapia (Obesidade e Síndrome Metabólica)


DisciplinaNutrição20.297 materiais161.764 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Dietoterapia na obesidade 
e síndrome metabólica
Professora Penha Ribeiro
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO
Obesidade
Epidemiologia - obesidade
https://www.who.int/gho/ncd/risk_factors/overweight/en/
Prevalência de excesso de peso em maiores de 18 anos (1975)
Epidemiologia - obesidade
https://www.who.int/gho/ncd/risk_factors/overweight/en/
Prevalência de excesso de peso em maiores de 18 anos (2016)
Epidemiologia - obesidade
https://www.who.int/gho/ncd/risk_factors/overweight_obesity/obesity_adults/en//
Prevalência de obesidade em maiores de 18 anos (2016)
Epidemiologia - obesidade
SISVAN, 2019
Definição - obesidade 
A obesidade 
caracteriza-se pelo 
acúmulo excessivo 
de gordura, 
comprometendo a 
saúde do 
indivíduo.
CUPPARI, 2014
Definição - obesidade 
A OBESIDADE 
caracteriza-se 
como uma 
doença 
multifatorial
Ambientais 
Estilo de 
vida Genéticos 
Emocionais 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Índios PimaGêmeos separados
Definição - obesidade 
Genéticos 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Você come a mesma coisa que eu e não engorda...
Definição - obesidade 
Emocionais 
ABESO, 2016
Compulsão alimentar 
Desejo por comidas palatáveis 
Ansiedade
Estresse
Nervosismo 
Definição - obesidade 
Estilo de 
vida 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Aumento do consumo de 
alimentos com:
\u2022 Grande densidade calórica
\u2022 Alta palatabilidade
\u2022 Baixo poder sacietógeno
\u2022 Baixo preço 
Além de:
\u2022 Pouco tempo para se alimentar 
\u2022 Privação do sono crônica
\u2022 Aumento do tamanho das porções 
Definição - obesidade 
Estilo de 
vida 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Definição - obesidade 
Ambientais 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
\u2022 Ambiente moderno
\u2022 Desenvolvimento industrial e tecnológico
\u2022 Diminuição do nível de atividade física
Avaliação nutricional na obesidade
Na avaliação antropométrica utiliza-se a combinação de:
IMC Perímetro abdominal
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Avaliação nutricional na obesidade
IMC 
ABESO, 2016
Avaliação nutricional na obesidade
Na avaliação antropométrica utiliza-se a combinação de:
IMC Perímetro abdominal
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Avaliação nutricional na obesidade
Perímetro abdominal
ABESO, 2016
Risco 
cardiovascular 
quando
\u2265 80 cm Risco 
cardiovascular 
quando
\u2265 90 cm
Avaliação nutricional na obesidade
Além da antropometria, é importante 
observar:
Queixa 
principal 
História social e ambiental relacionada 
a obesidade
Outras 
doenças
Uso de 
medicamentos 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2009
Dietoterapia - obesidade
Avaliação do estado nutricional 
Alterado
Não 
alterado 
Manutenção 
do peso 
O paciente está preparado para perder peso?
Aconselhar 
Acompanhar 
Não 
Sim 
CUPPARI, 2014
Dietoterapia - obesidade
CUPPARI, 2014
Para o planejamento da intervenção nutricional, é preciso definir 
os objetivos do tratamento.
Objetivo do paciente
Objetivo do 
profissional de saúde 
De forma geral, redução 
de 5 a 10% do peso 
inicial já resulta em 
melhora metabólica 
significativa. Foco 
principal na saúde.
Cuidado com 
metas arbitrárias 
de peso ''ideal\u201d.
Muitos pacientes abandonam o tratamento 
quando percebem que não conseguiam atingir 
seus próprios objetivos.
CUPPARI, 2014
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
\u2022 20% a 30% de gorduras
\u2022 55% a 60% de carboidratos
\u2022 15% a 20% de proteínas
Déficit de 
500 a 1.000 
kcal/dia
Mínimo de 1.000 a 
1.200 kcal/dia para 
as mulheres 
Mínimo de 1.200 a 
1.400 kcal/dia para 
os homens
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
400 a 800 
kcal 
3-4 
semanas
Perda de 
peso 
acelerada 
Maiores 
taxas de 
reganho de 
peso
Atenção:
\u2022 Supervisão
\u2022 Contraindicações 
ABESO, 2016; CUPPARI, 2014
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
A substituição de refeições tradicionais por 
refeições preparadas ou suplementos 
alimentares pode ser indicada no tratamento da 
obesidade associada a um acompanhamento 
nutricional e a uma dieta hipocalórica.
ABESO, 2016
Não faz parte de 
um planejamento 
de vida saudável
Lesão hepática foi 
identificada em 
diversos países 
Casos fatais 
também foram 
detectados
Contaminação por 
metais pesados 
Compostos tóxicos 
Presença de 
patógenos
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
DASH (de Dietary Approach to Stop Hypertension) 
Incentiva:
\u2022 Frutas 
\u2022 Legumes
\u2022 Cereais integrais
\u2022 Nozes
\u2022 Sementes
\u2022 Lácteos com baixo 
teor de gordura
\u2022 Carnes magras 
Limita:
\u2022 Sal
\u2022 Bebidas com cafeína 
\u2022 Bebidas alcoólicas.
ABESO, 2016
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
Efeito cardiovascular da dieta DASH
Grãos integrais Frutas e verduras Sal Lácteos 
Fibras 
Índice 
glicêmico 
Absorção do 
colesterol 
Aterosclerose 
Antioxidantes Mg e K Na
Pressão arterial 
Risco de doenças 
coronarianas 
Ca
ADAPTADO DE Valentino G, Tagle R, Acevedo M. Dieta DASH y menopausia: Más allá de los beneficios en hipertensión arterial. 
Rev Chil Cardiol 2014; 33: 215-222
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
In natura ou 
minimamente 
processados 
Produtos extraídos 
dos in natura ou 
diretamente da 
natureza
Alimentos 
processados 
Alimentos 
ultraprocessados
ABESO, 2016; BRASIL, 2014
Dietoterapia - obesidade
Recomendadas 
Dietas 
balanceadas 
Dietas de muito 
baixas calorias
Substituição de 
refeições
Dieta DASH
Guia alimentar 
Dietas sem 
evidências
Dietoterapia - obesidade
Dietas sem 
evidências
Low carb
Jejum 
intermitente
Dieta sem 
glúten
Dieta sem 
lactose
Outras 
ABESO, 2016
Não há nenhuma evidência científica de longo prazo 
sobre a efetividade dessas dietas.
Dietoterapia - obesidade
Dietas sem 
evidências
Low carb
Jejum 
intermitente
Dieta sem 
glúten
Dieta sem 
lactose
Outras 
ABESO, 2016
Caracterizadas por serem compostas de:
\u2022 55% a 65% de gordura
\u2022 <20% de carboidratos (até 100 g por dia)
\u2022 25% a 30% de proteínas
Também chamada de dieta paleolítica ou Paleo
Dietoterapia - obesidade
Dietas sem 
evidências
Low carb
Jejum 
intermitente
Dieta sem 
glúten
Dieta sem 
lactose
Outras 
ABESO, 2016
Deficiência em vitaminas A, 
B6, folato, cálcio, magnésio, 
ferro, potássio e fibras
Dor de cabeça, 
halitose e 
problemas renais
\u2022 \u2191CHO \uf0e0 indivíduo menos satisfeito,
resultando em mais fome.
\u2022 Dieta com pouco CHO leva à CETOSE \uf0e0
diminui o apetite.
Ideia central:
Perda 
de 
água
Dietoterapia - obesidade
Dietas sem 
evidências
Low carb
Jejum 
intermitente
Dieta sem 
glúten
Dieta sem 
lactose
Outras 
ABESO, 2016
Dietoterapia - obesidade
Dietas sem 
evidências
Low carb
Jejum 
intermitente
Dieta sem 
glúten
Dieta